SUMÁRIO - EDIÇÃO 81

Data de publicação: 24/12/2015



EDITORIAL

Mundo enquadrado


Quando as crianças ficam sabendo que a Terra é redonda, revivem o assombro de Pitágoras (582-507 a. E.C. – antes da Era Comum ou Era Cristã), o gênio matemático que fez essa descoberta, na qual poucos creram. Mais incrível, porém, mesmo que evidente, é a ação humana, capaz de cercar, enjaular, restringir, sufocar, maltratar e pôr em risco a vida da esfera azul e dos seus moradores, desde os apenas existentes, os minerais e vegetais; aos sencientes, os animais; até nós, os pensantes.
O Central Parque de Nova York, nos Estados Unidos, visto do alto (foto), salienta a diferença de proporções entre a natureza, enquadrada, e a selva urbana em expansão, ponto alto do conceito moderno de desenvolvimento. Economias ilusoriamente desenvolvidas escondem consequências como lençóis freáticos e nascentes esgotados, extração agressiva de minerais preciosos, matas abatidas,  espécies extintas, monoculturas, alimentos geneticamente manipulados, solo envenenado, animais de corte cruelmente confinados, emissão de gases de efeito estufa, lixo não degradável acumulado na terra e nos mares, consumismo irracional. Estes e outros são enquadramentos antiecológicos, antiéticos e anti-humanos que flagelam a Terra, mudam os ciclos e os movimentos da natureza, impõem angústia, dor e morte aos indefesos e ameaçam com catástrofes globais os seus próprios causadores.
As metas da Década das Nações Unidas para a Biodiversidade (2011-2020) e as conclusões da 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-21) reconhecem a perigosa existência desse desequilíbrio causado pela atividade humana. Atividade, aliás, imposta a muitos, por aqueles poucos que se apoderam de bens não renováveis que a Terra usou milhões de anos para formar, e tornam tudo mercadoria lucrativa na cotação do momento.
 O que nos conforta é saber que, enquanto poucos animais racionais gozam, em suas vidas breves, de inacreditáveis e efêmeras fortunas, os seres pensantes como o velho Pitágoras e como as crianças ainda se encantam com a missão de serem a consciência do planeta e poderem decidir, agir e cuidar desta casa de todos com uma comum responsabilidade.





DESTAQUES


REPORTAGEM

Cada vez mais Diálogo 







ARTIGO 1

Casa de todos, cuidado comum






ARTIGO 2

Como tratamos os “outros”?






TERRA

O que vale a prosperidade





CULTURA


BRASIL

Manto real 






PERSONALIDADE

O último canto de João





RELIGIÕES


ENTREVISTA

Tao na Terra, o caminho da harmonia 






VOCÊ SABIA

Um planeta e vários mundos





ATUALIDADE


SOCIEDADE

Fé no clima






RESENHA

A vida dos outros





EDUCAÇÃO


ARTIGO 3

Ecologia de saberes






ARTIGO 4

Identidade: eu tenho, tu tens, ele tem






SUA PÁGINA

Tem atabaque na escola

Fonte: Diálogo 81 -JAN/MAR 2015
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Dialógo - Abril/Junho
Edição de Abril/Junho, 2019
Diálogo 93, Janeiro/Março de 2019
Sumário da Edição 93 da Revista Diálogo Religião e Cultura / Jan/Mar 2019.
Diálogo 92, Outubro/Dezembro de 2018
Quem se apropria de bens públicos não entendeu a finalidade coletiva dos bens, que, por serem públicos, são para todos como coletividade
Diálogo 91, Julho/Setembro de 2018
A palavra – falada ou escrita – distingue os humanos dos outros animais. Através dela expressamos nossas ideias, sentimentos, vontade
Diálogo 90, Abril/Junho de 2018
Convida você à refletir e extrair conhecimentos importantes nos atuais cenários das relações interpessoais, interculturais e internacionais.
1 2 3 4 5 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados