Violência silenciosa

Data de publicação: 22/10/2013

Cleusa Thewes *


Violência doméstica, uma ferida invisível que marca profundamente a vítima. Qual o papel da sociedade e da mídia, da família, diante de um problema tão grave e com tanta máscara?

Violência doméstica escondida no silêncio familiar. Eva, 55 anos, vive uma triste situação familiar. Mãe de quatro filhos, sustenta a casa só com a aposentadoria. Seu marido é dependente do álcool e ela sofre agressões psicológicas. A filha, de 18 anos, escrava do crack, substitui pela droga os alimentos da família, o celular da mãe, a televisão, o botijão de gás, os armários da cozinha, os agasalhos dos irmãos e até as tábuas das paredes da casa. Agride fisicamente mãe e manos. Internada várias vezes, fugiu e recaiu.  Eva também adoeceu, porque já não dorme, vigiando dia e noite o que ainda lhe resta dentro da casa.

Júlia, 19 anos, guarda em segredo a violência sexual sofrida aos 16 anos. O pai a estuprou. Ela desabafa: “Não posso denunciá-lo, pois não tenho para onde ir e minha mãe morreria se soubesse do fato”. No caso, agressor e vítima convivem, sob o mesmo teto, cúmplices de um segredo criminoso. Situações idênticas à de Júlia são comuns. As vítimas sentem medo das ameaças do agressor. Fragilizadas, não denunciam. São crianças e jovens submissos ao mundo oculto da violência.

Impotentes vítimas − O que é a violência doméstica? São os maus tratos físicos, morais e psicológicos sofridos dentro de casa, tais como: ofensa, abandono, agressão física, abuso, violência sexual, castigo. Nos lares em que impera a violência, não há lugar para o amor, o crescimento físico e psicológico sadio, o cuidado mútuo, a solidariedade, a fraternidade. Idosos, mulheres, jovens e crianças tornam-se impotentes vítimas da violência doméstica. Os jovens, em resposta à violência do lar, tornam-se, em regra, escravos de drogas, passando, por sua vez, a torturar, amedrontar e escravizar os familiares. Em qual encruzilhada se perdeu a delicadeza dos valores fraternos?

A miséria humana costura retalhos de debilidade, indiferença e violência no relacionamento familiar. O Documento de Aparecida, no 78, eticamente denuncia causas do desequilíbrio na convivência: “A idolatria do dinheiro, o avanço de uma ideologia individualista e utilitarista, a falta de respeito pela dignidade de cada pessoa, a deterioração do tecido social, a corrupção inclusive nas forças da ordem e a falta de políticas  públicas de equidade social.” Essas causas favorecem o silêncio da violência. A dor calada, nos lares, na sociedade, clama por protagonistas que assumam a causa do restabelecimento da dignidade humana.

“Nesta hora da América Latina e do Caribe, é imperativo tomar consciência da situação precária que afeta a dignidade de muitas mulheres. Algumas, desde crianças e adolescentes, são submetidas a múltiplas formas de violência dentro e fora de casa”, nos relata o Documento de Aparecida, no 48, que identificou com peculiar preocupação, na sociedade atual, várias formas de violência: “tráfico, violação, escravização e assédio sexual; desigualdades na esfera do trabalho, da política e da economia; exploração publicitária por parte de alguns meios de comunicação social que as tratam como objeto de lucro”.

Olhos da compaixão
– Esta macroagressividade oculta-se, num silêncio dolorido, nos rostos violentos e violentados da realidade intrafamiliar. As famílias estão enfermas e carentes do amor, do pão, da inclusão, da justa divisão material, os quais, vindo a existir, a todos oportunizarão espaço, dignidade e um pertencimento social, moral, econômico e emocional adequado. Famílias subjugadas pela violência pedem socorro. Temos de aprender a contemplar, ainda que com certa inquietação, o rosto dos que sofrem. Urge acessar os olhos do cuidado e da compaixão. Isso nos levará a vivenciar a súplica do querido Mestre Jesus: “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei” (Jo 15,12).

No n 409 do Documento de Aparecida, podemos ler o alerta: “A situação precária e a violência familiar com frequência obrigam muitos meninos e meninas a procurarem recursos econômicos na rua para sua sobrevivência pessoal e familiar, expondo-se também a graves riscos morais e humanos”. As famílias machucadas aguardam os samaritanos do cuidado e da paz. Que a ordem moral e os direitos humanos renasçam neste berço esplêndido chama- do Brasil.

“Socorre-nos da violência doméstica, nossa Mãe Aparecida.  Amém!”

 *Terapeuta familiar e especialista em orientação familiar.





Fonte: Família Cristã 918 - Jun/2012
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Casal sem depressão
Para superar a depressão pós-parto, mulheres devem contar com o apoio e compreensão dos companheiros
Casamento que não aconteceu
Documento do papa sobre as novas regras da nulidade matrimonial, ainda gera dúvidas entre os fiéis
Voltei pra você
Muitos divorciados gostariam de uma segunda chance para retomar o casamento.
Juntos, mas separados
O ideal é que a vida a dois seja com o casal junto, mas compromissos profissionais podem afastar
Namorados para sempre
Cuidados diários, diálogo e partilha da vida são passos preciosos para um “felizes para sempre”
1 2 3 4 5 6 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados