Formação de docentes

Data de publicação: 25/09/2017

Lilian Blanck de Oliveira *
   
O debate sobre formação de professores em Ensino Religioso se constitui pauta permanente no âmbito educacional, de modo particular, no campo dos princípios e fins da educação. Nessa direção, o pensamento e obra do professor e doutor em Teologia Martinho Lutero contém valiosos impulsos, termo utilizado por Martin Dreher e Gottfried Brakemeier ao se reportarem às contribuições do pensamento de Lutero, incorporado pela autora deste artigo, em relação ao tema proposto, especificamente no que concerne à proposta de ética social, que se corporifica como a opção radical em favor da vida solidária, que leva o ser humano a assumir o Outro e toda a criação, segundo o pastor luterano Martin Dreher
O questionamento das contribuições e/ou eventuais impedimentos do pensamento de Lutero para uma reflexão sobre a formação docente para o Ensino Religioso no atual contexto educacional brasileiro certamente tem o poder de instigar todos aqueles que, ainda hoje, transcorridos mais de 500 anos, lutam contra uma educação de caráter utilitário e imediatista.
Resguardadas as devidas diferenças de contexto, que circunscrevem e limitam o pensamento teológico e educacional de Lutero, sua preocupação e ocupação com uma educação voltada para as reais necessidades de crianças, adolescentes e jovens e, consequentemente, uma formação docente qualitativa para esse devir contêm princípios com a capacidade de questionar, confrontar, desafiar, subsidiar e/ou fomentar todo e qualquer projeto de formação de docentes na atualidade, que se perceba inserido num projeto social radicalmente comprometido com uma vida de qualidade para/com todos.
Nesta direção, uma pesquisa participante desenvolvida com educadores e gestores no interior de uma pioneira Licenciatura em Ensino Religioso, período de 1999-2003 na Fundação Universidade Regional de Blumenau (Furb-SC), em discussão com os referenciais em Lutero e outros pensadores da atualidade identificou como pontos significativos, para uma formação de docentes voltada ao compromisso com a vida solidária numa perspectiva de planetaridade:
  • concepção integral de vida e ser humano;
  • percepção histórica de ser humano e processo educativo;
  • gratuidade nas relações e interações cotidianas;
  • sensibilidade e compromisso éticos;
  • participação da família e Estado na formação de docentes;
  • currículo de formação de docentes comprometido com a vida solidária;
  • pressupostos epistemológicos e encaminhamentos metodológico-didáticos para uma aprendizagem com sentido e significativa;
  • processo de formação de docentes conduzido para exercício do diálogo (OLIVEIRA, 2003).
A partir das discussões desenvolvidas, alguns princípios ganharam corpo e se apresentaram como imperativos na elaboração de um novo desenho para a formação de docentes de Ensino Religioso, enquanto fios que, desnudos de suas roupagens contextuais e históricas, no encontro de diferentes tempos ainda detêm o poder de fazer a diferença.

Inclusividade para/na alteridade
Uma sociedade historicamente marcada por processos e formas de exclusão necessita resgatar uma educação que desenvolva a sensibilidade para a admiração, o ouvir, o acolher, o compreender, o aceitar, o respeitar o Outro e a vida em sua totalidade. Exige ações e reflexões conduzidas por um permanente exercício de inclusividade para/na alteridade.
O princípio da inclusividade que organiza, interage e corporifica propostas e ações do exercício formador de docentes para o Ensino Religioso não pode se ater a simples acréscimos e/ou aberturas de espaços para o “diferente” em suas diversas dimensões e expressões de ser. Seu devir se constitui numa postura contextualizada, reflexiva, crítica e criativa, que direciona, conduz, permeia e “dá rosto” ao projeto e exercício formador e, de forma subsequente, aos educadores nele envolvidos – tecido e tessitura para e nas vivências de outras realidades educativas e sociais.

Liberdade como/com compromisso
A liberdade como compromisso se apresenta aqui enquanto possibilidade criadora para a autonomia do ser educador, que se constitui nos múltiplos relacionamentos e interações desenvolvidos no exercício formador. Para Lutero, na obra Da liberdade cristã, essa autonomia se forja num constante movimento entre o ser radicalmente livre de todos e o ser radicalmente servo de todos, a partir das boas-novas em Jesus Cristo.
A liberdade tem caracterizado a ética na modernidade. Para o teólogo Hans Küng, a “liberdade para uma nova responsabilidade em relação às pessoas, ao meio ambiente, à natureza e em relação ao absoluto”, (Projeto de ética mundial, p.136), como um compromisso com a vida que abomina a miséria e a exclusão num constante exercício de inclusividade, que gesta possibilidades de autonomia e vida para todos os envolvidos.
Um processo de formação de docentes para o Ensino Religioso na atualidade brasileira, que visa a contribuir na formação de profissionais com sensibilidade, discernimento e equilíbrio na mediação das relações com o fato religioso em suas diversas manifestações no cotidiano educativo, indubitavelmente requer ambientes e práticas pedagógico-didáticas conduzidas em/para/com liberdade e/em visceral compromisso com a vida.

Responsabilidade ética além da técnica
Toda ética é explicada ou iluminada por uma fé que leva os seres humanos a se responsabilizar e agir em favor de outrens e/ou de uma causa. Não é necessariamente uma fé no sentido tradicional. Seu entendimento aproxima-se mais da definição dada pelo teólogo James Fowler, ou seja, o modo em que uma pessoa ou um grupo penetram no campo de força da vida, àquilo que no dizer do teólogo Paul Tillich, os impulsiona para frente.
Formar para a responsabilidade ética além da técnica é o grande desafio e exigência para os processos de formação de docentes na atualidade. É compromisso que desaloja, desafia, move e dá “rosto” ao exercício formativo. Segundo o educador Paulo Freire, a formação para a responsabilidade ética além da técnica passa, entre outros pontos, pelo testemunho ético e a rigorosa preparação científica do educador. Para o autor, o ensino dos conteúdos é tão importante quanto o testemunho ético ao ensiná-los, pois a tecitura entre estes detém a capacidade de revelar a coerência entre o dizer, o escrever e o fazer – diferença e marcas deixadas pelo exercício formador.
Para o professor de filosofia George Forell, “enquanto que a importância histórica da ação de Lutero geralmente é reconhecida, tem-se esquecido muitas vezes que esta ação foi uma expressão do sentimento de responsabilidade social do jovem professor”, que orienta com propriedade a tarefa de ensinar. Responsabiliza de forma direta pais, pregadores, professores e governantes pelo desempenho qualitativo e condições favoráveis para a execução desta tarefa. Segundo Lutero, “para ensinar e educar bem as crianças precisa-se de gente especializada” (Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs, p.308).
* Lilian Blanck de Oliveira
Pedagoga e doutora em Teologia, na área de Educação e Religião. Professora titular do Programa Pós-Graduação Desenvolvimento Regional, da Furb-SC e líder do Grupo de Pesquisa Ethos, Alteridade e Desenvolvimento (GPEAD). E-mail: lilianbo@uol.com.br.

Referências

BRAKEMEIER, Gottfried. O ser humano em busca de identidade – Contribuições para uma antropologia teológica. São Leopoldo: Sinodal, São Paulo: Paulus, 2002.
DREHER, Martin N. (org.). A crise e a renovação da Igreja no período da Reforma. v. 3. São Leopoldo: Sinodal, 1996. (Coleção História da Igreja).
KÜNG, Hans. Projeto de ética mundial – Uma moral ecumênica em vista da sobrevivência humana. Tradução Haroldo Reimer. São Paulo: Paulinas, 1992.
FORELL, George W. Fé ativa no amor. Tradução de Geraldo Korndörfer. Porto Alegre: Concórdia e São Leopoldo : Sinodal, 1985, pág. 7.
FOWLER, James W. Estágios da fé – A psicologia do desenvolvimento humano e a busca de sentido. Traduzido por Júlio Paulo Tavares Zabatiero. São Leopoldo: Sinodal, 1992.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – Saberes necessários à prática educativa. 15ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.
LUTERO, Martin. Da liberdade cristã. 3ª ed. São Leopoldo: Sinodal, 1979.
LUTERO, Martinho. Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha para que criem e mantenham escolas cristãs. Tradução de Ilson Kayser. In: Obras selecionadas Ética: Fundamentos Oração Sexualidade Educação Economia. São Leopoldo/Porto Alegre: Sinodal/Concórdia, 1995. v. 5, p. 302-325.
OLIVEIRA, Lilian Blanck. Formação de docentes para o Ensino Religioso – Perspectivas e impulsos a partir da ética social de Martinho Lutero. São Leopoldo: Escola Superior de Teologia (EST), Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Teologia (IEPG), 2003.
TILLICH, Paul. Dinâmica da fé. 5ª ed. São Leopoldo: Sinodal, IEPG, 1996.

Fonte: Edição Nº87 Jul/Set 2017
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Currículo, um rio em movimento
O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados