Está escrito...

Data de publicação: 15/02/2016


 As aulas de Ensino Religioso iam bem, havia um interesse sobre muitas questões que, geralmente, “dão pano pra manga”. No entanto, quando preparei a classe para tratarmos dos textos que, para muitas religiões, orientam a vida dos seus adeptos, foi surpreendente. Diversas reações foram observadas, algumas dignas de registro.
Levei para a sala de aula livros sagrados de várias religiões para que os alunos pudessem manuseá-los. O que mais me chamou a atenção foi um certo medo dos alunos de tocar, por exemplo, no Livro dos Espíritos ou no Evangelho Segundo o Espiritismo. Parecia que algo, que a pessoa não estava esperando, poderia acontecer.
Foi grande a admiração pelos escritos do hinduísmo e das religiões orientais e suas respectivas interpretações. Havia curiosidade em folhear o Alcorão (islamismo) e a Torá (judaísmo). O fato de entrar em contato com um material que, há tantos anos, sustenta o caminhar dessas religiões parece embevecer cada aluno.
Para muitos deles, assumidamente cristãos, havia a decepção de conhecerem tão pouco as escrituras sagradas de sua própria religião, a Bíblia. Lembro-me de um aluno que ficou entusiasmado ao conhecer o Livro de Mórmon, e disse: “...que legal, agora já posso conversar com aquela dupla que passa lá na minha rua” – fazendo uma alusão aos missionários da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Com isso, podemos concluir que o fato de os alunos conhecerem “com as mãos”, esses escritos lhes dá uma sensação de apropriação que os possibilita ou os encoraja a dialogar com o diferente.
Outro fato curioso, para o qual devemos estar preparados, é o número de perguntas a respeito desses escritos. Ao darmos tempo e material, eles logo descobrem paralelismos, traçam comparações e elaboram conclusões interessantes.
A partir do estudo dos escritos sagrados, fica mais fácil o entendimento do pluralismo religioso, afinal cada um tem sua geografia, cronologia, filosofia, mitologia, inspiração e interpretações. Nessa esteira, discutem-se os símbolos, os ritos, as concepções religiosas, as particularidades culturais, entre outras coisas.
Numa classe do 2º ano do ensino médio, um grupo apresentou um trabalho de comparação entre o Alcorão e a Bíblia. Ficaram felizes e surpresos com tantas aproximações, “foi uma oportunidade de nos livrarmos de alguns preconceitos em relação aos islâmicos” – disseram eles. Um outro grupo teve a ideia de fazer um calendário, tipo aquele da filosofia Seicho-No-Iê, no qual colocaram, para cada dia, uma frase de um livro sagrado de uma religião diferente. Deram o nome de Calendário da Paz.
Esta experiência de trabalhar com os escritos sagrados é, na verdade, uma porta de entrada para a discussão de muitos temas de Ensino Religioso. Ressaltamos o envolvimento com as aulas de Literatura para entendermos os estilos literários dos textos. É nesse universo de novidades que cada um descobre a importância dos registros, a riqueza de sensibilidades do espírito e a valorização daquilo que fundamenta a fé.

Fonte: Diálogo 35 - AGO/2004
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

IX Simpósio de ER
A temática proposta objetiva a reflexão sobre os novos desafios da educação contemporânea e da formação docente
Imprimindo marcas na História
A sexualidade é uma das energias que movem os seres humanos e as culturas em um fascinante jogo
Currículo, um rio em movimento
O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados