Roraima, o monte que chora

Data de publicação: 05/11/2015


O monte Roraima, na serra do Tepequém, com 2.875 metros de altitude, marca a fronteira entre o Brasil, a Venezuela e a Guiana Inglesa. O nome que, na língua dos índios venezuelanos Pemón, significa “grande, verde e azulado”, esconde mistérios, lendas indígenas e uma composição natural jamais vista em outras partes do mundo.

Os Macuxi, um dos oito povos indígenas do estado de Roraima, contam que antigamente aquela região era cheia de igapós, e todas as tribos viviam com fartura de caça, pesca e frutos.
A banana era desconhecida naquele lugar e foi grande a surpresa de pessoas e animais quando uma linda bananeira cresceu na planície e logo produziu um grande cacho dourado e atraente.
Os pajés se reuniram e compreenderam que a bananeira pertencia a Paaba, o deus criador. Chamaram-na paruru e preveniram todas as tribos de que era permitido comer qualquer fruto da terra, menos o da planta sagrada.
Durante muito tempo, os índios respeitaram a ordem dos pajés e a região mais parecia um paraíso: todos viviam em paz porque não era preciso disputar o alimento. Em certa manhã, porém, para espanto geral, a paruru apareceu sem o seu cacho. Todos se perguntavam quem fizera aquilo, mas, antes de descobrirem, o chão se moveu, os céus tremeram em trovões e os animais da terra e do ar fugiram para longe.
O dilúvio inundou tudo e um monte imenso brotou das águas e subiu até as nuvens. Foi assim que apareceu o majestoso monte Roraima. Desde então, através dos tempos, ele lamenta o fim do paraíso e verte lágrimas das pedras, das fissuras e das ravinas. Todos os dias, Paaba cobre com suas nuvens o topo do monte que chora.

Sugestão de atividade
• Identificar os sinais de religiosidade neste texto oral da tradição indígena.
• Especificar os elementos que também aparecem em textos escritos ou orais de outras tradições religiosas.
• Comparar as semelhanças deste texto com outros relatos sagrados conhecidos.
• Refletir acerca da capacidade humana de interpretar religiosamente os fenômenos naturais e neles encontrar ensinamentos.
• Tirar conclusões atuais.

Fonte: Diálogo 51 - AGO/2008
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Museu de Arte Indígena
O Museu de Arte Indígena (MAI) é o primeiro museu particular do Brasil, dedicado exclusivamente à produção artística dos povos indígenas brasileiros e um dos maiores acervos do mundo nesta área.
Líder e liderança entre os povos indígenas
O papel de lideranças que seguem sendo exemplos de postura, ética, e que marcaram a vida das comunidades e a nossa.
Antônio Conselheiro
Antonio Conselheiro decide fixar-se no velho arraial de Canudos, rebatizá-lo como Belo Monte e dotá-lo de condições que tanto viabilizem a vida aqui como preparem aquela do além, não estranhará que o vilarejo cresça enormemente.
Vida e agonia do Rio São Francisco
Quando Américo Vespúcio, em 4 de outubro de 1501, chegou à foz do Rio São Francisco, como era de praxe, batizou o que tinha diante dos olhos com o nome do santo do dia. Era dia de São Francisco.
Mata Atlântica
Muitas pessoas têm a falsa impressão de que a Mata Atlântica está restrita àquelas grandes áreas de florestas distantes das cidades. Na verdade, ela está muito mais perto do que a gente imagina.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados