Uma nova história em sala de aula

Data de publicação: 06/07/2016


O Ensino Religioso é uma área de estudo desafiadora e instigante. Ela exige estudo constante, dedicação e autoconhecimento, pois só oferecemos aquilo que temos, é o que afirma o professor do Colégio Nossa Senhora das Dores, Wanderson Raposa Ferreira, da cidade de Uberaba (MG). Licenciado em História, atualmente busca se especializar em Ensino Religioso, a fim de poder responder com mais propriedade às exigências que sente acerca desse componente curricular.

DIÁLOGO – O que levou um professor de História a se interessar pelo Ensino Religioso?
Wanderson – Eu gosto muito de estudar e de ensinar. Quando em 2006 recebi o convite para trabalhar com Ensino Religioso, o abracei como um desafio que me deixou e ainda me deixa muito feliz.

DIÁLOGO – Como você lida com esse desafio?
Wanderson – Uma vez um aluno me perguntou: Wanderson, você tem religião? Eu respondi sim, sou cristão católico. Então devolvi a pergunta: Por que você me questiona isso? Ele respondeu: É porque você sabe tanto sobre diferentes religiões. É buscando conhecer aquilo que é diferente que a gente aprende a superar aquilo que nos desafia.

DIÁLOGO – Em sua experiência, de que modo o Ensino Religioso pode interagir com as outras áreas do conhecimento?
Wanderson –
A contribuição que o Ensino Religioso oferece se encontra em ampliar a visão de mundo, por meio do estudo e da reflexão interdisciplinar, de modo a possibilitar numa visão holística, o estudo e a compreensão do Fenômeno Religioso e suas diferentes manifestações. Além de colaborar para a formação da identidade de cidadãos críticos, respeitosos e solidários.

DIÁLOGO – E o que é necessário para que essa compreensão de Ensino Religioso seja comum a todos?
Wanderson –
Antes de qualquer coisa é preciso se embasar no projeto político pedagógico que toda escola deve ter. E tal projeto deve estar em sintonia com as discussões das Ciências das Religiões, que é o referencial teórico do Ensino Religioso, de modo a promover um saber científico, pautado na cidadania, no diálogo inter-religioso e na solidariedade.

DIÁLOGO – E como se aplica essa proposta em uma escola confessional?
Wanderson –
O colégio em que eu trabalho é confessional, contudo o modelo que buscamos seguir se baseia numa abordagem fenomenológico-cultural, o que contribui para a plena formação religiosa e cidadã dos alunos. Estamos sempre refletindo sobre como incluir a diversidade religiosa e cultural no espaço escolar e lidar com ela, não existindo espaços para proselitismos ou intolerâncias religiosas, culturais e sociais.

DIÁLOGO – Fale um pouco mais sobre essa prática.
Wanderson –
Na perspectiva do Ensino Religioso fenomenológico-cultural, temos que aprender a lidar com o sincretismo e a pluralidade religiosa existentes na sociedade, ou seja, evidenciamos aos nossos alunos que, embora não aceitemos a todas as religiões, temos por princípio que respeitá-las.

DIÁLOGO – Você percebe alguma dificuldade em relação a esse tipo de Ensino Religioso fenomenológico-cultural?
Wanderson –
A minha experiência profissional mostra que, nos últimos anos, houve muitos avanços teóricos e pedagógicos, contudo, ainda há muito a ser feito, pois é por meio desse modelo de Ensino Religioso escolar que podemos despertar nos alunos um raciocínio que supere as ideias absolutas e as certezas ilusórias, a fim de valorizar a abertura para o novo.

Com toda certeza não é fácil mudar de paradigmas, porém há certos momentos na vida em que é preciso fazê-lo. E a história do Ensino Religioso no Brasil comprova essa mudança, isto é, sair de um modelo confessional e fundamentar-se na cultura e no Fenômeno Religioso. Nós, da equipe de Redação da Diálogo – Revista de Ensino Religioso, queremos parabenizar a todos os professores que, assim como o professor Wanderson, tiveram coragem de acolher os novos paradigmas do Ensino Religioso.

Fonte: Diálogo 65-FEV/ABRIL 2012
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Currículo, um rio em movimento
O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados