Contos que não são de fadas

Data de publicação: 02/10/2017

        Luzia Sena *

      O mundo vive uma crise de migração forçada, a maior desde a 2ª Guerra Mundial. Frequentemente os meios de comunicação nos mostram cenas tristes de pessoas, inclusive crianças, em fuga para escapar de perseguições, guerras e conflitos em seus países de origem. Quantos são barrados ao tentar cruzar as fronteiras que dão acesso aos países europeus, onde muitos buscam um lugar seguro para viver. E tantos outros morrem na travessia, dada à precariedade dos barcos que os transportam.
      Como explicar, especialmente para as crianças, na família e na escola, o drama dos refugiados, a violência e o terror que levam populações inteiras a abandonarem suas casas, sua cidade, seu país?
      Com o intuito de sensibilizar o mundo a respeito dos horrores enfrentados atualmente, sobretudo por crianças e jovens, ao abandonar suas casas e se deslocarem para outros lugares do mundo, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) lançou uma série de três pequenos filmes de animação sob o título Unfairy Tales (Contos Desencantados ou Contos que Não São de Fadas, em tradução livre), que contam histórias reais e comoventes vividas por menores que fogem, com suas famílias, de conflitos e guerras, especialmente no Oriente Médio. As produções contarão também com um livro interativo.
      “As histórias dessas três crianças, contadas nos filmes, não são incomuns. Estima-se que, pelo menos, 65 milhões de crianças e jovens estejam migrando pelo mundo – fugindo de conflitos, pobreza ou de condições climáticas drásticas – em busca de melhores condições de vida e de um novo lugar que possam chamar de casa”, destacou a diretora global de Comunicação do Unicef, Paloma Escudero.
      Uma das histórias que compõem a série – Ivine e o Travesseiro – reproduz a história de uma garota síria, de 14 anos, e de seu travesseiro. Fala sobre o medo, a fome, o cansaço que sentiu e os pesadelos que teve durante todo o tempo. Depois da fuga perigosa da Síria, Ivine se estabelece em um campo de refugiados na Alemanha, onde enfrenta novos desafios.
      Malak e o Barco conta a viagem de uma menina de 7 anos que foge da Síria, através do mar revolto, a bordo de um pequeno e precário barco. Além do frio e do medo, a garota conta que perdeu todos os amigos e que ficou sozinha.
     A terceira animação descreve a história de Mustafa, de 13 anos, que ainda não se recuperou da tristeza de deixar para trás sua cidade, sua casa, seus amigos, seus brinquedos, rumo a um abrigo de refugiados. brinquedos, rumo a um abrigo de refugiados. Fica imaginando quem restou para ser seu amigo.

Redes sociais

Os filmes terminam com uma mensagem ao público – “Algumas histórias não deveriam ser contadas por crianças” – e convocam para uma campanha de ações e doações, incentivando o compartilhamento de boas ações nas redes sociais. Para participar, basta compartilhar um ato de humanidade em relação a crianças e jovens refugiados e migrantes utilizando a hashtag #actofhumanity (#AtoDeHumanidade).
Segundo Paloma Escudero, diariamente, em todos os lugares do mundo, pessoas estão ajudando esses menores com pequenos atos de humanidade, mas que tais ações raramente se tornam notícia, no entanto estão fazendo toda a diferença do mundo para crianças refugiadas e migrantes. Portanto, é preciso dar visibilidade a esses atos de humanidade a fim de inspirar outras pessoas a fazerem o mesmo.
Com isso, o Unicef enfatiza que as crianças têm direitos que precisam ser assegurados e que merecem oportunidades justas, não importa de onde elas venham.
A série Contos que Não São de Fadas quer conscientizar o mundo sobre a importância de se acolher os refugiados, especialmente as crianças e adolescentes, ajudando-os, assim, a mudar suas vidas e a recomeçarem uma nova história.

Mãos à obra
•    Assista aos vídeos (com legendas em português) e comente com o grupo os aspectos mais relevantes.
•    Compartilhe no hashtag um ato de humanidade em relação às crianças e jovens refugiados ou migrantes.
Canal YouTube
•    Malak e o Barco: Uma Viagem da Síria (1:57 min)
<https://www.youtube.com/watch?v=cDYquvl-2OM>
•    Ivine e o Travesseiro (2:15 min)
<https://www.youtube.com/watch?v=nuPyKRojuwc>
•    Mustafa Vai para uma Caminhada (2:15)
<https://www.youtube.com/watch?v=tGr_o7OwVG8>
•    A História de Malak (3:15)
< https://www.youtube.com/watch?v=m3WzqNJw5j0>

Fonte: Edição Nº85 Out/Dez 2016
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Autismo digital
Na sociedade contemporânea, globalizada e interligada pelas redes sociais, acontece um fenômeno curioso que ressalta o olhar de todo observador.
Suicídio: tentativa e superação
A taxa de suicídios no Brasil, especialmente de adolescentes e jovens, tem crescido de modo lento, mas constante.
A ótica literária sobre a morte
A morte é um tema presente inelutavelmente na vida humana, e, como se costuma dizer, “é a única certeza que todos temos nesta vida”.
Danças Circulares Sagradas
Os ritos dançados sempre existiram e existem como expressão mítica que vem traduzir ao longo do tempo
Currículo interdisciplinar, novo paradigma
A diversidade e a diferença são manifestações dos fatos sociais, das culturas e das respostas individuais frente à educação escolar
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados