A tecnologia e o comportamento dos jovens

Data de publicação: 09/10/2017

Sustentáveis, otimistas, proativos, contestadores, globalizados, multitarefas e suscetíveis à diversidade
são os aspectos positivos percebidos e trabalhados pelos especialistas do Colégio Nossa Senhora do Rosário junto aos seus alunos

É inegável pontuar que a tecnologia tem mudado a maneira com que as novas gerações olham o mundo e como se comportam em relação às informações que a elas chegam. E isso tem modificado também a maneira como esses jovens, denominados pelo escritor Joel Stein como a geração Me Me Me, encaram a vida, a família, o trabalho e até a educação e, por consequência, o modo como a sociedade, em geral, se porta frente às mudanças de comportamento e de cultura. Segundo o escritor, tais jovens, por terem nascido em meio à popularização da tecnologia, têm como características principais o narcisismo, a autoestima elevada, o descaso e o imediatismo, além de não largarem o celular para nada.
O Colégio Nossa Senhora do Rosário, localizado no bairro da Vila Mariana, na cidade de São Paulo (SP), joga luz sobre os benefícios da geração conectada e trabalha em cima das competências e habilidades de seus alunos. De acordo com os orientadores do colégio, Maria Inez de Rinaldi Vit e Rodrigo Teixeira Conceição, vários aspectos à tornam única essa geração. “São jovens com sensível respeito à diversidade, preocupados com a sustentabilidade, otimistas, proativos, contestadores, globalizados e multitarefas”, destacam.
O desafio dos educadores é grande. “Trabalhar com essas características aparentemente antagônicas, mas que, ao mesmo tempo, são complementares e inerentes a uma só personalidade, nos leva a refletir sobre o nosso papel enquanto educadores”, afirmam Maria Inez e Rodrigo.
Para os orientadores, o caminho é trocar conhecimento e informação através de valores filosóficos e pedagógicos no dia a dia e, dessa forma, promover o uso consciente da tecnologia e da boa convivência em sociedade. “Por conta da velocidade com que as coisas lhes são impostas no mundo de hoje, alguns adolescentes podem desenvolver um comportamento extremamente imediatista; a exemplo da safra de jovens que entra no mercado de trabalho e não têm a paciência para adquirir experiência e galgar sua ascensão profissional”, explicam. Nesse contexto, há ainda aqueles mais ansiosos, que vislumbram somente o lugar no topo e mesmo que sua expertise seja baixa, quando seu objetivo não lhes é conferido, acabam por se sentirem frustrados, insatisfeitos, o que pode resultar em baixa produtividade e demissão.

Dependência tecnológica
O uso exacerbado da tecnologia provoca outras mazelas: questões físicas, como obesidade e queda de acuidade visual, além de alguns fatores sociais, como a dificuldade de relacionamento no mundo real.
As escolas e os orientadores podem e devem ficar atentos para identificar se há um exagero nesse acesso tecnológico. Dentro do ambiente escolar, é possível observar esse comportamento em momentos como: intervalo, deslocamentos, término de períodos e ocasiões que antecedem aulas extracurriculares, quando os alunos não possuem um limitador, já que não estão em um período de aula formal. “Ter regras claras para o uso de smartphones no ambiente escolar, determinando quando e onde usá-los é importante. Além disso, outro fator que pode evitar a dependência tecnológica é o fornecimento, por parte da família, de dispositivos e serviços limitados para o acesso à internet, além, é claro, das cercas digitais para impedir o acesso a todo e qualquer tipo de conteúdo”, afirma Rodrigo.
Pode parecer um cerceamento à liberdade, mas Maria Inez ressalta que esse é um público formado por jovens em construção de sua personalidade e que, por mais que tais bloqueios pesem nesse quesito, são extremamente importantes para protegê-los da ampla exposição, de agressões, bullying, espionagem e até crimes eletrônicos.
“Tudo começa com a família. Um acompanhamento próximo e orientação dos pais é o caminho para que o adolescente desenvolva um bom senso crítico sobre suas ações. A escola também tem papel fundamental, pois contextualiza e afirma, no âmbito de sociedade, os combinados de convivência e respeito, fornecendo ferramentas psicológicas e científicas para que o aluno se desenvolva de forma íntegra e consciente”, dizem os orientadores do Colégio Nossa Senhora do Rosário.

A família
O engajamento dos pais na vida dos filhos é de extrema importância e necessário. A família é a instituição que fornece os principais alicerces para o desenvolvimento de um ser humano íntegro, por isso, um relacionamento saudável, nutrido por uma boa convivência e diálogo, é fundamental para essa geração.
Para incentivar tal proximidade, no Colégio Nossa Senhora do Rosário, por exemplo, reuniões periódicas são realizadas com a presença de pais e alunos, com o objetivo de estabelecer um canal de comunicação e informação entre eles, por meio de casos apresentados a serem discutidos, juntamente com leituras que podem auxiliar nessa fase.
Família e escola têm o papel de estarem atentas ao comportamento dos jovens, identificando ações que, se continuadas, podem se tornar danosas ao adolescente e/ou ao ambiente no qual está inserido. “Em casos extremos, se necessário, aconselha-se o auxílio de um profissional especializado”, pontuam Maria Inez e Rodrigo. Ressaltam, porém, que, em grande parte dos casos, a medida mais eficaz é a conversa franca, o diálogo aberto e a orientação, que permitem ao aluno desenvolver todo o seu potencial em prol do crescimento pessoal e do bem coletivo. 

Colégio Nossa Senhora do Rosário

     
     
Alunas do Colégio Nossa Senhora do Rosário
       
Fundado em 1943, o Colégio Nossa Senhora do Rosário é uma instituição que oferece formação humana e acadêmica. Além da preocupação com o conteúdo para o vestibular, preocupa-se também em formar pessoas para a vida e a prática da cidadania. Responsável pela formação de cerca de 10 mil alunos desde o início de suas atividades, tem o compromisso de ativar, entre todos, a justiça e a paz, buscando oportunidades que conduzam seus alunos a assumirem a posição de indivíduos dotados de senso crítico, de permanente capacidade de admirar-se, de aceitar as diferenças, desejosos de ver a inclusão dos menos favorecidos e de prestar apoio e serviço aos seus semelhantes.
A instituição ficou entre as 50 escolas do estado de São Paulo com maiores médias no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2015. Oferece turmas que vão desde a Educação Infantil – a partir dos três anos de idade –, passando pelo Ensino Fundamental I e II, até o Ensino Médio. Pioneiro na oferta de ensino integral na região, oferecendo-o até hoje para os alunos de Educação Infantil e Ensino Fundamental I e II. Mais informações: www.rosarionet.com.br

Fonte: Edição Nº86 Abr/Jun 2017
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Integração família-escola
A relação entre família e escola no desenvolvimento integral do ser humano
Uma nova história em sala de aula
Wanderson Raposa Ferreira, conta sua experiência como professor de Ensino Religioso
Professoras por paixão e competência
Por paixão e competência, há quem deixe tudo e passe as férias na sala de aula
Educando para a inclusão
Colocar-se no lugar do outro é indispensável para compreender e acolher
Está escrito...
Resultados surpreendentes de uma aula criativamente preparada sobre textos
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados