Comece o ano com bons projetos

Data de publicação: 12/02/2014

Projeto didático-pedagógico

Um projeto didático-pedagógico tem o principal objetivo de propiciar aos alunos a chance de construir coletivamente o saber. Para isso, não é suficiente pesquisar um conteúdo novo. É preciso envolver a turma na reflexão, nas decisões e nas tarefas práticas que dela irão recorrer e acompanhá-la no percurso até a ação final, pois sem ela não há motivo para um projeto. O aspecto didático do projeto é a apropriação do conhecimento de dados da realidade que fazem parte do conteúdo programático da educação. Já o aspecto didático se manifesta no exercício de estudar, pesquisar, selecionar dados, organizar e sistematizar o estudo. O resultado educativo dos dois fatores, além do avanço no conhecimento, é o desenvolvimento da capacidade de interagir, responsabilizar-se, confiar, compartilhar e respeitar ideias, dividir os bons resultados, enfim, fazer a experiência daquela convivência reverente e dialogal que o Ensino Religioso procura cultivar na escola. 

O tema do projeto deve ser selecionado entre os pontos do conteúdo programático da disciplina. Portanto, você deve escolher previamente as alternativas a serem propostas e monitorar a classe para que se decida por uma delas. Seu acompanhamento pode ser também indispensável nas decisões e na organização das atividades que serão desenvolvidas. O nível de sua influência dependerá da maturidade dos alunos, da idade, da série e do maior ou menor hábito que eles têm de trabalhar coletivamente.

Caso a opção seja por um projeto interdisciplinar, é preciso conversar com os professores das outras disciplinas que serão envolvidas e procurar pontos de referência comuns.

Passos de um projeto na disciplina Ensino Religioso
 
1.    Escolher determinado ponto do conteúdo programático da disciplina. Exemplo: As religiões são diferentes umas das outras, mas podem dialogar e ser solidárias entre si. 

2.    Identificar na realidade, uma situação problemática em relação ao ponto escolhido. Exemplo: As religiões presentes no bairro se tratam mutuamente com indiferença (ou temor). 
 
3.    Pesquisar dados a respeito da situação e selecionar o que mais interessa. Exemplo: Decidir o que será pesquisado, como e por quem:
•    Quais as religiões (ou Igrejas cristãs) presentes no bairro;
•    Dados históricos de cada uma;
•    Principais ensinamentos;
•    Ações que desenvolvem para o bem da comunidade;
•    Etc.;
•    Entrevistas com pessoas;
•    Pesquisas em livros, na internet;
•    Etc.;
•    Atividades feitas em grupos, individualmente etc.;
•    Prazo para a apresentação.
 
4.    Refletir acerca do conhecimento adquirido, dando-lhe sentido a partir da realidade. Exemplo: Socializar na sala todos os dados conhecidos, refletir e tirar conclusões como esta: “as religiões têm muitos pontos semelhantes, ensinam a amizade, a paz, a solidariedade. Por que, então vivem isoladas umas das outras?”
 
5.    Elaborar alternativas de resposta à situação problemática. Exemplo: As religiões conhecem quase nada, umas das outras. Quando cada religião conhecer melhor o ensinamento da outra, poderão se tornar mais aceita.
 
6.    Planejar o modo de transformar o conhecimento construído em ação. Exemplo:
•    Identificar na própria escola quais pessoas pertencem às diferentes religiões (ou Igrejas);
•    Propiciar um encontro inter-religioso aberto aos familiares;
•    Promover palestras com a presença de diversos líderes religiosos, que exponham o ensinamento de suas religiões acerca de determinado tema (paz, justiça, família etc.);
•    Etc.

7.    Expressar o resultado do projeto por meio de múltiplas linguagens: Exemplo: Em todas as etapas do projeto, usar gravação, fotografia, filmagem, anotações,  enfim, as linguagens que fazem parte da cultura dos alunos e que sejam acessíveis na escola. Montar no final uma documentação dos resultados do projeto e uma forma de apresentar as conclusões.
   
Por fim é preciso avaliar se a turma ampliou o conhecimento acerca do tema trabalhado, se vivenciou o processo de descoberta das soluções para a problemática inicial e se cresceu na capacidade de refletir, resolver questões, conviver e trabalhar coletivamente. 

Sugestão de projeto interdisciplinar de Ensino Religioso para séries iniciais


Título – Minha música favorita
Anos/séries – alfabetização
Tempo – de 2 a 3 meses
Objetivos didáticos: socializar o conhecimento já adquirido pelas crianças que frequentam uma religião (ou igreja), conhecer ensinamentos das diferentes religiões (contidos nas músicas) exercitar a escrita, a leitura, a memorização...
Objetivos pedagógicos: exercer a capacidade de apresentar o próprio conhecimento por meio da voz e da melodia, vivenciar o trabalho coletivo, a aceitação, o respeito e a percepção do diferente e do direito e dignidade do outro... Uso de múltiplas linguagens artísticas na reelaboração do conteúdo...

Passos

•    Preparar um lugar de destaque (palquinho), na própria sala, para apresentações.
•    Convidar as crianças a cantarem músicas de suas respectivas comunidades de fé.
•    Pedir que a crianças ditem as letras e escreve-las no quadro.
•    Evidenciar os pontos comuns de crença entre as diferentes religiões (ou igrejas) representadas pelas músicas.
•    Conversar sobre a existência de diferentes igrejas e religiões e a importância da amizade, do respeito e da solidariedade entre elas.
•    Trabalhar gramaticalmente os elementos da música.
•    Criar gestos que acompanhem as músicas.
•    Propor desenhos daquilo que cada um imagina ao ouvir uma das músicas.
•    Elaborar um livrinho com as produções da sala.
•    Gravar uma fita ou organizar uma apresentação das músicas cantadas pela turma.

Dinâmica para o início das aulas

Há muitos alunos novos na sala neste ano? Que tal criar um clima favorável e ajudar a turma veterana a integrar os novos? Uma dinâmica divertida pode dar o toque necessário para a descontração e a queda das barreiras e dos temores.
Durante a narrativa da história a turma deve fazer gestos a cada vez que aparecerem as palavras:
Paz – um aperto de mão.
Amor – bater palmas três vezes.
Sorriso – uma gargalhada.
Boas-vindas – um abraço em todos os colegas. 
Incentive e turma a fazer os gestos com rapidez, sem retardar o ritmo da narrativa, procurando pessoas diferentes a cada vez que o gesto se repetir.

Narrativa
Era uma vez uma pessoa chamada Amor.
Aquela pessoa chamada Amor sonhava sempre com a paz.
Certo dia, descobriu que a vida só teria sentido quando ele encontrasse a paz.
E foi exatamente naquele dia que o Amor saiu à procura da Paz.
Chegou no local onde ia todos os dias e encontrou os amigos com um sorriso nos lábios.
Então, Amor começou a perceber que o sorriso dos amigos comunicava paz.
E percebeu que a paz existe no íntimo de cada pessoa e para vê-la, basta aprender a dar um sorriso.
No mesmo instante, seus amigos perguntaram juntos: Amor, ó Amor! Você sabe onde está a paz?
Ao que ele respondeu: “sim, encontrei a paz. Ela existe dentro de cada um de nós. Basta sabermos dar um sorriso”.
Então, todos os que têm amor tragam a paz e o sorriso para cá.
E assim, todos ouçam cada um dizer: Boas vindas!

Reflexão
Peça aos alunos que façam memórias das principais palavras usadas na dinâmica.
Liste-as no quadro.
Organize a turma em duplas ou trios e sugira que escolham uma das palavras e, a partir dela, formulem uma frase sobre aquilo que desejam para a turma no novo ano.
Conclua a dinâmica com a apresentação dos desejos e a escolha de um canto popular que todos conheçam e que melhor represente o desejo da turma.


Professor Antonio Augusto Martins
Professora de Ensino Religioso em Amarinópolis - GO




Fonte: Diálogo 45 - Fev/2007
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

IX Simpósio de ER
A temática proposta objetiva a reflexão sobre os novos desafios da educação contemporânea e da formação docente
Imprimindo marcas na História
A sexualidade é uma das energias que movem os seres humanos e as culturas em um fascinante jogo
Currículo, um rio em movimento
O currículo de Ensino Religioso é como um grande rio que condensa águas de inúmeros afluentes formados por uma infinidade de nascentes
Lei Nº 9475, de 22 de julho de 1997
Dá nova redação ao Art. 33 da Lei Nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
Onde nos chamam
Uma escola estadual com 3.800 alunos, da periferia de uma cidade da Grande São Paulo (SP), sofria depredações e tinha os professores intimidados por um grupo de jovens que se intitulavam Turma do Poder.
Início Anterior 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados