As florestas em festa

Data de publicação: 23/06/2015


A data que marca o início de um novo ciclo na natureza é o dia 21 de setembro, no Hemisfério Sul, e 21 de março, no Norte. Inicialmente chamado de Dia Mundial da Árvore ou Dia Mundial da Floresta, foi comemorado pela primeira vez no estado norte-americano do Nebraska, em 1872, com a iniciativa de Julius Sterling Morton, o qual mobilizou a população a plantar árvores na região daquele estado. Na área ao redor de sua casa, Julius plantou árvores de todo o mundo, atingindo cerca de 270 variedades. Após o falecimento de Julius Morton, no ano de 1902, a casa passou a abrigar um parque estadual.
No Brasil, o decreto federal no 55.795, do ano de 1965, oficializou a Festa Anual das Árvores em substituição ao Dia da Árvore, estabelendo datas distintas, conforme as diferentes características fisiográfico-climáticas. Para o Norte e Nordeste, é no final do mês de março; para o Sul e Sudeste, final de setembro. Entretanto, em muitos estados não se observa à risca o decreto, permanecendo a ser chamado de Dia da Árvore, comemorado no dia 21 de setembro.
A Festa Anual das Árvores não é apenas uma data cívica a ser lembrada, é também uma forma de resgatar sua importância no plano da ecologia e também da religião, pois não se pode esquecer de que algumas tradições religiosas, não só animistas,  consideram os elementos da natureza como símbolos que representam a vida, a sabedoria, a imortalidade.
Na África e em algumas religiões afro-brasileiras, como o Candomblé, a árvore sagrada é o baobá, que não deve ser cortada ou arrancada. Entre os índios Ticuna, tribo da região amazônica, a árvore é a samaumeira, considerada a Mãe da Floresta e a Criadora do Mundo. Para o budismo, a figueira é sagrada porque entre os seus galhos protegia Buda, durante o tempo em que ficou meditando até receber a iluminação. Enquanto a oliveira é uma das árvores reverenciadas no judaísmo, pois com seu óleo se ungia os reis, no cristianismo a videira tem uma presença importante, uma vez que o vinho simboliza o sangue de Cristo. Vale lembrar que as árvores, para essas tradições, não são uma espécie de deuses, elas apenas fazem visualizar a sacralidade que há em toda a criação. 

Sugestão de atividade de Ensino Religioso
Éthos – Promover um debate sobre a afirmação: Na África, o baobá é a árvore sagrada que não deve ser cortada ou mesmo arrancada. O que precisamos mudar em nossa cultura para preservar o meio ambiente?
Mitos – Propor uma pesquisa sobre os mitos de origens nas diferentes tradições religiosas, a fim de identificar os elementos da natureza que integram a narrativa (por exemplo: tradições indígenas e afro-brasileira, cristianismo e judaísmo).

Fonte: Diálogo 63 - AGO/2011
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Reflexos do deserto
O cerrado é o segundo maior bioma brasileiro e esconde locais que inspiram mistério e transcendência, alguns já conhecidos por serem cenários de ecoturismo
Construções da fé
Os séculos, suas pedras e suas edificações estão aí a provar o quanto a humanidade criou – forjada pela fé – obras arquitetônicas lindíssimas, templos sagrados em devoção aos seus deuses.
Os humanos e seus direitos
“A sociedade é hipócrita, há quem declara ao que vive na rua: ‘Deus te ama’. Mas não se aproxima, tem medo da pessoa.
Cultura afro-brasileira: resgatando os nossas origens
Finalmente, hoje, esta herança parece ser revista e valorizada como alternativa possível para frear a dominação e a exploração do meio ambiente do qual o ser humano é parte.
Crônica da terra dos Papagaios
Em verdade, não é fácil dizer quanta diversidade há de aves ornadas de várias cores. Os papagaios são mais comuns aqui no Brasil
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados