O amor entre as estrelas

Data de publicação: 31/03/2015

Em pauta memorial

O Festival das Estrelas, em japonês Tanabata Matsuri, começou na corte imperial do Japão, há cerca de 1.150 anos e, em 1603, tornou-se feriado nacional, no dia 7 de julho.
No Brasil o festival se realiza nas regiões onde se concentram os descendentes dos imigrantes, sendo a mais conhecida a celebração no bairro da Liberdade, em São Paulo (SP).
Segundo a mitologia japonesa, a princesa Orihime passava os dias tecendo as roupas dos deuses. Um dia, o imperador celestial permitiu à filha deixar o tear por algum tempo e caminhar pelo céu, onde ela encontrou Kengyu, um jovem pastor. Os dois apaixonaram-se imediatamente e o amor fez a princesa esquecer o tear e o pastor descuidar-se do rebanho. O imperador celestial, indignado, transformou-os em estrelas, uma de cada lado da Via-Láctea.
Ao ver o fato, as outras divindades, penalizadas, intercederam pelos jovens e o imperador celestial decidiu permitir-lhes um encontro por ano, caso eles atendessem aos pedidos humanos.  Assim, na sétima noite do sétimo mês do calendário lunar, uma ponte de pássaros se forma no céu e sobre ela o pastor e a tecelã se encontram.
Na terra, as pessoas decoram ruas e casas com os sassa-dake, arcos de bambu em forma de ponte, enfeitados com pássaros de papel, e amarram nos ramos os tanzaku, papéis coloridos onde escrevem suas preces. Os desejos se realizam no momento sagrado do encontro das duas estrelas.
Orihime é Vega, da constelação de Lira, a quinta estrela mais brilhante do universo, e Kengyu é Altair, a estrela mais luminosa da constelação da Águia.


Fonte: Diálogo 50 - MAIO/2008
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Reflexos do deserto
O cerrado é o segundo maior bioma brasileiro e esconde locais que inspiram mistério e transcendência, alguns já conhecidos por serem cenários de ecoturismo
Construções da fé
Os séculos, suas pedras e suas edificações estão aí a provar o quanto a humanidade criou – forjada pela fé – obras arquitetônicas lindíssimas, templos sagrados em devoção aos seus deuses.
Os humanos e seus direitos
“A sociedade é hipócrita, há quem declara ao que vive na rua: ‘Deus te ama’. Mas não se aproxima, tem medo da pessoa.
Cultura afro-brasileira: resgatando os nossas origens
Finalmente, hoje, esta herança parece ser revista e valorizada como alternativa possível para frear a dominação e a exploração do meio ambiente do qual o ser humano é parte.
Crônica da terra dos Papagaios
Em verdade, não é fácil dizer quanta diversidade há de aves ornadas de várias cores. Os papagaios são mais comuns aqui no Brasil
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados