Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Data de publicação: 18/01/2017


Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

                               


Um dos assuntos mais polêmicos que existem na pediatria atual é o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH). Os principais sintomas da doença são dificuldade em manter a atenção, mesmo em atividades lúdicas; não finalizar tarefas escolares; perder material escolar; ser facilmente distraído por estímulos alheios à tarefa; agitação motora, entre outros. De acordo com Carolina Rodrigues, psicóloga escolar do Colégio Humboldt, estima-se que de 3% a 6% da população mundial seja portadora do TDAH, com uma prevalência maior no sexo masculino.
Segundo a psicóloga, o diagnóstico da doença acontece por volta dos sete anos de idade, período em que as crianças estão nos primeiros anos do Ensino Fundamental I e começam a ter mais responsabilidades, como tarefas de casa e provas. Embora o diagnóstico seja apontado na faixa etária citada, o cuidado e a atenção dos pais devem existir desde cedo. “Para que o diagnóstico seja confiável, os sintomas devem ser notados antes dos sete anos, estar presentes por no mínimo seis meses e aparecer em pelo menos dois contextos diversos”, afirma Carolina.
As maiores dificuldades para as crianças que possuem TDAH estão relacionadas aos sintomas do próprio transtorno, como a falta de atenção, que acaba fazendo com que a criança não consiga aprender o conteúdo de forma satisfatória, e a agitação motora, que também impede que o aluno aprenda, uma vez que ele não consegue ficar sentado registrando a aula.

                       
Contribuição do professor para o diagnóstico

O professor é o profissional dentro da escola que passa mais tempo com o aluno, sendo assim, sua observação sobre os sinais e comportamentos discrepantes do aluno em relação a outras crianças da mesma faixa etária corrobora o encaminhamento para uma avaliação externa. “Um professor que tenha conhecimento acerca desse transtorno de aprendizagem se torna fundamental para contribuir com o diagnóstico”, relata. Ao levantarem a hipótese de TDAH, o professor e a psicóloga escolar ou coordenador devem agendar uma reunião com os pais para apresentar os dados de observação. Em seguida, o aluno é encaminhado para uma avaliação.
Ainda segundo a psicóloga, quando é confirmado o diagnóstico, escola e pais devem caminhar juntos para o melhor desempenho da criança. “A partir da descoberta, cabe ao psicólogo escolar orientar todos os professores envolvidos sobre quais as maiores dificuldades do aluno, como podem ajudá-lo em sala de aula e garantir que as adaptações sejam realizadas conforme combinado com o profissional que acompanha o caso. A família, por sua vez, precisa de acolhimento e escuta para que sinta que seu filho está sendo assistido da melhor maneira possível e tem direito ao estudo como qualquer outra criança”, ressalta.

Confira outras dicas da especialista:
•    A partir da confirmação do diagnóstico, deve-se estabelecer uma parceria com os pais, apresentando uma proposta de atendimento diferenciado e de inclusão possível oferecida pela escola, e, em contraponto, a família precisa garantir um acompanhamento externo com um especialista em TDAH.
•    O professor deve, sempre que possível, elogiar o que o aluno consegue fazer. Um aluno com autoestima elevada procura se manter atento por mais tempo para receber os elogios.
•    Para facilitar o trabalho, é importante incentivar a cumprir tarefas, anotar as aulas, datas de provas e trabalho, mas é preciso estabelecer alguns modelos de organização. O aluno que tem dificuldade para se conter e não consegue “entender” o espaço que ocupa precisa desses modelos: mostrar como arrumar os cadernos, como iniciar uma anotação; listar tarefas priorizando a ordem das datas; apontar as linhas no caderno para ajudar a escrever no lugar certo etc.
•    Planejar, junto com o aluno, horário de estudo e organizar revisões orais e/ou escritas. Dessa forma, família e escola podem estabelecer os critérios a respeito do estudo mais produtivo.
Bárbara Caram
CommunicaBrasil

Box:
Colégio Humboldt

Mantido pela Sociedade Escolar Barão do Rio Branco, o Colégio Humboldt está comemorando 100 anos. Instalado em uma área de 60 mil metros quadrados, na cidade de São Paulo (SP), atende 1.200 alunos, desde a Educação Infantil até o Ensino Médio. A instituição oferece ensino bilíngue e multicultural (Português/Alemão) e dois currículos de formação: um brasileiro e outro alemão. Também conta com a Humboldt Formação Profissional Dual, cursos técnicos e tecnológicos em gestão pós-ensino médio.

Fonte: Ediçao 83 - Julho/Setembro de 2016
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sintonia escola família
Um dos principais desafios enfrentados pelo Ensino Religioso é a falta de conhecimento claro de sua identidade e objetivo, por parte dos familiares dos alunos que, não raro, temem ver seus filhos alvos de discriminação ou de proselitismo.
Música na escola
“Um povo que sabe cantar está a um passo da felicidade” – disse Villa-Lobos.
Educar à luz da diferença
Ver o brilho de alegria no olhar de um aluno que se sente evidenciado em sua experiência de vida é a gratificante
Música cigana, eco de liberdade
Para entender a música cigana, que tem cerca de 6 mil anos de trajetória,faz-se necessário compreender a nossa origem étnica
Entrelaçando saberes e vidas
Às situações cotidianas, a fazem afirmar por experiência que o Ensino Religioso aponta para o tão necessário sentido da vida
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados