Luzes do céu

Data de publicação: 21/07/2017


O sagrado ocupa espaço e pode ser tocado com as mãos e contemplado pelo olhar. Essa experiência, por mais subjetiva que possa parecer, é inegável nos locais de culto, onde o talento e a inspiração dos maiores artistas, conhecidos ou anônimos, de todos os tempos, culturas e religiões da terra se tornaram imortais. Primícias da produção estética da humanidade, os recintos de culto de extrema beleza como a Mesquita Nasir al-Molk materializam em um espaço a intuição do sagrado.

Culto à luz
O Irã teve enorme influência na arquitetura religiosa do Oriente Médio, onde a areia, a argila e a cal, frágeis matérias-primas da região, moldadas por técnicas perfeitas e revestidas de ouro e de corantes naturais, formam ambientes de comovente harmonia, milimetricamente calculados e decorados com perfeição por artistas inspirados na fé.
A mesquita tradicional islâmica xiita de Nasir al-Molk para os iranianos: Masjed-e Naseer ol-Molk , situada na cidade de Shiraz, ao sul do Irã, com vitrais multicores e abóbadas e colunas revestidas de azulejos geométricos coloridos e dourados e com o piso vitrificado e forrado com tapetes de lã natural, é um dos mais surpreendentes e inspiradores templos conhecidos. Quando os vitrais projetam no ambiente sagrado a luz matinal, a atmosfera de mistério e espiritualidade eleva o templo à mais alta nobreza da produção cultural humana.
Construída entre 1876 e 1888, por desejo do príncipe da dinastia Qajar Mirza Hasan Ali Nasir al-Molk e idealizada pelos arquitetos e decoradores Muhammad Reza Kashi e Muhammad Hasan, a mesquita tem quase 130 anos de frequência cotidiana de fiéis, como lugar de oração e estudo. Atualmente é mantida pela Fundação Nasir al-Molk, que dedica a maior parte de sua renda anual para a assistência aos pobres e para o cuidado e a manutenção desse precioso patrimônio histórico e simbólico do povo iraniano e da humanidade.
A população do Irã é herdeira cultural do império persa e de quase 18 séculos de prática do masdeísmo, a fé no deus Ahura Masda, mais conhecida por zoroastrismo, fundado pelo líder espiritual Zaratustra (em persa) ou Zoroastro (em grego). Ele, que viveu em época incerta, entre os séculos 10º e 7º a. EC. (antes da Era Comum ou Era Cristã), era médico e sonhava com o bem-estar integral das pessoas, em uma sociedade que unisse uma espiritualidade harmoniosa e a boa qualidade de vida. Quando a conquista árabe do século 12 impôs o islã como religião nacional, a espiritualidade de Maomé sofreu benéfica influência do ethos cultural e religioso masdeísta do povo iraniano. Em um ambiente árido e pobre no aspecto da variedade de elementos naturais, a luz, vinda do sol ou do fogo, foi o principal símbolo religioso persa. Os templos masdeístas, até hoje em atividade no Irã, cultuam o fogo, enquanto as mesquitas filtram os raios do sol que inundam os ambientes de oração.
Canta um antigo hino do Avesta, o texto litúrgico masdeísta, proclamado por sacerdotes que cuidavam de rebanhos e representavam um povo de pastores: “Submeto todos os bens do mundo a Ahura Mazda, o deus bom, de boas medidas, santo, brilhante, e glorioso, do qual vêm todas as coisas excelentes: de quem vem o boi, a santidade (Ahsa), a luz e a felicidade que se junta à luz” (citado por Yves Lambert, em O Nascimento das Religiões da Pré-História às Religiões Universalistas, p. 351).

A luz no Alcorão Sagrado
O islamismo foi fundado entre os séculos 6º e 7º e herdou as tradições judaicas, cristãs e masdeístas, que circulavam ao lado de mercadorias e culturas, nas grandes rotas de caravanas do Oriente Médio. O símbolo da luz, central nas três matrizes religiosas, inundou a fé islâmica, como comprovam várias passagens do Alcorão Sagrado. A Surata 24, à semelhança do masdeísmo, identifica o próprio Deus com a luz do firmamento e do fogo: “Allah é a Luz dos céus e da terra. O exemplo da Sua Luz é como o de um nicho em que há uma candeia; esta está num recipiente; e este é como uma estrela brilhante, alimentada pelo azeite de uma árvore bendita, a oliveira, que não é oriental nem ocidental, cujo azeite brilha, ainda que não o toque o fogo. É luz sobre luz! Allah conduz a Sua Luz até quem Lhe apraz. Allah dá exemplos aos humanos, porque é Onisciente. (Semelhante luz brilha) nos templos que Allah tem consentido sejam erigidos, para que neles seja celebrado o Seu nome e neles O glorifiquem, de manhã e à tarde” (24ª  Surata, an nur– a luz, 35-36).
O mal é simbolizado pelas trevas e o caminho de Deus, pela luz, o que é explícito em outra passagem corânica: “Já vos chegou de Allah uma Luz e um Livro esclarecedor, pelo qual Allah conduzirá aos caminhos da salvação aqueles que procurarem a Sua complacência e, por Sua vontade, tirá-los-á das trevas e os levará para a luz, encaminhando-os para a senda reta” (5ª Surata, al máida – mesa posta, 15b-16). E continua: “É Ele Quem faz o dia suceder à noite. Nisto há sinais para aqueles que refletem” (13ª Surata, ar ra’d – o trovão 3b); “Quem crer em Allah, Ele lhe iluminará o coração, porque Allah é Onisciente” (64ª Surata, at taghábun – as defraudações recíprocas, 11a).
Os brilhantes artistas que idealizaram e construíram a mesquita de Nasir al-Molk, talvez profundamente imbuídos de espiritualidade, calcularam a melhor posição para captar os primeiros raios do sol e traduziram na luminosidade de cada centímetro da decoração o imperativo do texto sagrado: “Sabei que as mesquitas são (casas) de Allah” (72ª  Surata, Al jin – os gênios, 18a), fazendo eco ao ato de fé: “Dize: Amparo-me no Senhor da Alvorada (surata 113ª, Al falac – a alvorada, 1).
No interior de um templo, seja ele de qualquer tradição religiosa que for, deixar-se iluminar pela luz simbólica é permitir, no âmbito da fé, que o ser Transcendente pouse o olhar no crente, o traspasse com sua paz e o eleve à experiência espiritual. Pode-se afirmar que os peregrinos experimentam algo semelhante no interior da mesquita de Nasir al-Molk.

Fonte: Dia-Edição 79 - Ago/Set 2015
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Liderar é unir forças
Liderar é unir forças e organizá-las para o bem. Líder é quem luta contra o próprio ego
As matrizes da religiosidade
A disciplina de Ensino Religioso tem como desafio a implementação de uma disciplina de caráter escolar que objetiva fomentar o respeito à diversidade cultural e religiosa.
O Islã e a não violência
Convoca para o caminho do teu Senhor, com sabedoria e exortação justas, e discute com eles da melhor forma possível.
O amor que fecunda a terra
A verdadeira espiritualidade vai além do religioso e revela-se em uma atitude de amor para com todas as criaturas.
O alimento na religiosidade zen budista
Nas religiões orientais há vários rituais dos quais os alimentos fazem parte, assim como em quase todas as religiões.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados