BUSCA

Notícias

O PEQUENO PRÍNCIPE chega aos 75 anos

Data de publicação: 24/06/2022

O livro O PEQUENO PRÍNCIPE é a segunda história mais traduzida do mundo, ficando atrás apenas da Bíblia.

A exposição "À la Rencontre du Petit Prince", ou ao encontro do Pequeno Príncipe, exibida no Museu de Artes Decorativas, em Paris, reúne correspondências, fotos e desenhos que remontam a vida de seu autor, o escritor, aviador, ilustrador e jornalista Antoine de Saint-Exupéry.

Um dos destaques é o manuscrito original do livro, raridade mantida na Biblioteca e Museu Morgan, em Nova York, e que nunca havia sido exposta antes na França.

A obra foi escrita em 1942 em Nova York, na época em que o escritor morou nos Estados Unidos, para onde foi com a missão de convencer o país a entrar na Segunda Guerra Mundial contra a Alemanha e junto com a França, no bloco dos Aliados.

O livro foi publicado em 1943 nos Estados Unidos, três anos antes da edição francesa, e o primeiro volume escrito e ilustrado à mão por Saint-Exupéry acabou permanecendo assim em território americano.

"O original de Exupéry revela seu processo criativo, além de curiosidades surpreendentes. A disposição das aquarelas no manuscrito mostra, por exemplo, que o autor ilustrou o livro à medida que o escrevia, e não depois do texto pronto. Ele era muito rápido na escrita, mas dedicava bastante tempo aos detalhes de seus desenhos", afirma Anne Monier Vanryb, que é a curadora da exposição, em entrevista, em Paris.

As ilustrações, muitas delas inéditas, são parte importante da mostra e revelam uma das muitas facetas de Saint-Exupéry que o acompanharam desde que ele era criança.

"Todos os elementos e personagens do livro estão presentes na vida dele desde muito cedo. Quando ele era criança, acabou lendo um livro de história natural em que uma serpente sufocava uma fera. A mesma imagem vai aparecer em 'O Pequeno Príncipe'", conta Vanryb.

Os desenhos revelam mais curiosidades sobre o processo de criação do enredo, caso da série que mostra o Pequeno Príncipe ora ao lado de um cachorro, ora de um papagaio, e até de um caramujo.

A raposa, companheira do protagonista no livro, foi a vencedora da concorrência, talvez por ser inspirada numa passagem da vida do escritor. A curadora lembra que, nos anos 1920, Saint-Exupéry teve uma raposa quando foi diretor de um pequeno aeroporto no deserto do Marrocos.

Além do desenho, que aprendeu com a mãe —o autor escrevia a ela pedindo opinião sobre as ilustrações—, a aviação é outra paixão da infância de Saint-Exupéry, passada entre Lyon, cidade francesa onde nasceu e viveu com os quatro irmãos até os dez anos, e os dois castelos de sua família de origem aristocrática.

Da mesma forma que seu personagem, o autor foi piloto e viajou o mundo. Também lutou na Segunda Guerra Mundial quando, em 1944, desapareceu durante uma missão aérea. Outra vocação que cultiva desde criança, a escrita de poemas culminou na carreira de escritor e de jornalista, com reportagens no Vietnã, na Rússia e na Espanha, onde cobriu a Guerra Civil Espanhola.

"Há essa discussão sobre quem seria o alter ego de Exupéry, o Pequeno Príncipe ou o piloto. São ambos. Assim como o livro é infantil, mas também adulto. Isso porque tudo o que Exupéry foi quando adulto já aparecia em sua infância", comenta Vanryb.

Dos 498 idiomas e dialetos para os quais "O Pequeno Príncipe" foi traduzido, 120 integram a mostra, com ênfase para as edições publicadas em 1950 e 1960 e uma alternância entre línguas de diferentes origens, do italiano e japonês ao toba, idioma indígena guaicuru da América do Sul. A edição brasileira escolhida foi a primeira publicada com capa ilustrada, em 1952.

"A ideia era exibir as traduções de todos os idiomas, mas, por causa da Covid-19, tivemos que aumentar o espaço de circulação para o público", afirma a curadora.

Ao ser perguntada se considerou a mensagem de crença na humanidade como um dos motivos para investir na exposição aberta em fevereiro deste ano, ela afirma que não. A ideia era homenagear os 75 anos da obra, que se completam neste ano. "O mundo é tão complicado, que sempre precisaremos do Pequeno Príncipe para nos lembrar do essencial."

Fonte: https://www.diariodecuiaba.com.br/ilustrado/o-pequeno-principe-chega-aos-75-anos-em-mostra-que-reve-vida-de-saint-exupery/618565

 

Paulinas Editora possui duas versões da obra em catálogo. Conheça mais em:

https://www.paulinas.com.br/produto/pequeno-principe-o-2656

https://www.paulinas.com.br/produto/pequeno-principe-o-simples-2771

 

Fonte: Diário de Cuiabá
Postado por: admin_editora


Compartilhe este conteúdo:



Comentários


Deixe seu comentário


Veja Também

Festa de Santo André Apóstolo – 30 de novembro
Em 30 de novembro, é celebrada a festa de Santo André Apóstolo, irmão de Pedro e patrono da Igreja Ortodoxa

A consolação autêntica foi o tema da catequese do Papa Francisco, na Audiência Geral, do dia 30 de novembro, realizada na Praça São Pedro
“A consolação autêntica é uma espécie de confirmação de que cumprimos o que Deus quer de nós, que percorremos os seus caminhos. É preciso aprender a ler no livro do coração o que aconteceu durante o dia"

Ana Rapha Nunes visita Paulinas Editora
Ana Rapha Nunes, autora de SETE CASAS, SETE VIDAS, esteve em São Paulo e visitou a sede de Paulinas Editora. Ela conheceu toda a equipe e foi acompanhada pela nossa diretora, Ir Ágda França, e a editora infantojuvenil, Ir Fabíola Medeiros

Três anos de beatificação do Bem-aventurado Donizetti Tavares de Lima
Data foi comemorada com celebração de ação de graças

O caminho de santidade com Dom Helder Camara
Conheça mais sobre o legado do arcebispo que está próximo de ser venerável. Paulinas Editora possui várias obras sobre Dom Helder Camara.

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados