Sumário - Edição 71

Data de publicação: 06/08/2013

Editorial
 

Ensinar a ver o Fenômeno Religioso   

A discussão acerca da identidade e do papel do Ensino Religioso vem ocupando sistemas de ensino e pesquisadores de diferentes programas de pós-graduação, desde antes da elaboração do Artigo 110 da Constituição Federal, há quase 30 anos. 

A ação contínua de uma multidão de professores no lento e constante enfrentamento dos arquétipos históricos e culturais que sempre identificaram o Ensino Religioso como contrário à laicidade e à diversidade religiosa vem, finalmente, mostrando seus frutos. Um dos frutos é o amadurecimento do currículo fenomenológico multicultural, que garante a este componente curricular a eficácia necessária para ser visto como legítimo aplicativo na Educação Básica, dos conhecimentos produzidos na subárea acadêmica de Teologia e Ciência da Religião. 

Uma vez aceito pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), como elemento da Educação Cidadã em uma sociedade multicultural, o Ensino Religioso, esperará dos programas de Ciência da Religião a habilitação de profissionais que apliquem na escola o adequado método de conhecimento do Fenômeno Religioso, na perspectiva da educação para a convivência com a diversidade. 

O que ensinar? Como ensinar? Continua sendo a dupla interrogação que impulsiona o avanço da formação de professores nas universidades e a aplicação do currículo multicultural e interdisciplinar de Ensino Religioso nas escolas do País.


Maria Inês Carniato – diretora de redação



Antropologia
A Antropologia e a Religião
 
 
A antropologia sempre lidou com a religião. No entanto, está longe de seus propósitos, encontrar uma resposta definitiva sobre o que é a religião, ou o que leva os seres humanos a fazer religião. O que a ciência da religião e a antropologia da religião como uma de suas disciplinas auxiliares procuram fazer é encontrar aproximações que permitam ver a religião por uma nova ótica e, quem sabe, contribuir para elucidá-la melhor.   

Silas Guerriero
 


Etimologia
Etimologia do termo religião e suas funções didáticas
 
 



Os esforços de esclarecer o termo religião por pesquisadores que investigam, o fenômeno assim denominado, resultaram em um campo semântico complexo e heterogênio. Um levantamento da literatura especializada revela a coexistência de várias definições da palavra. Entre elas encontram-se aproximações etimológicas, substanciais e funcionais, bem como abordagens filosófico-linguísticas, multidimensionais e culturalistas. É óbvio que tal delimitação tem enriquecido o discurso entre os cientistas da religião.



Frank Usarski 


Ciência da religião
O objeto da Ciência da Religião como problema
 
A pergunta pelo objeto da Ciência da Religião está no centro do seu estudo, como nas demais ciências. A existência de uma ciência corresponde à de seu objeto próprio e, por conseguinte, a um método próprio. O caso da religião é específico, primeiro por ser um fenômeno humano, inevitavelmente plural, de fatos dispostos no tempo e no espaço; segundo por pressupor convicções subjetivas  inevitáveis. Os objetos da crença de sujeitos e grupos, quando entram no território das ciências,  submetem-se a regras metodológicas que estudam sua natureza e funcionamento, com, sem ou apesar das respostas que trazem consigo. 

João Décio Passos


Epistemologia
Tipos de conhecimento:
a proposta da transdisciplinaridade

 
 
Estamos passando por grandes transformações na sociedade e na educação. Hoje, falamos em educação bilíngue, em medicinas alternativas, no diálogo inter-religioso. Inúmeras outras formas de multiculturalismo são notadas nos sistemas educacionais e na sociedade em geral. As profundas transformações nos sistemas de produção e de emprego, de comunicação e de informatização, são resultados da mundialização e dão origem à globalização e ao multiculturalismo. Os reflexos na geração e aquisição de conhecimento são evidentes e a transdiciplinaridade é a forma de aquisição de conhecimento do futuro.

Ubiratan D’Ambrosio


Psicologia
O desenvolvimento religioso
 

O sentimento religioso nasce e amadurece no encontro com pessoas significativas na trajetória da existência humana. Assim,  o “eu” ou “self” religioso é uma dinâmica relacional e o modo como esse encontro é vivenciado inscreve-se no itinerário de vida e autopercepção de cada um.  Pode-se dizer que o tema é atual e motivador para a continuidade de pesquisas e estudos de Psicologia, Educação, Ciência da Religião e outras áreas afins.

Maria Eliane Azevedo

Didática
Ciência da Religião e Ensino Religioso
 
Surgem em universidades brasileiras, cursos para formar cientistas da religião habilitados ao Ensino Religioso. Tais projetos devem ter como principais objetivos: conhecimento dos elementos do Fenômeno Religioso que emergem da experiência dos alunos; análise do papel das tradições religiosas na sociedade e na cultura; compreensão das diferenças e semelhanças entre as tradições religiosas; reflexão sobre a relação entre os valores éticos e práticas morais e as matrizes religiosas; conhecimento da problemática metodológica, curricular e legal do Ensino Religioso; visão dos processos de interação das denominações religiosas em seus diferentes contextos.
Afonso Soares

Metodologia
Questões metodológicas do Ensino Religioso
Lidar cientificamente com a complexidade da dimensão religiosa é tarefa exigente. E mais ainda, quando a questão é colocada no processo educativo que, pela sua razão de ser, é plural. Os processos educativos precisam avançar para compreender o conhecimento do campo religioso como ato científico. A missão urgente da escola deste milênio é ajudar a o ser humano a reencontrar sua posição no universo. E as pistas para este encontro podem ser apontadas pelos novos sujeitos emergentes, os estudantes, tanto no particular como no universal, onde o Ensino Religioso tem muito a contribuir abrindo novos horizontes de saberes e vivências.

José Boeing

Seções pedagógicas  
 
Destaque
Revista Diálogo 18 anos Simpósio Ensino Religioso: O que ensinar? Como ensinar?
 
Os 25 anos do artigo 210 da Constituição Federal que definiu o Ensino Religioso e os 18 anos da Diálogo – revista de Ensino Religioso abrangem o tempo de uma geração que suscita continuamente a pergunta: O que ensinar? Como ensinar? 
Lenda
A lenda da primavera
 
O relato grego, pode discutir não só elementos religiosos da cultura clássica, como também situações cotidianas atuais da vida dos estudantes.
Entrevista
Ethos, Fato Religioso e diversidade
 
Conteúdos e estratégias de Ensino Religioso que integram as experiências de diversidade,  são o foco da entrevista com a professora Sonia de Itoz, do Colégio Emilie de Villeneuve, de São Paulo (SP)
Sua página
Valores morais e éticos no Ensino Religioso
 
A Licenciatura plena em Ciências da Religião que habilita professores para o Ensino Religioso é a conquista pioneira da Universidade do Estado do Pará (UEPA).
Dicas
Coleção Ensino Religioso Fundamental
Livros didáticos não-consumíveis de Ensino Religioso para o Ensino Fundamental.
Aprendendo e ensinando
Ensino Religioso, o que ensinar?
 
A professora Edile Maria Fracaro Rodrigues, do Grupo de Pesquisa, Educação e Religião da PUC do Paraná, comprova que pensar “no que ensinar” é assumir a complexidade e pluralidade que envolve os estudantes em aprendizagens significativas.
Resenha
Compêndio de Ciência da Religião
Obra indispensável na biblioteca de Educação e de Ensino Religioso, organizada por professores do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) com a colaboração de professores especialistas, do Brasil e do exterior.




Fonte: Diálogo 71 - Ago/Set 2013
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Dialógo - Abril/Junho
Edição de Abril/Junho, 2019
Diálogo 93, Janeiro/Março de 2019
Sumário da Edição 93 da Revista Diálogo Religião e Cultura / Jan/Mar 2019.
Diálogo 92, Outubro/Dezembro de 2018
Quem se apropria de bens públicos não entendeu a finalidade coletiva dos bens, que, por serem públicos, são para todos como coletividade
Diálogo 91, Julho/Setembro de 2018
A palavra – falada ou escrita – distingue os humanos dos outros animais. Através dela expressamos nossas ideias, sentimentos, vontade
Diálogo 90, Abril/Junho de 2018
Convida você à refletir e extrair conhecimentos importantes nos atuais cenários das relações interpessoais, interculturais e internacionais.
1 2 3 4 5 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados