Ensino Religioso, o que ensinar?

Data de publicação: 02/07/2018

Ensino Religioso, o que ensinar?

“Podereis encontrar uma cidade sem muralhas, sem edifícios, sem ginásios, sem leis,
sem uso de moedas como dinheiro, sem cultura das letras.
Mas um povo sem Deus, sem oração, sem juramentos, sem ritos religiosos, sem sacrifícios, tal nunca se viu.” (Plutarco, filósofo grego)

A disciplina de Ensino Religioso (ER) aos poucos vem ocupando seu espaço no currículo escolar. Com matrícula facultativa e oferta obrigatória, é parte integrante da formação básica do cidadão. Como disciplina dos horários normais das escolas públicas de Educação Básica, favorece a releitura do Fenômeno Religioso nacional, contextualizado e significativo para a compreensão da sociedade brasileira, e assegura o respeito à diversidade cultural e religiosa do Brasil.
A sala de aula, a escola e a comunidade são espaços complexos, pois os sujeitos nelas inseridos trazem suas histórias de vida, seu processo diferenciado de crescimento, sua cultura, seus valores e suas crenças (religiosas ou não). É impossível pensar no que ensinar sem considerar essa complexidade. Complexo, nesse sentido, não quer dizer complicado, mas rico, diverso e plural. Por isso a contextualização do ser humano no tempo e no espaço é importante para o Ensino Religioso, bem como para as demais disciplinas.
Entender os objetivos do Ensino Religioso e considerá-lo de forma interdisciplinar, com estratégias que visem formar o cidadão, estimular o diálogo e compreender o aluno, são passos importantes na definição do que ensinar, pois é preciso explorar temas de acordo com o interesse de cada fase de desenvolvimento do aluno para que a aprendizagem seja significativa.

Desafios ao processo educativo
Os numerosos enfrentamentos para todos os envolvidos no processo ensino-aprendizagem, diante da demanda de competências para o futuro, exigem da  educação que ela, cada vez mais, prepare indivíduos para enfrentar os desafios e o avanço da ciência e da tecnologia, da circulação de informações e de comunicação, como também da mundialização. 
Os conteúdos a serem considerados para o Ensino Religioso, portanto, devem ser articulados e integrados a um contexto mais amplo: e nossas ações pedagógicas, organizadas e articuladas, considerando o estudante como sujeito de sua história e cidadão na comunidade em que está inserido.
Mais do que acumular conhecimentos, é importante que a aprendizagem seja significativa, para que novas informações se articulem às informações já existentes na estrutura cognitiva. O desafio, portanto, é considerar as demandas e articulá-las aos conteúdos do Ensino Religioso.

Os conteúdos abordados
A partir do que está disposto em Lei, percebe-se uma unidade e uma continuidade na Educação Básica, pois no Artigo 11º da Resolução do Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica: CNE/CEB nº 04/2010, diz: “A escola de Educação Básica é o espaço em que se ressignifica e se recria a cultura herdada, reconstruindo-se as identidades culturais, em que se aprende a valorizar as raízes próprias das diferentes regiões do País”. 
Segundo Edile Maria Rodrigues e Sérgio Junqueira, é importante pensar em um currículo centrado nas relações interpessoais e nas vivências socioculturais, enfatizando a compreensão e não a simples memorização de fatos básicos, que possibilitem a geração de novos fatos.
O Ensino Religioso precisa ser entendido a partir de uma visão mais ampla, que reúna todas as áreas do conhecimento, numa abordagem fenomenológica que observe as diversas manifestações religiosas de forma cultural, seja por meio do estudo das Religiões Comparadas, seja buscando as histórias das religiões. Precisamos levar em conta o processo de encontro com o outro e com o conhecimento.
Veja algumas sugestões de temas a serem desenvolvidos em cada um dos cinco eixos temáticos e dos objetivos do Ensino Religioso, conforme são definidos pelos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso (PCNER), no quadro à pág. 65.

Exemplos de desenvolvimento dos eixos temáticos
No Ensino Fundamental, podemos trabalhar as normas e os valores das diferentes Tradições Religiosas que favorecem o processo de convivência entre as diferenças e o relacionamento com o outro.
Os anos iniciais do Ensino Fundamental podem abordar conteúdos relacionados ao primeiro núcleo comunitário em que os alunos estão inseridos, que é a família. Os conteúdos podem partir de um mapeamento das crenças e dos valores familiares.
Os anos finais podem deter-se na questão da alteridade: a riqueza das diferenças; o valor da liberdade e da dignidade humana; as atitudes que promovem a união e a paz entre as pessoas no mundo.

Possibilidades
Quais as possibilidades que teríamos e as relações possíveis com os cinco eixos propostos pelos PCNER? Vamos pensar nesses eixos e conteúdos do ER, conforme o que aponta o professor Antonio Boeing, a partir da concepção de que a atuação do ser humano não se limita às relações com o meio ambiente e às relações sociais, mas, sim, que está sempre em busca de algo que transcende tais realidades. “Os eixos e conteúdos do Ensino Religioso em muito podem contribuir para que o ser humano inacabado, inquieto e aberto ao Transcendente siga na busca, encontre o sentido para a vida e seja feliz.” 
Eis o desafio que se apresenta a nós, educadores: assumir uma atitude que desenvolva a articulação com outras competências (disciplinas e conhecimentos), integrando os estudantes em um trabalho conjunto com vistas à formação integral, uma formação que permita pensar globalmente e agir localmente.

Professora Edile Maria Fracaro Rodrigues
Mestra em educação e membro do Grupo de Pesquisa, Educação e Religião (GPER), da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR).
edilef@gmail.com

Referências
BOEING, Antonio. O Fenômeno Religioso como experiência universal. São Paulo: Associação de Educação Coletiva (AEC), 1999.
BRASIL. Resolução nº 04/2010 CNE/CEB Disponível no portal do Ministério da Educação: www.mec.gov.br
GERALDI, Corinta M. Grisolia. et alii (Org.) Cartografias do trabalho docente. Campinas: Mercado das Letras, 1998, p. 282.
FONAPER. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso. São Paulo: Ave Maria, 1998.
RODRIGUES, Edile Maria Fracaro; JUNQUEIRA, Sérgio. Fundamentando Pedagogicamente o Ensino Religioso. Curitiba; Instituto de Pós-Graduação e Extensão (IBPEX), 2009.

Fonte: Dialogo 71, Ago/Set 2013
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

A Antropologia e a Religião
A antropologia procura compreender o ser humano na totalidade e vê que uma de suas marcas indeléveis
A ética das religiões frente ao tráfico humano
A intensificação do tráfico de pessoas em pleno século 21
O desenvolvimento religioso
O sentimento religioso nasce e amadurece no encontro com pessoas significativas na trajetória da existência humana
2013-2022, Década do Afrodescendente
A ONU, aprovou a Resolução A/66/460 Contra o Racismo, a Discriminação Racial a Xenofobia e a Intolerância
Cultura afro-brasileira: Resgatando nossas origens
As questões culturais, dentre as quais a questão religiosa, têm sido relevantes para pesquisas e discussões
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados