Currículo, um rio em movimento

Data de publicação: 03/06/2013


O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes e traz para a sala de aula a energia e potencial necessários à descoberta de mais e mais nascentes capazes de irrigar, mover, iluminar e transformar paisagens culturais e humanas na escola e na sociedade.

As expressões do sagrado em ritos, símbolos, tradições religiosas, teologias, textos e ethos, comprovam a diversidade da experiência religiosa, como uma espécie de lençol freático sagrado subjacente à história da humanidade. O conhecimento das nascentes que brotam no chão da cultura educa para a convivência com a positividade das diferenças na construção da sociedade pluralista e para o diálogo inter-religioso como fundamento para a paz.

O currículo é o instrumento que aciona as possibilidades de aprendizagem e de educação integral latentes na sala de aula não só no que se refere aos conteúdos, como também ao planejamento de atividades.
     

O símbolo do outro

Atividade de aprendizagem

Anos: 6º e 7º

Conceitos essenciais
Conhecimento elaborado;
Conhecimento revelado;
Caminhos de reintegração.

Conteúdos
O que é sagrado para mim;
A sacralidade que envolve o símbolo do outro.

Caracterização das turmas
Período em que o educando desenvolve o pensamento imaginário (invenção e elaboração imaginativa) e observa ocorrências possíveis do cotidiano, passando assim da lógica indutiva para a dedutiva.

Objetivo geral
Descobrir que as expressões do sagrado se repetem nas várias tradições religiosas porque são arquétipos, isto é, pertencem a uma herança cultural que existe desde o começo da consciência humana.

Objetivos de aprendizagem
Valorizar o que os educandos consideram sagrado em suas respectivas culturas e tradições religiosas;
Respeitar o que é sagrado nas diferentes denominações religiosas;
Compreender que ao longo da História a ideia do sagrado se manifesta de várias formas.

Situação-problema (justificativa)
 Num contexto em que os grupos étnicos, a cultura, os diferentes segmentos religiosos, as classes sociais, entre outros, são vistos como elementos que devem ser compreendidos, respeitados e valorizados mediante suas diferenças, se apontará para uma transformação da sociedade, na qual poderá ser expresso o sentido transcendental da vida.

Diante das questões: O que é o sagrado? O que é profano? Onde acaba um e começa o outro? A procura desse limite é constante na história do ser humano. É sempre difícil encontrar respostas aceitáveis e coerentes com as práticas.

As crianças e os adolescentes trazem para a sala de aula objetos simbólicos, como trevo-de-quatro-folhas, cruz, terço, medalhas de santos, tatuagens, pétala de flor seca e outros, que representam para cada um significados diferentes e são motivos de curiosidade, espanto, deboche, admiração... Como fazê-los conhecer, compreender e respeitar a sacralidade que envolve o símbolo do outro?

Ações e procedimentos

•    Pedir que os educandos tragam de casa símbolos, fotos, elementos da natureza e outros objetos que consideram sagrados.
•    Iniciar a aula apresentando os objetivos e pedir que grifem as palavras desconhecidas, que poderão ser pesquisadas em atividade interdisciplinar com o estudo da língua portuguesa.
•    Colocar os objetos trazidos no centro da sala e pedir aos educandos que formem um círculo.
•    Relembrar a importância da seriedade e do respeito para com essa atividade e convidá-los a apreciar os elementos expostos, como também a observar os objetos simbólicos que cada um traz à mostra no dia-a-dia.
•    Ao som de uma música suave, pedir que o grupo circule lentamente de mãos dadas e com os olhos fechados. Ao baixar a música, todos param, cada um recolhe o objeto que ficou à sua frente e volta ao círculo. Caso o número seja insuficiente, alguns educandos serão os observadores.
•    Um voluntário vai ao centro e interpreta “o que há de sagrado” no objeto que tem em mãos. Junta-se a ele o dono do referido objeto e explica a razão de ter trazido tal objeto e por que o considera sagrado.
•    Volta ao círculo o primeiro que apresentou e o segundo continua no centro e interpreta o objeto que tem em mãos. A seguir, vem o dono do referido objeto. Assim sucessivamente até todos compartilharem suas experiências do sagrado a partir dos objetos.
•    Também os educandos que, no momento, usam objetos e símbolos sagrados falam por que gostam de usá-los e o que representam para eles. 
•    Após as apresentações, concluir falando da importância dessa troca de experiências do sagrado, elevar outra vez a música e propor a devolução dos objetos e a troca de abraços.
  
A dinâmica deixará as pessoas expostas e abertas às emoções, por isso é indispensável o acompanhamento atento e a intervenção do professor caso seja oportuna.

Em um segundo momento, conversar sobre o que é necessário para que haja respeito aos objetos sagrados das diversas denominações religiosas, crenças ou filosofias de vida. Anotar as opiniões, destacando as palavras-chave e a partir delas elaborar no quadro alguns princípios que garantam o respeito, a tolerância e o bom relacionamento entre os alunos. Os princípios podem ser anotados em uma cartolina e fixados na sala para serem trabalhados posteriormente.

Por fim, pedir que os educandos façam entrevistas e anotem as opiniões das pessoas a respeito dos símbolos sagrados, depois anotem também a própria opinião.

Na sala de aula, formar equipes que compartilhem os resultados das entrevistas e façam cartazes usando gravuras, desenhos e frases sobre as questões:
•    O que é sagrado para mim;
•    O que é sagrado para o outro.

Acompanhar, valorizar e incentivar o trabalho coletivo e cooperativo e a importância de conviver e respeitar o outro.

Com os cartazes prontos, cada equipe explicará o seu trabalho e responderá as perguntas que surgirem.

Fixar os cartazes na sala de aula.

Recursos
Objetos sagrados trazidos pelos alunos, aparelho de som e música, folhas de cartolina ou papel kraft,
material de escrita, pintura e colagem.

Tempo
3 a 4 aulas

Avaliação
Processual, diagnóstica, participativa, construtiva, que leve a observar, refletir e informar.

Professora Deisy Rosa Worm
Barra Velha – SC



Kirigami - Arte de cortar papel

De forma lúdica e simples, a técnica pode ser aproveitada para a confecção de cartões, livros artesanais e uma infinidade de possibilidades. Usa-se basicamente papel, cola e tesoura.
O tema folclore sugere um modelo de cartão com personagens da cultura popular brasileira que servem de base na confecção de cartões diferentes.

Material
Papel-cartão ou cartolina na medida aproximada de uma pasta de papelão; papel canson: verde em várias tonalidades; tesoura e estilete; régua; lápis.

Passo a passo
Base do trabalho: colar o papel verde na parte interna do papel-cartão.
Dobrar a base ao meio, marcar pelo lado de fora a altura aproximada de 2,5 cm e cortar.
Abrir a base e empurrar para o centro as partes que se encontram entre os cortes. Reforçar o vinco com a régua.
Desenhar, recortar e montar a vegetação. Passar cola nas partes dobradas e encaixar entre os espaços da base.
Desenhar, colorir e recortar as figuras desejadas em papel cartão e colá-las pela base.
Forrar a parte externa, sem passar cola sobre as partes que foram dobradas para dentro, possibilitando assim o movimento das figuras ao ser aberto o cartão.
Enfeitar a capa da forma desejada.

   
     
Aline Gomes dos Santos
Professora de Ensino Fundamental
São Paulo – SP

Fonte: Diálogo 55
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Simpósio de Ensino Religioso
Para marcar os 18 anos da Revista Diálogo simpósio reflete sobre Ensino Religioso.
IX Simpósio de ER
A temática proposta objetiva a reflexão sobre os novos desafios da educação contemporânea e da formação docente
Imprimindo marcas na História
A sexualidade é uma das energias que movem os seres humanos e as culturas em um fascinante jogo
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados