Ecologia integral

Data de publicação: 03/10/2017

Francisco Borba Ribeiro Neto *

     As relações entre nosso organismo, nossa sociedade e os ecossistemas são o foco de várias disciplinas científicas e correntes de pensamento: ecologia humana, ecologia social, antropologia ecológica, sociobiologia, economia ecológica, ecologia profunda etc. Todas partem do princípio de que “tudo está interligado”, mas seus pressupostos e métodos podem ser muito diferentes: enquanto a antropologia ecológica e a sociobiologia procuram, por exemplo, explicar nossos comportamentos como respostas adaptativas ao ambiente e são frequentemente acusadas de reducionismo biológico, a ecologia profunda se coloca num campo filosófico e doutrinal, buscando encontrar na relação do ser humano com a natureza e consigo mesmo princípios para a construção de uma humanidade mais plena. A ecologia integral, proposta pelo papa Francisco na encíclica Laudato Si’(LS), sobre o cuidado da casa comum (Roma, 2016), dialoga com todas as demais, abrindo uma nova frente para a reflexão interdisciplinar e para o diálogo entre espiritualidade e razão prática no mundo atual.

O sentido da integralidade

     Nos tempos atuais, aceitamos, na prática, a fragmentação da pessoa humana em uma série de papéis sociais e objetos parciais em conflito entre si, promovendo uma submissão alienada do sujeito ao mercado e às normas sociais. Também aprendemos a desacreditar na transcendência e na espiritualidade como fenômenos inerentes à nossa condição humana, que necessitam ser atendidos e trabalhados para a realização de cada um de nós.
     Por isso, muitos têm procurado uma visão integral do ser humano e da realidade. Entre os católicos, Jacques Maritain cunhou o termo “humanismo integral”, Paulo VI e depois Bento XVI criticaram as economias que não buscavam o “desenvolvimento humano integral” e o papa Francisco refere-se à “ecologia integral”. Essa recuperação está no horizonte também de outros autores, como Edgar Morin, em sua teoria da complexidade.
     Procurar a integralidade da pessoa significa um esforço para superar as visões redutivas e unilaterais do ser humano. Homo não é só faber, oeconomicus, ludens, eroticus ou qualquer outra expressão que se deseje cunhar. Ele é tudo isso integrado – e a integração pressupõe que cada dimensão influencia as demais e está presente mesmo quando outra parece ser a dominante. Significa também perceber que o ser humano não se basta a si mesmo, ele necessita de “outros” e de um “Outro” ou de uma “totalidade” para se integrar.

Integralidade, interdisciplinaridade e sentido

     Alunos e professores, jovens e adultos, todos desejamos experimentar a vida de modo integral. Essa experiência se manifesta, em nosso cotidiano, na escola e fora dela, como sabedoria, beleza e realização; enquanto a fragmentação se apresenta desprovida de sentido, de beleza e de sabor, massacrante em sua condição limitada de tarefa ou papel social a cumprir.
     Sem uma perspectiva integral, nenhum problema humano – mais ainda as questões ambientais – é passível de uma solução realmente humana e gratificante. Francisco escreve na Laudato Si’:
    “Não se pode sustentar que as ciências empíricas expliquem completamente a vida, a essência íntima de todas as criaturas e o conjunto da realidade. Isto seria ultrapassar indevidamente os seus confins metodológicos limitados. Se se reflete dentro deste quadro restrito, desaparecem a sensibilidade estética, a poesia e ainda a capacidade da razão perceber o sentido e a finalidade das coisas” (LS, 199).
     “Se tivermos presente a complexidade da crise ecológica e as suas múltiplas causas, deveremos reconhecer que as soluções não podem vir duma única maneira de interpretar e transformar a realidade. É necessário recorrer também às diversas riquezas culturais dos povos, à arte e à poesia, à vida interior e à espiritualidade. Se quisermos, de verdade, construir uma ecologia que nos permita reparar tudo o que temos destruído, então nenhum ramo das ciências e nenhuma forma de sabedoria pode ser transcurada, nem sequer a sabedoria religiosa com a sua linguagem própria” (LS, 63).
     O papa percebeu que a “sensibilidade ecológica” de nosso tempo está associada à grande crise de sentido que se evidencia particularmente a partir da chamada pós-modernidade. O sucesso e a aceitação da sua mensagem ecológica residem justamente nessa capacidade de integrar questão ecológica e crise de sentido, ressignificando e reintegrando ciência, arte e cultura, racionalidade e afetividade. Na ação educativa, lança pistas tanto para a reflexão ética quanto para o trabalho interdisciplinar.

A ecologia integral de Francisco

     Seguindo as pegadas de São Francisco de Assis, o papa escreveu sua encíclica socioecológica expressando um olhar de ternura para com a realidade e solidariedade para com os mais pobres e os sofredores:
     “Laudato Si’, mi’ Signore – Louvado sejas, meu Senhor”, cantava Francisco de Assis. Neste gracioso cântico, recordava-nos que a nossa casa comum pode ser comparada ora a uma irmã, com quem partilhamos a existência, ora a uma boa mãe, que nos acolhe nos seus braços: “Louvado sejas, meu Senhor, pela nossa irmã, a mãe terra, que nos sustenta e governa e produz variados frutos com flores coloridas e verduras”.
     Esta irmã clama contra o mal que lhe provocamos por causa do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela colocou. Crescemos a pensar que éramos seus proprietários e dominadores, autorizados a saqueá-la. A violência, que está no coração humano, vislumbra-se nos sintomas de doença que notamos no solo, na água, no ar e nos seres vivos. Por isso, entre os pobres mais abandonados e maltratados, conta-se a nossa terra oprimida e devastada, que “geme e sofre as dores do parto” (Rm 8,22). Esquecemo-nos de que nós mesmos somos terra (cf. Gn 2,7). O nosso corpo é constituído pelos elementos do planeta; o seu ar permite-nos respirar, e a sua água vivifica-nos e restaura-nos (cf. LS, 2).
     O louvor que brota do maravilhamento e da gratidão e a evocação de imagens cheias de doçura e ternura apontam para um caminho pedagógico. Não basta denunciar a crise ecológica ou o drama dos mais pobres, mostrar gráficos impressionantes tanto pela sua cientificidade, invocar o destino sombrio que pode se abater sobre a humanidade.
     O coração humano precisa de algo mais para se “co-mover”, se “mover junto” com os demais rumo a um mundo melhor. A resposta à crise de sentido e o estímulo mais eficiente à sensibilidade ecológica e ao compromisso com o meio ambiente e o bem comum nascem de uma experiência de amor e de beleza. O trabalho interdisciplinar exige um “fio de ouro” que entrelace todos os conhecimentos, um norte para se orientar. Essa é a contribuição epistemológica do amor. Mas, para que o amor possa desempenhar essa função, não pode ser um sentimento individualista, tem que crescer e ganhar sua dimensão social, tornar-se um critério de comportamento diante do que sofre e do que está fragilizado.

O amor, não o poder, como critério
     Ciência é poder, riqueza material é poder, mas poder não é sabedoria:
    A tecnociência, bem orientada, pode produzir coisas realmente valiosas para melhorar a qualidade de vida do ser humano. (...) “Ou melhor: dão àqueles que detêm o conhecimento e sobretudo o poder econômico para o desfrutar, um domínio impressionante sobre o conjunto do gênero humano e do mundo inteiro”. (...) “Tende-se a crer que toda a aquisição de poder seja simplesmente progresso, aumento de segurança, de utilidade, de bem-estar, de força vital, de plenitude de valores”, Romano Guardini. (...) A verdade é que “o homem moderno não foi educado para o reto uso do poder” (LS, 104-105).
     Acreditamos que o dinheiro possibilita comprar todas as coisas e que tudo que a ciência e a técnica podem fazer nos trará felicidade. Mas isso não é verdade. A energia atômica, por exemplo, é uma grande conquista da ciência, mas justifica os arsenais nucleares ou o risco de acidentes como Chernobyl (União Soviética, 1986) ou Fukushima (Japão, 2011)? Não seria mais sábio ter deixado os átomos nos laboratórios e ter investido em outras formas de energia? As grandes avenidas sobre rios e várzeas urbanas foram saudadas como soluções urbanísticas para os grandes engarrafamentos. O tempo passa, o número de carros aumenta, o trânsito piora e as enchentes vitimam mais famílias, exigindo obras mais complexas e dispendiosas. Não seria mais sábio procurar soluções de transporte coletivo?
     A inseminação artificial humana, chamada de reprodução assistida, é caríssima e sujeita a mulher a enormes sacrifícios e constrangimentos físicos, gera o problema dos embriões humanos “excedentes”. Num mundo cheio de crianças abandonadas, todo esse esforço não seria mais produtivo numa educação solidária que nos ajudasse a entender, conforme a expressão de um pai com filhos biológicos e adotados, que “os filhos do amor podem ser tão ou mais filhos do que aqueles da carne?”.
     Numa vida sem sentido, com uma personalidade fragmentada, o ser humano tende a agir direcionado apenas por sua instintividade e seu poder. Isso não é sábio, não traz felicidade para a pessoa, não constrói o bem comum. O amor tem uma força integradora e a capacidade de nos mostrar um sentido para a realidade que nos faz mais sábios e felizes. Esse é o pressuposto da ecologia integral e o convite que o papa Francisco lança a nosso trabalho pedagógico.
 
*Francisco Borba Ribeiro Neto
Sociólogo e biólogo, foi professor de Ecologia na Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas (SP) e é coordenador do Núcleo Fé e Cultura da PUC-SP. E-mail: fborba@pucsp.br; fborbar@gmail.com.
 
Mãos à obra
André Trigueiro, jornalista ambiental, fala de meio ambiente, em sua participação no DVD publicado por Paulinas Multimídia:
      •    Laudato Si, O Renascer da Esperança sobre o Cuidado da Casa Comum https://www.youtube.com/watch?v=xQQr1QGTvxo




Fonte: Edição Nº85 Jan/Mar 2017
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Currículo, um rio em movimento
O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados