Sairé, antigo ritual da lua

Data de publicação: 17/09/2014

A segunda semana de setembro atrai o olha da mídia para a cerimônia de Sairé na praia de Alter-do-Chão, perto de Santarém (PA). Nos três dias de festa, sexta, sábado e domingo, são reavivados os mitos, as crenças e as danças da Amazônia. Porém, o ponto mais alto é a procissão e a ladainha, resultado do sincretismo de crenças cristãs e indígenas.

Dois mil anos atrás habitavam a baía do rio Tapajós, hoje praia Alter-do-Chão, os índios Tapaiús, prováveis descendentes do povo que deixou sinais há mais de 11 mil anos nas grutas de Monte Alegre (PA). Em 1659, os missionários jesuítas chegaram até a aldeia. Ao virem para ficar, em 1661, foram saudados com mastros repletos de frutas e peixes sobre brasas.

Com o passar do tempo  e o avanço da colonização, a aldeia Taipú tornou-se missão jesuítica e depois vila, e os ritos indígenas foram sincretizados. Um deles foi o ritual do Çairé, saudação tupi de boas-vindas, dirigidas à lua cheia pelas mulheres que dançavam ao redor de um arco de cipó trançado e ornado com algodão, flores e fitas tecidas no tear. Aos poucos, a ladainha em latim calou as cantilenas à mãe lua, o arco circular foi substituído pela réplica do brasão dos colonizadores, criada pelos índios Boraris e hoje seu simbolismo remete ao relato bíblico do dilúvio e à Santíssima Trindade. A palavra Tupi Çairé foi traduzida para Sairé.

O sincretismo das cerimônias indígenas e cristãs resultou na religiosidade popular do Sairé. Porém as frutas que ornam os mastros da festa e a refeição fraternal com peixes mostram com os índios recebiam visitantes e provam que valores fundamentais da tradição indígena resistem ao processo de sincretismo do passado e e do presente.

Fonte: Diálogo 51 - Ago/2008
Postado por: Diálogo




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Antonio Conselheiro
Um beato e sua palavra. Estou falando de Belo Monte (BA), e seu líder religioso Antônio Conselheiro
A quadrilha
No Brasil, temos vários ciclos artísticos-culturais, com manifestações características
Fraternidade e Políticas Públicas
Anualmente a Igreja Católica no Brasil promove a Campanha da Fraternidade, que tem início no período quaresmal e se estende ao ano todo. “Fraternidade e Políticas Públicas” foi o tema escolhido para a Campanha de 2019.
O segredo das grandes águas
Uma aldeia Kaingang vivia à margem de um sereno rio que os índios chamaram Iguaçu (grandes águas).
O Bricoleur sagrado contemporâneo
Pelo menos 26% da população brasileira adulta já passou por uma conversão religiosa.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados