BUSCA
Filtre sua Busca
  • Filtre sua Busca
  • Título
  • Autor
  • Assunto
  • Palavra-Chave
  • Coleção
  • Público alvo


Teologia e filosofia: problemas de fronteiras

Francisco de Aquino Júnior

Sinopse


As relações entre filosofia e teologia vêm de longa data; compõem a história das duas disciplinas desde as suas origens. Essa longa história conheceu sínteses, paralelismos e oposições. A retomada desse diálogo nos dias de hoje avalia o passado e fecunda o presente.
Esta obra dedica-se ao "esforço de superar os dualismos saber x realidade, sentir x inteligir", bem como de "contribuir com o desenvolvimento da inteligência da fé em sua riqueza e complexidade de formas e linguagens, explicitando de modo particular o lugar e a importância da mediação filosófica nesse processo".
O autor apresenta as referências diretas ou indiretas da filosofia nas teologias, acentuando a importância da "Fenomenologia" em forma hermenêutica ou práxica. As teologias da libertação trouxeram sem dúvida elementos muito positivos para a teologia, mas esta situação não deixou também de trazer elementos negativos, como, por exemplo, o fato de que normalmente há um uso não refletido nem explicitado de pressupostos filosóficos que condicionam o fazer teológico.
O autor reconhece a validade de diferentes formas de exposição na teologia e procura justificar a tarefa específica e a importância da forma conceitual/teórica na teologia, considerando, inclusive, a questão complexa da avaliação da adequação das diferentes mediações filosóficas na teologia.
O texto de Aquino Júnior é certamente uma provocação salutar à teologia contemporânea, não só por ter o mérito de retomar um debate que parecia esquecido, mas por mostrar que este debate não é para a teologia uma problemática secundária; porém, antes tematiza questões fundamentais que dizem respeito à estruturação teórica da teologia. É neste contexto que se põe a questão da filosofia na teologia como uma dimensão irrecusável. Tarefa da filosofia, enquanto discurso metódico e sistemático, é a explicitação crítica de que o homem sempre é, em sua práxis histórica, uma vez que ela se faz no horizonte de uma concepção pré-teórica do homem e do mundo, da realidade em seu todo, em última instância, o fundamento de tudo.
Como se defende no texto, o saber teológico pode ser expresso em diferentes formas e níveis, inclusive em diferentes tipos de discursos, mas, em nível último e radical, a teologia é uma hermenêutica da Palavra de Deus, sua compreensão teórica. Na ótica dos teólogos da libertação, a finalidade, por eles perseguida, é situar, na perspectiva de uma fé teoricamente esclarecida, a práxis histórica dos cristãos.


Compartilhe este conteúdo:





Produtos relacionados



Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados