Multiculturalidade na escola aprendente

Data de publicação: 31/10/2018



Por, Eliane Maura Littig Milhomem de Freitas *
 
No Brasil, a pluralidade cultural e religiosa é significativa. É imperioso que os indivíduos se percebam como brasileiros e iguais, embora mantenham suas diferenças. Porém, infelizmente, ainda há intolerância nas relações sociais. No entanto, no mundo moderno, torna-se necessária a “regra de ouro”, comum a quase todas as religiões: não façamos ao outro o que não queremos que seja feito a nós mesmos.
   
Escola: espaço de relações, interações e aprendizagem
Na era do conhecimento, a educação é um fator de inclusão social. O político francês Jacques Delors, citado pelos educadores Antonio Carlos da Costa e Isabel Lima, diz que “a educação surge como um trunfo indispensável da humanidade na construção dos ideais de paz, liberdade e justiça social”. A escola é um instrumento de justiça social, que pode oferecer a todos o conhecimento necessário para viver e atuar na sociedade. Contudo, além dos saberes, é preciso optar por qual rumo seguir, e tomar decisões fundamentadas, que tenham bons critérios para avaliar e decidir sobre a vida.
É preciso repensar a formação em valores, conforme o relatório da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura): “Educação, um tesouro a descobrir” – o qual considera quatro pilares da educação, visando a formar o jovem como ser integral, que aprende a ser, conviver, fazer e aprender.
Essa perspectiva atenta para o jovem autônomo, solidário e competente que necessita de temáticas desenvolvidas num processo educativo, tais como, sua identidade, sentido de família, valores – tanto os de origem social, como familiar, religioso e outros mais –, que o conduzam em sua formação como ser humano, prefigurado na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394, de 20 de dezembro de 1996, Brasília (DF).

Respeitar o diferente nos espaços histórico-culturais
Segundo os professores Antônio Moreira e Vera Maria Candau (2007), a pluralidade cultural se manifesta nos espaços sociais, principalmente na escola, traz conflitos e desafios para os educadores, do mesmo modo em que propicia o enriquecimento e a renovação da atuação pedagógica.
Nos estudos sobre teorias do currículo, Silva, explica que quando pensamos neste tema vem à mente apenas o conhecimento, ignorando-se que ele está vitalmente, ligado à nossa identidade. Assim, é preciso discutir de que forma a escola dialoga com a diversidade presente no espaço educativo.
Moreira e Candau alertam que o termo currículo é utilizado para indicar efeitos alcançados, sem constar nos planos e propósitos da comunidade escolar, por isso nem sempre é percebido. Para os autores, fazem parte do currículo oculto os rituais e práticas, relações hierárquicas, regras e procedimentos, a organização do espaço e do tempo escolar, a distribuição dos alunos por grupamentos e turmas, mensagens implícitas na fala dos professores e nos livros didáticos, entre outros. Segundo os autores, o currículo é o coração da escola nos diferentes níveis do processo educacional, e neste, o educador é fundamental, sendo o artífice na construção de currículos.
No âmbito educativo, o diálogo precisa perpassar os diferentes aspectos da vida. A ideia é que o aluno, embora diferente, sinta-se parte de um contexto cultural, respeitado e acolhido, usufruindo de prazeres e privilégios do contexto escolar.
As disciplinas podem pautar seu trabalho pedagógico nos princípios já citados. No entanto, o Ensino Religioso, atende melhor a essas exigências, pois, de acordo com Oliveira: “O Ensino Religioso é um componente curricular que visa discutir a diversidade e a complexidade do ser humano como pessoa aberta às diversas perspectivas do sagrado presentes nos tempos e espaços histórico-culturais”. Ela revela que saber respeitar o diferente e as diferenças, e com eles interagir, constitui-se um marco diferencial e único.
   
Encantar-se com o diferente numa sociedade aprendente

Conviver com o diferente possibilita a reeducação dos indivíduos que devem estar sempre mais abertos ao imperativo ético e à alteridade humana, possibilitados pela diversidade. Na convivência é preciso acolher as singularidades, pautar-se no respeito, na igualdade social e no exercício de prática e posturas democráticas.
O teólogo Hugo Assmann destaca que reencantar a educação significa vivenciar as implicações pedagógicas que tratam de um encontro do viver no plano biofísico até o das esferas societais. A educação deve aliar-se à criatividade, à ternura, à solidariedade humana. Ele destaca a convivência solidária, e afirma que o conhecimento virou assunto obrigatório, e educar é a mais avançada tarefa social emancipatória: “uma sociedade onde caibam todos só será possível num mundo no qual caibam muitos mundos”. E conclui que à educação cabe uma apaixonante tarefa, que é formar os seres humanos para os quais a criatividade e a ternura sejam necessidades vivenciais e elementos definidos dos sonhos de felicidade individual e social.
Embora não se refira diretamente às diferenças entre os seres humanos, Assmann trata da sociedade aprendente, que se mobiliza e busca novas perspectivas de vida e convivência. Assim, verifica-se que o diferente traz em sua subjetividade uma riqueza considerável, e estimula a compreensão, a interação entre os pares e ao reconhecimento do outro a partir do princípio da alteridade humana.
A escola pensada pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional preconiza o amparo legal às diferenças presentes no contexto educativo, embora se deva proceder com todos de forma igualitária. Cabe à escola promover o cruzamento de saberes, permeando o conhecimento a partir do diálogo e das variedades de culturas, por meio de metodologias inovadoras que enriqueçam e encantem a vivência com o diferente, e com ele interagir.

* Eliane Maura Littig Milhomem de Freitas
Mestra em Educação e professora de Pedagogia na Faculdade São Geraldo, em Cariacica (ES). Membro do Coner (Conselho Estadual de Ensino Religioso) do Espírito Santo.

Referências bibliográfica
ASSMANN, Hugo. Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis, RJ: Vozes, p 29 1988.
COSTA, Antonio Carlos Gomes da e LIMA, Isabel Maria Sampaio Oliveira. Programa cuidar: educação para valores com base na ética biofílica. Livro 1. Apoio Instituto Souza Cruz, p.46 Edição 2002.
GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.
MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa e CANDAU, Vera Maria. Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria da Educação Básica, p.34 2007.
OLIVEIRA, Lilian Blanck de (et alli). Ensino Religioso: Fundamentos e métodos - (Coleção docência em formação. Série Ensino Fundamental). São Paulo: Cortez, p.34, 2007.
SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: Uma introdução às teorias de currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

Fonte: Diálogo 61 – Fevereiro/Abril de 2011
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

IX Simpósio de ER
A temática proposta objetiva a reflexão sobre os novos desafios da educação contemporânea e da formação docente
Imprimindo marcas na História
A sexualidade é uma das energias que movem os seres humanos e as culturas em um fascinante jogo
Currículo, um rio em movimento
O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados