Cuidar da vida, construir cidadania: “um outro mundo é possível”

Data de publicação: 08/07/2015

Cuidar da vida, construir cidadania: “um outro mundo é possível”

A Novamerica1, comprometida com a construção da cidadania ativa, assumiu para este ano o lema “Cuidar da vida, construir cidadania: um outro mundo é possível”. Publicado no Direitos humanos na sala de aula 2, o manifesto por um outro mundo possível explicita o lema, elucidando que a cidadania é o caminho possível de resgate da dimensão do cuidado. Conclui dizendo que o cuidado com a vida, alimentado por uma construção cotidiana da cidadania, contém as sementes de um outro mundo possível, mais justo e sustentável.
A escola, em especial a escola pública, não pode abrir mão de seu papel de formar sujeitos e atores sociais pro­motores de uma cidadania ativa, crítica e construtiva. Isso só é possível em um espaço pedagógico democrático, marcado pelo dialogismo e pelo esforço de construção conjunta, em que a participação e a organização permitam um exercício concreto de tomada de decisões grupais e a apropriação pessoal e coletiva da palavra constituam elementos fundamentais.
Nessa perspectiva, a atividade sugerida a seguir tem como objetivos possibilitar “o sonho” e a explicitação do sonho de “um outro mundo possível” e valorizar a participação como um caminho para a construção deste mundo.
1º momento: Suscitar a curiosidade dos alunos e dizer que vai narrar uma história sem fim, para que eles a concluam:
2º momento: Estimular as crianças a conversar sobre o mundo onde vivem, sobre o que gostam e não gostam. Sugerir que a turma organize “clubinhos” para concluir a história. Seria interessante que os grupos escolhessem um nome para o seu clubinho, um título para sua história.... A história pode ser ilustrada com desenhos ou corte e colagem.
3º momento: Incentivar cada grupo a apresentar para a turma seu trabalho. Provocar o diálogo, sublinhando o que cada grupo gostaria de mudar. Construindo com toda a turma um cartaz com as mudanças propostas e identificar as que devem ser priorizadas.
4º momento: Apresentar aos grupos um novo desafio – o que cada um está fazendo ou vai fazer para mudar o mundo? Discutir com a turma as diferentes propostas de ação, colocando ênfase na importância da participação de cada um(a) para que a vida seja melhor. Estabelecer com a turma algum compromisso comum para melhorar a vida do grupo durante a semana, orga­nizando um cartaz.
Com as histórias, sugere-se montar um livro da turma. Os cartazes com as sínteses devem estar fixados na sala. Os desenhos podem ser organizados em um painel denominado “o mundo que queremos”. Outra possibilidade é escolher, através de uma roda de leitura, textos que mais agradar à turma para serem ilustrados coletivamente e integrarem o mural da sala ou da escola.


“Era uma vez uma menina que andava emburrada pelos cantos por­que não gostava do mundo onde vivia. De tão chateada pensou que deveria fazer alguma coisa. Mas, o quê? Achou que ia ser muito difícil e trabalhoso mudar qualquer coisa sozinha. Então, ela teve uma idéia: fundar o ‘clubinho dos emburrados’ com alguns colegas, que também não estavam satisfeitos com o seu mundo, para juntos  fazerem alguma coisa. Depois de várias reuniões, eles resolveram...”

1 Organização da sociedade civil, sem fins lucrativos,  com sede na cidade do Rio de Janeiro (RJ), que desde 1991 realiza atividades com professores, na perspectiva da formação de educadores em direitos humanos.

2  Boletim mensal publicado pela Novamerica, com sugestões de atividades para serem desenvolvidas na sala de aula e textos de aprofundamento para os educadores. Para mais informações, entre em contato pelo E-mail: escola@novamerica.org.br ou pelo telefone (21) 2542-6244.

Fonte: Diálogo 34 - MAIO/2003
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

IX Simpósio de ER
A temática proposta objetiva a reflexão sobre os novos desafios da educação contemporânea e da formação docente
Imprimindo marcas na História
A sexualidade é uma das energias que movem os seres humanos e as culturas em um fascinante jogo
Currículo, um rio em movimento
O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados