BUSCA

Notícias

Setembro amarelo

Data de publicação: 09/09/2021

"Dia 10 de setembro, estipulado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), organiza nacionalmente o Setembro Amarelo, com o mote: “É preciso agir”, com esse mesmo objetivo da informação e prevenção.

Suicídio é o ato de tirar a própria vida intencionalmente. O Catecismo da Igreja Católica ensina: “Cada qual é responsável perante Deus pela vida que Ele lhe deu, Deus é o senhor soberano da vida; devemos recebê-la com reconhecimento e preservá-la para sua honra e salvação das nossas almas. Nós somos administradores e não proprietários da vida que Deus nos confiou; não podemos dispor dela. O suicídio contraria a inclinação natural do ser humano para conservar e perpetuar a sua vida. É gravemente contrário ao justo amor de si mesmo. Ofende igualmente o amor do próximo, porque quebra injustamente os laços de solidariedade com as sociedades familiar, nacional e humana, em relação às quais temos obrigações a cumprir. O suicídio é contrário ao amor do Deus vivo. Se for cometido com a intenção de servir de exemplo, sobretudo para os jovens, o suicídio assume ainda a gravidade do escândalo. A cooperação voluntária no suicídio é contrária à lei moral”.

Mas o Catecismo ensina que muitas vezes essa culpa é atenuada ou mesmo nem existe: “Perturbações psíquicas graves, a angústia ou o temor grave duma provação, dum sofrimento, da tortura, são circunstâncias que podem diminuir a responsabilidade do suicida. Não se deve desesperar da salvação eterna das pessoas que se suicidaram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, oferecer-lhes a ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida” (CIC 2280-2283).

É necessária, sobretudo na família, a observação. Os pais precisam perceber as mudanças de comportamento dos filhos, os sinais de algum problema.

Quem pratica o suicídio não quer o mal, mas quer fugir de um mal. As causas do suicídio são diversas, por exemplo, a depressão, o abuso sexual na infância, alta recente de internação psiquiátrica, doenças incapacitantes, impulsividade, agressividade, isolamento social, suicídio na família, doenças mentais, baixa autoestima, tristeza constante, distorção da imagem corporal, dificuldade com pessoas da mesma idade, insegurança, queda no desempenho escolar, crises de raiva, atração por comportamento de risco, etc.

A dependência das drogas é também muitas vezes a causa de suicídios. A Igreja oferece sua ajuda através da Pastoral da Sobriedade, como resposta de prevenção e recuperação da dependência química. E a religião vem oferecer o alívio e o conforto espiritual para se sair da crise que poderia levar ao suicídio, através da oração, da união com Deus e a confiança filial nele, do amor ao próximo, da vida santificada na família, através da harmonia e do amor, da fuga do ócio através da ocupação e do trabalho."

 

Dom Fernando Arêas Rifan

Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney

 

Fonte:

Setembro amarelo - CNBB

 

 

Paulinas Editora, sempre atenta, acaba de lançar o livro MENTE SUICIDA: RESPOSTAS AOS PORQUÊS SILENCIADOS, do nosso autor destaque do mês, Padre Lício de Araújo Vale. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o suicídio é a terceira causa de morte de jovens brasileiros entre 15 e 29 anos, o que não se coaduna com o sofisticado instinto de sobrevivência do ser humano, com a estrutura neurofisiológica sempre pronta a responder agilmente quando estamos em perigo. As pessoas próximas costumam ficar perplexas, procurando por explicações e justificativas para o inexplicável, o absurdo. Escrito em linguagem simples e acessível, este livro pretende apresentar indicações que ajudem pais, professores e profissionais de saúde a perceber se um adolescente está passando por um momento conturbado, com depressão, estresse, ansiedade ou outro transtorno, e apontar os passos essenciais para o apoio emocional e a prevenção ao suicídio em lares e escolas. Também oferece orientações àqueles que perderam um ente querido, para que aceitem e superem essa dor tão profunda, e àqueles que os acompanham, para que se solidarizem da forma que for possível, evitando comentários vãos, suposições vazias e acusações levianas. Com espaços para anotações, permite que o leitor possa desfrutar de uma conexão consigo mesmo e seus sentimentos, de modo a reelaborá-los e transformar a dor em amor.

Fonte: CNBB
Postado por: admin_editora


Compartilhe este conteúdo:



Comentários


Deixe seu comentário


Veja Também

Em memória de Bernard Sesboüé
Teólogo e sacerdote jesuíta Bernard Sesboüé faleceu aos 92 anos

No caminho do Reino com Pe. Zezinho, scj
Embarque nesta jornada pelo “Caminho do Reino com Pe. Zezinho, scj” e contemple as maravilhas que vêm de Deus, pois o seu Reino está perto... está dentro de nós. Que a sua luz e a sua força nos conduzam pelos caminhos que nos levam ao encontro de Jesus

Paulinas celebra os 50 anos do Mês da Bíblia
Esta obra objetiva celebrar o jubileu de ouro do Mês da Bíblia, contemplando o passado (1971-2021), mas também apresentando novos desafios e perspectivas para a área bíblica nos nossos dias.

II Congresso Online Catequese Paulinas
Estamos de volta e com muitas surpresas na nossa programação.

90 anos de caminhada de Paulinas no Brasil
A abertura das celebrações se dará com uma missa especial na Catedral da Sé.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados