Celebrando o mistério da vida

Data de publicação: 21/12/2015


O(a) professor(a) prepara um ambiente agradável, colocando no centro da sala algum símbolo sugestivo, de acordo com o tema da celebração. Colocar um fundo musical, enquanto os alunos entram na sala e se posicionam em círculo.
Cada parte da celebração poderá ser lida por dois alunos, alternando uma voz masculina e uma feminina. Após cada uma das partes, é aconselhável fazer um momento de silêncio, com fundo musical, e os alunos repetem algumas frases do texto, completando-as com suas palavras.
Pode-se também, a partir do texto, fazer uma partilha, escolhendo para isso uma das partes da celebração. Sugerimos algumas perguntas:
• Para a parte I: Quem sou eu? Como me sinto? Quais são os meus sonhos e desejos?
• Para a parte II: Como me sinto em relação aos outros? Quais são as pessoas mais significativas em minha vida? Quais delas mais me marcaram ou me ajudaram a crescer?
• Para a parte III: Como sinto e o que penso da vida em sociedade?
• Para a parte IV: Qual é a força interior que anima a minha vida?
Uma outra sugestão é intercalar cada parte da celebração com uma música adequada e conhecida pelos alunos.
I – Sou um mistério
Sou um mistério profundo,
incomensurável...
Com desejos imensos, incontidos...
Com grandes sonhos e aspirações...
Surgem em mim fontes de energia
e de potencialidade...
Ao mesmo tempo, descubro-me
frágil, limitado...
Sou forte e sou fraco...
Habitado pelo infinito
e experienciando o finito...
Imerso em trevas...
Invadido pela luz...
Tudo isso eu sou e ainda não sou...
Fechado sobre mim mesmo,
com impulsos de abertura...
Não acabado, mas em processo...
Emergindo do meu mistério profundo...

II – Sou com os outros
Não estou só.
Estou no mundo cercado de seres
com os quais partilho a minha
existência.
Descubro-me igual e diferente
aos outros que me cercam.
Sozinho nada sou. Sou com os outros.
Sozinho sou fraco...
Com os outros sou forte.
Sozinho vejo pouco...
Com os outros vejo mais.
Nada somos sozinhos...
Somos uns com os outros...
somos uns para os outros.
III – Crescemos juntos
Assim, no convívio de uns com os outros nos desenvolvemos como pessoas.
Crescemos juntos,
pela convivência e pelo diálogo.
Juntos organizamos e construímos a sociedade.
Nela queremos viver em paz e em segurança.
Pelo trabalho solidário, pela partilha de bens,
buscamos mais vida para todos.
Pelo esforço conjugado,
com respeito à natureza,
tornamos o planeta Terra
o hábitat de todos os seres que o povoam.

IV – Buscamos o infinito
Mas o ser humano não se basta a si mesmo!
Em nossa finitude buscamos o
infinito!
Tendemos para além de nós mesmos.
Buscamos resposta para as nossas
perguntas existenciais...
Tentamos descobrir
o sentido de nossa vida e da história...
Animanos uma força interior...
A esperança está em nós e nos faz
prosseguir...
Sim, há uma realidade que nos
transcende.
Um Ser infinito para além de nós mesmos!
Ao mesmo tempo ele está em nós.
Comunica-se conosco, está presente
em nossos relacionamentos,
respeita a nossa liberdade,
ajuda-nos a crescer como pessoas
e a construir um mundo mais humano.
Ajuda-nos a transpor a porta da história,
para um além de plenitude feliz.

* Pedro Ruedell, Helena Koakoski e Carmen Rowedder Autores desta celebração, realizada no 12o  Ener (Encontro Nacional de Ensino Religioso), Campinas (SP).

Fonte: Diálogo 34 - MAI/2004
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Pampulha Patrimônio Mundial da Unesco
O Comitê do Patrimônio Mundial decidiu incluir o Conjunto Moderno da Pampulha, localizado na cidade de Belo Horizonte, na Lista do Patrimônio Cultural da Humanidade.
A solução do problema
Passeando por um bosque, um homem viu uma raposa aleijada, que perdera as patas.
Transtorno do pânico O que fazer?
O pânico passa por uma estrutura fisiológica e cerebral que dispara as crises e reações mais ou menos intensas de ansiedade e medo, levando as pessoas até mesmo ao isolamento social.
A magia da bola e sua origem sagrada
Em ritos sagrados dançantes e esportivos, e em treinamentos de exércitos, sempre foram usadas esferas e bolas de várias matérias-primas e diversos significados e objetivos.
As sete cidades lendárias
O Parque Nacional das Sete Cidades, um conjunto de monumentos naturais situado entre os municípios de Piracuruca e Piripiri
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados