Evangelho do Domingo

Data de publicação: 22/03/2013

Ilustração: Sergio Ricciuto ConteDomingo de Ramos e da Paixão do Senhor

Ano C – 24 de março de 2013

Por cônego Celso Pedro da Silva

Lc 19,28-40; Is 50,4-7; Sl 21 (22); Fl 2,6-11; Lc 22,14 – 23,56


A comunidade cristã se reúne hoje para celebrar a paixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo e no próximo domingo celebrará a ressurreição de Jesus. Assim, os que só podem participar da missa do domingo se unem hoje ao mistério da morte de Jesus na cruz e celebram sua vitória gloriosa sobre a morte no domingo seguinte, Domingo da Páscoa da Ressurreição. Esta é a última semana de Jesus. Ele entra em Jerusalém, e fazemos a memória dessa entrada com a bênção e procissão dos ramos, celebra a última ceia com os seus discípulos na Quinta-Feira à noite, quando terminamos a Quaresma e iniciamos o Tríduo Sacro. Sexta-Feira Santa é o dia da morte de Jesus na cruz. Não celebramos Missa nesse dia, ou seja, não há consagração do pão e do vinho. Há sim uma grande liturgia feita de leituras, cânticos e orações, bem próxima do estilo da Igreja primitiva. Recebemos a comunhão com as Hóstias consagradas na Quinta-Feira Santa. E, no Sábado, a liturgia das liturgias é celebrada à noite. É a vigília da Páscoa da Ressurreição, o dia da vitória, da certeza do caminho iniciado, da energia do Ressuscitado, que penetra em nós e se expande pelo universo afora. Hoje entramos com Jesus em Jerusalém para dar início a todos esses acontecimentos da nossa salvação.

Todo mundo está alegre pelo que viu, diz São Lucas, e a multidão aclama o Rei que vem em nome do Senhor. O evangelista narra em seguida a paixão de Jesus, o mártir perfeito, que ora por si e por todos e tem junto de si os seus discípulos fiéis. A narração começa com a ceia: “Isto é o meu corpo, que é dado por vós. Fazei isto em memória de mim. Este cálice é a nova aliança no meu sangue, que é derramado por vós”. O sangue do Justo será derramado até o fim. Sangue do perdão: “Pai, perdoa-lhes”. Sangue da esperança de salvação: “Ainda hoje estarás comigo no paraíso”. Sangue da entrega total: “Pai, em tuas mãos entrego o meu espírito”.

O que aconteceu na tarde daquela Sexta-Feira Santa não foi um acontecimento do qual nos recordamos com gratidão. Não nos reunimos para lembrar o que Jesus fez, chorar com Ele, pedir perdão e agradecer. O que aconteceu naquela tarde continua acontecendo, como algo que se prolonga e se expande. O que aconteceu acontece cada vez que nos reunimos para celebrar a Santa Missa. A Santa Missa é a atualização da Ceia e da Cruz. Ao celebrarmos, entramos todos no Cenáculo e nos sentamos à mesa de Jesus, e em seguida subimos a colina do Calvário para morrer com Ele na cruz. Nossa Igreja paroquial, nossa capela, nosso lugar de celebração se tornam o Cenáculo e o Calvário. “Fazei isto em memória de mim”, é o que fazemos.

Se compreendermos que a Santa Missa, dominical ou semanal, não é um simples ato de devoção e sim a presença aqui e agora da oferta sacrifical do Senhor feita um dia no passado, então a nossa vida se tornará um grande ofertório, com prefácio, consagração, comunhão, oração. Será a “missa sobre o mundo” no “coração das massas”.

Pense na cola que usamos para juntar uma coisa à outra e pense em se colar a Deus na sua obra de criação e redenção em Jesus Cristo. O caminho unitivo começa e termina no Cenáculo e no Calvário, dois lugares de um único acontecimento.




Fonte: Família Cristã
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Edição de dezembro 2011
Edição 912, dezembro de 2011
Edição de janeiro 2011
Edição 913, janeiro de 2012
Edição de dezembro 2012
Edição 924, dezembro de 2012
Edição de novembro 2012
Edição 923, novembro de 2012
Edição de outubro 2012
Edição 922, outubro de 2012
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados