15 (mil) anos da consciência (humana) negra

Data de publicação: 28/10/2013


O Movimento Negro celebrou em 2010 os 15 anos da 1ª Marcha da Consciência Negra, iniciada em 20 de novembro de 1995, em comemoração aos três séculos da morte de Zumbi dos Palmares, o líder mais emblemático da resistência afro-descendente no Brasil.

O nome Palmares deve-se à abundância de palmeiras da espécie carnaúba, então existentes na Serra da Barriga, ao sul da capitania de Pernambuco, hoje estado de Alagoas, onde se formou a comunidade denominada por seus habitantes como Angola Janga ou Pequena Angola, no vocabulário banto da resistência. Resistência esta desenvolvida em todo o território escravista por inteligentes e heroicas estratégias de defesa e de sobrevivência, dignas de pessoas que herdaram da terra-mãe a luz do primeiro lampejo de inteligência humana que brilhou sobre a Terra.

A ciência genética descobriu recentemente o DNA mitocondrial (DNAmt), transmitido pela herança materna e a análise deste componente celular, e revelou um núcleo único, comum a toda espécie humana, cuja mutação foi irrelevante ao longo do tempo. Os dados até agora identificados no DNAmt indicam que todos os seres humanos atuais têm um ancestral comum que viveu na África entre 140 mil e 300 mil anos atrás.

Os 15 anos de avanço da consciência de ser negro no Brasil despertam, analogicamente, a memória dos últimos 15 mil anos de evolução da espécie humana na África, quando os modos de construção da convivência social foram materializados pela primeira vez em forma de civilização. 

Além de comprovar hipóteses acerca da origem africana dos primeiros seres inteligentes, como também das atividades e instituições que constituem a sociedade, a ciência atual tem meios para calcular tempos e idades em número de séculos e milênios. A arqueologia faz datações e revela, por exemplo, que há mais de 40 mil anos os habitantes do atual Saara fixaram nas rochas o resultado de seu refinado senso estético e simbólico com materiais que estão em perfeito estado até o presente.

A primeira grande civilização da humanidade, o Egito, surgido ao norte da África, há 5.100 anos, foi uma sociedade organizada, com política, arquitetura, urbanismo, religião, escrita, arte, música e conservação material do saber adquirido. Os faraós foram os primeiros chefes de Estado da humanidade. A mais de 4.600 anos os arquitetos egípcios conheciam cálculos e técnicas capazes de erguer as primeiras construções mais colossais e inabaláveis até hoje conhecidas. Nos templos dos deuses egípcios surgiram a coluna, o capitel, a cornija e o baixo relevo e outros estilos arquitetônicos mais tarde usados em templos e palácios de civilizações que deles se apropriaram.



    
Origem africana dos quilombos brasileiros  
  
As universidades brasileiras contam com historiadores que se dedicam à pesquisa e à documentação sobre as origens africanas do povo negro no Brasil, o que permite, atualmente, um nível de conhecimento novo e surpreendente desta grande parte, ainda muito silenciada, da história do povo brasileiro.  As pesquisas identificam sinais da origem do líder Zumbi dos Palmares e do modelo de sociedade, genuinamente africano denominado quilombo. 

Por volta do século 15, surgiram na África os Jangas, um grupo de pessoas de várias procedências, unidas pela resistência contra a ação escravista europeia sobre as sociedades tradicionais. Como uma espécie de exército, itinerante, os Jangas destruíam os núcleos colonizados por brancos e montavam os kilombos (quilombos), acampamentos cercados por estacas pontiagudas e situados à beira de grandes abismos, com acesso quase impossível.

A miscigenação dos Jangas, com populações do grupo banto do Congo, de Moçambique e de Angola, originou o povo Imbangala, do qual provinha parte das pessoas traficadas e vendidas como escravas no Brasil nos séculos 16 e 17. Estes africanos e seus descendentes continuaram lutando pela liberdade por meio de revoltas ou fugas que, quando bem-sucedidas, deram origem aos quilombos, situados nos locais mais inacessíveis aos perseguidores.

Mais de 2.500 comunidades quilombolas povoam o território nacional e guardam elos perenes com princípios de vida herdados dos primeiros quilombolas nascidos na África.  Os quilombos brasileiros evoluíram, de refúgios de fugitivos e locais de resistência à perseguição – que foram na origem – para comunidades familiares organizadas de modo coletivo, com lideranças sociais e espirituais, regidas por valores da propriedade coletiva, do trabalho comunitário, do igual acesso de todos aos bens de sobrevivência, da conservação e transmissão fiel do legado cultural e religioso, material e imaterial, dos antepassados durante mais de quatro séculos, e, ainda, da consciência da ancestralidade africana. 


Pesquisa de Ensino Religioso

  • Pesquisar acerca dos principais grupos culturais religiosos da África: Banto e Iorubá.
  • O nome dado ao Criador.
  • Os mitos de origem da Terra e das pessoas.
  • A importância do fogo, da floresta, da árvore, da terra, dos rios, do mar, em cada uma dessas tradições religiosas.
  • Os deuses e espíritos cultuados na tradição banto e na iorubá.
  • A identificação destes elementos nas religiões afro-brasileiras atuais.

Fonte: Diálogo 60 - Out/Dez 2010
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O Sagrado: Essência do Fenômeno Religioso
Conforme o geógrafo Milton Santos, o espaço é um sistema de objetos e um sistema de ações
Habemus bola!
O espaço sagrado no futebol, que alia prática educativa e conhecimento científico
Espaço Sagrado-Espaço Profano
O paradigma mecanicista fez da ciência a detentora da verdade. A segurança científica substituiu a fé
Gênios da ciência e da arte
Gênios da ciência e da arte imortalizaram-se justamente na área que possuíam deficiência.
Elos do carnaval celebração
De modo geral, tendemos a buscar nas grandes celebrações as formas mais explícitas
Início Anterior 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados