Educar para a cidadania e a liberdade

Data de publicação: 30/03/2015




A Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação criou o Programa Ética e Cidadania, cujo objetivo é “construir valores na escola e na sociedade e consolidar práticas pedagógicas que conduzam à consagração da liberdade, da convivência, da solidariedade, da promoção e da inclusão”. O ponto de partida do Programa é a própria escola.
“Na medida em que conheçam melhor a si mesmas e a natureza das relações humanas, na medida em que pratiquem, cada vez mais, a democracia e a convivência social, as escolas estarão contribuindo para construir valores sociais permanentes, laços comunitários e responsabilidades sociais. E assim, com raízes fincadas na cultura nacional, estarão desenvolvendo em cada um a consciência da própria condição humana, da cidadania universal voltada para a preservação da vida no planeta, da paz e da harmonia entre os povos.
O ponto de chegada deste Programa está no sonho de cada um, na utopia que nos move diante da realidade, muitas vezes adversa, mas sempre compensadora, quando se tem como ideal a construção de uma escola melhor para todos, capaz de contribuir para o desenvolvimento do nosso país e de fornecer saberes e competências que nos facilitem o caminho na busca da felicidade e do bem-estar social.
Ideais assim podem estar distantes ou próximos de nós, depende do grau de amplitude de nossas sadias pretensões. Mas, se conseguirmos avançar no microcosmos de nossa existência, se construirmos na escola e no seu entorno um ambiente de fraternidade, de diálogo permanente, de abertura dos corações para a convivência das diferenças de gênero, de raça ou de etnia, ou de fundo cultural, religioso ou ideológico, estaremos dando um grande passo. Estaremos criando as condições necessárias para minimizar os fatores que nos separam social e culturalmente e potencializar aquilo que nos motiva” (trecho da apresentação do Programa).   
Acesse o texto integral no portal do MEC: www.mec.gov.br

O 5º Eixo do Ensino Religioso
Ética e valores das tradições religiosas é um dos cinco eixos temáticos dos Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso, elaborados pelo Fórum Nacional Permanente de Ensino Religioso. 
Sabemos que as religiões acrescentam significados e motivos transcendentes aos valores humanos universais e proõem caminhos de plena humanização e de experiência do Sagrado.
O Ensino Religioso pode ressaltar valores éticos e morais na educação, tornar a aula mais prazerosa e motivadora e possibilitar a reflexão sobre atitudes cotidianas. As dinâmicas, como instrumentos pedagógicos, favorecem a reflexão e promovem o processo de amadurecimento cultural e humano. 

Aprendendo a ensinar 

Dinâmicas que deram certo
Os valores – Os alunos foram organizados em grupos de cinco e trabalharam sobre uma possibilidade de escolha por meio de uma questão: um grupo de náu­fragos alcançou uma minúscula ilha que comportava poucas pessoas. Os alunos deviam aplicar critérios de valores éticos para escolher as pessoas que se salvariam. Após a dinâmica e o debate, a classe chegou à conclusão de que todos os valores são indispensáveis à convivência humana. 
Os preconceitos – Em grupos, os alunos receberam rótulos de identificação: “sou surdo: grite”; “sou antipático: evite-me”; “sou prepotente: tema-me” e outros. Depois, foi proposto um tema para debate, mas nenhum grupo conseguiu dialogar. O grupo concluiu de que os rótulos que aplicamos a nós mesmos, ou aos outros, impedem os valores da convivência. A seguir foi aplicado um questionário com pontos de reflexão sobre a mudança de comportamento na sala. Semanas depois, os alunos continuavam motivando uns aos outros para evitar rótulos sobre os colegas. O interesse pela aula de Ensino Religioso aumentou muito a partir do momento em que as dinâmicas e as situações discutidas trouxeram diferença significativa à convivência cotidiana da turma.

Narrativa de dinâmicas aplicadas em 7a e 8a séries de escola estadual, da cidade de Luz (MG), pela professora Sônia de Oliveira Martins Corrêa, pós-graduada em Educação Religiosa em Ambiente Escolar.

Sugestões de atividades a partir do teste
1 - Sortear as afirmações do teste (página 41) entre os alunos e pedir que as ilustrem narrando exemplos da vida cotidiana.
2 - Escolher algumas afirmações do teste e organizar dois grupos:
* Um grupo deve concordar com a afirmação e apresentar os argumentos.
* O outro deve discordar e também trazer seus argumentos.
* Organizar regras para o debate, com tempo de exposição, réplica e tréplica, de modo que um grupo possa questionar o outro (como fazem os candidatos em debates na televisão).
* Concluir com um júri popular envolvendo toda a classe na decisão final por meio do voto. 

Teste seu nível de liberdade (A partir da adolescência)
Ao concordar com a afirmação, assinale 1.  Ao discordar, assinale 2.
1. Em todo lugar há sempre alguém nos observando e julgando. (  )
2. Falar o que se pensa é indispensável, mesmo que ninguém valorize. (  )
3. A formalidade em qualquer situação nos preserva de “pagar mico”. (  )
4. Às vezes, a raiva leva a fazer o que normalmente não faríamos. (  )
5. Com desconhecidos, não esqueça: a primeira impressão é a que fica. (  )
6. Fazer-se respeitar é o segredo para não ser motivo de piadas. (  )
7. Fique alerta e ninguém jamais lhe “pregará uma peça”. (  )
8. Quem procura ser “o mais esperto” merece resposta à mesma altura. (  )
9. Demonstro sempre humor igual ao das pessoas que me rodeiam. (  )
10. Nunca deixe um amigo em apuros. Um dia você pode precisar dele. (  )
11. Não vale a pena fazer favores. Poucas pessoas os valorizam. (  )
12. Falar mal dos outros é inevitável. (  )
13. Faço tudo por quem me dedica amizade. (  )
14. Só confie em quem já provou que merece confiança. (  )
15. É preciso insistir com as pessoas que amamos para que façam o que é melhor      para elas mesmas, ainda que não o queiram. (  )
16. Defendo sempre o meu ponto de vista frente a opiniões contrárias. (  )
17. Morro de antipatia por quem não gosta de mim. (  )
18. É melhor “dar um gelo” em quem nos critica. (  )
19. Em certos ambientes é necessário mostrar mais do que se sabe. (  )
20. Quando vejo alguém na rua fazendo algo errado procuro impedir. (  ) 

Avaliação

Some os números que você assinalou e interprete o resultado.
Menos de 25 pontos – Os condicionamentos dificultam muito a sua liberdade. Um relacionamento muito mais saudável ainda espera por você.          
De 26 a 35 pontos – Siga em frente. Seu nível de liberdade tem muito potencial para continuar crescendo.
De 36 a 40 pontos – Muito bem! Você sabe como construir um relacionamento livre. 

(Adaptado do livro Faça seu teste, de William Bernard
e Jules Leopold, Ed. Mestre Jou, São Paulo, 1970.)

Tulipa-coração, duas declarações de amor para a mamãe 
Originada na Pérsia e valorizada na Turquia tanto como as pedras preciosas, a tulipa tem o nome derivado da palavra persa tulipan, que significa “turbante”.  As flores foram levadas pelos turcos para a Europa, onde se tornaram comuns.  Na Inglaterra e na Holanda, presentear com uma delas equivale a uma declaração de amor.  Durante a Primeira Guerra Mundial, as belas flores revelaram seu altruísmo, servindo de alimento para a população desprovida de recursos.  Afinal,  “deram a vida” por quem precisava delas. Há maior declaração de amor do que esta?
O clima tropical do Brasil não é o habitat da tulipa. Alguns anos atrás, declarar amor por meio de uma delas requeria correr ao aeroporto internacional mais próximo e comprá-la no balcão da companhia aérea cujo vôo tivesse acabado de chegar da Holanda ou da Inglaterra. Atualmente, pode-se encontrá-la por aqui, cultivada em estufas.
Material
Dois retalhos de papel canson/color plus na medida de 20 cm x 15 cm: um verde e um da cor desejada
Papel transparente para transferir,  Lápis, tesoura e cola


Modo de fazer       
1. Copiar o modelo do caule (página 43) e transferir para o papel verde, dobrado em sentido vertical.
2. Recortar e abrir. 
3. Copiar o modelo do coração e transferir para o papel colorido, dobrado em sentido vertical.
4. Recortar e abrir.
Deixar que as crianças escrevam, desenhem ou colem no coração mensagens de amor para a mamãe, depois o dobrem em forma de tulipa e colem ao caule.
5. Depois de escrito e decorado o coração, dobrar a ponta para cima.
6. Dobrar as laterais para dentro.
7. Colar a tulipa sobre o caule.

 

Fonte: Diálogo 46 - MAI/2007
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Água, fonte de vida
H2O é o composto químico que possibilitou a presença humana no planeta: a água. Em média, 75% do corpo humano é formado por água
Ecologia humana
A educação é algo de grande relevância para a formação do ser humano. Nessa visão, a proposta da disciplina Ensino Religioso (ER), na Escola Municipal Professora Malvina Cosme, em Natal (RN), trabalha pedagogicamente conhecimentos acadêmicos...
A tecnologia e o comportamento dos jovens
Sustentáveis, otimistas, proativos, contestadores, globalizados, multitarefas e suscetíveis à diversidade são os aspectos positivos percebidos e trabalhados pelos especialistas do Colégio Nossa Senhora do Rosário junto aos seus alunos
Papel da liderança
O ser humano além de ser aberto é também relacional e simbólico. Relaciona-se em sociedade e tem a capacidade de simbolizar, isto é, atribuir significado que transcende a aparência das coisas.
Discalculia
Uma vez que a criança foi diagnosticada com discalculia, todas as pessoas de seu convívio devem ajudá-la, e existem métodos para isso.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados