Diálogo 90, Abril/Junho de 2018

Data de publicação: 06/04/2018

Crescer na diferença

Na opinião do educador e escritor Daniel Munduruku: “Somos uma nação parida à força”. Os primeiros indígenas foram forçados a receber uma gente que se impôs pela crueldade e pela ambição; assim como os povos africanos, submetidos à tirania de pessoas que se sentiam superiores apenas por conta da cor de sua pele.
Portanto, somos um povo forçado a se adaptar às circunstâncias e, muitas vezes, aprender a conviver com o diferente pela resistência. Consciente desta realidade, a revista Diálogo – Religião e Cultura pretende, nesta edição, refletir e extrair conhecimentos importantes nos atuais cenários das relações interpessoais, interculturais e internacionais.
Nessa mesma perspectiva, apresentamos o estudo e o diálogo inter-religioso como uma possibilidade de superação do grande desafio da humanidade: vivermos juntos em paz, com respeito e alteridade.
Compreender a diversidade e a formação da religiosidade brasileira, a partir da construção histórica do Brasil, nos leva à consideração das quatro matrizes religiosas fundadoras: indígena, ocidental, africana e oriental, na ordem histórica da formação do povo brasileiro.
Assim como as matrizes religiosas, no Brasil, também a arte e a cultura têm expressões variadas, com manifestações características, em que as contribuições indígenas, africanas e europeias se entrelaçam e se evidenciam. Cada uma dessas manifestações tem sua própria história, com sua coreografia, seus personagens, normalmente nascidos de movimentos de resistência de uma comunidade locada e datada.
Da mesma forma, a migração se dá no substrato dessas raízes e com o mesmo teor de resistência. O que nos faz compreender que crescer com o diferente é um desafio enriquecedor e não um problema em si. E a educação é o primeiro espaço social de aprendizagem dessa difícil arte de conviver com a diferença.

 
Cultura

 

Brasil 
A quadrilha dentro dos festejos juninos




Artigo
Quadrilha e casamento caipira




Artigo
Minha vó foi pega a laço




Conto 
A solução do problema


 



Religiões

Artigo 
Diversidade – As matrizes religiosas brasileiras



Artigo 
Copa do Mundo – Congraçamento das diferenças




Atualidade

 
Reportagem 
Nova pátria numa segunda pátria

 


Artigo
 Autismo digital




 
Educação


Artigo 
Base Nacional Comum Curricular



Artigo  
Benefícios da musicalização infantil



Artigo  
Símbolos religiosos e a construção de saberes desenvolvidos na Classe Especial



Em pauta
Seminário Latino-Americano de Ensino Religioso em Perspectiva Intercultural
 
 

Sua página
 Ensino Religioso e alteridade




Resenha
 Educar para a Convivência na Diversidade





 




Fonte: Diálogo 90, Abril/Junho de 2018
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sumário - Edição 76
O lema de vida do Mestre inspira a Campanha da Fraternidade de 2015. Com o tema Fraternidade: Igreja e Sociedade
Sumário - Edição 75
O Plano Nacional de Educação (PNE), traça metas e estratégias para que os estudantes protagonizem o processo de ensino-aprendizagem.
Sumário - Edição 74
A fé entra em todos os campos da convivência humana. Desde o futebol até as manifestações dos ethos perenes de cada povo.
Sumário - Edição 73
A transposição didática da área acadêmica de Ciência da Religião para o Ensino Religioso pode ser comparada a uma plataforma.
Sumário - Edição 72
Toda pessoa nasce livre, diz a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ninguém, portanto, precisaria comprar liberdade. Três faculdades conferem dignidade ao ser humano: inteligência, sentimento e liberdade.
Início Anterior 1 2 3 4 5 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados