BUSCA

Notícias

O PEQUENO PRÍNCIPE chega aos 75 anos

Data de publicação: 24/06/2022

O livro O PEQUENO PRÍNCIPE é a segunda história mais traduzida do mundo, ficando atrás apenas da Bíblia.

A exposição "À la Rencontre du Petit Prince", ou ao encontro do Pequeno Príncipe, exibida no Museu de Artes Decorativas, em Paris, reúne correspondências, fotos e desenhos que remontam a vida de seu autor, o escritor, aviador, ilustrador e jornalista Antoine de Saint-Exupéry.

Um dos destaques é o manuscrito original do livro, raridade mantida na Biblioteca e Museu Morgan, em Nova York, e que nunca havia sido exposta antes na França.

A obra foi escrita em 1942 em Nova York, na época em que o escritor morou nos Estados Unidos, para onde foi com a missão de convencer o país a entrar na Segunda Guerra Mundial contra a Alemanha e junto com a França, no bloco dos Aliados.

O livro foi publicado em 1943 nos Estados Unidos, três anos antes da edição francesa, e o primeiro volume escrito e ilustrado à mão por Saint-Exupéry acabou permanecendo assim em território americano.

"O original de Exupéry revela seu processo criativo, além de curiosidades surpreendentes. A disposição das aquarelas no manuscrito mostra, por exemplo, que o autor ilustrou o livro à medida que o escrevia, e não depois do texto pronto. Ele era muito rápido na escrita, mas dedicava bastante tempo aos detalhes de seus desenhos", afirma Anne Monier Vanryb, que é a curadora da exposição, em entrevista, em Paris.

As ilustrações, muitas delas inéditas, são parte importante da mostra e revelam uma das muitas facetas de Saint-Exupéry que o acompanharam desde que ele era criança.

"Todos os elementos e personagens do livro estão presentes na vida dele desde muito cedo. Quando ele era criança, acabou lendo um livro de história natural em que uma serpente sufocava uma fera. A mesma imagem vai aparecer em 'O Pequeno Príncipe'", conta Vanryb.

Os desenhos revelam mais curiosidades sobre o processo de criação do enredo, caso da série que mostra o Pequeno Príncipe ora ao lado de um cachorro, ora de um papagaio, e até de um caramujo.

A raposa, companheira do protagonista no livro, foi a vencedora da concorrência, talvez por ser inspirada numa passagem da vida do escritor. A curadora lembra que, nos anos 1920, Saint-Exupéry teve uma raposa quando foi diretor de um pequeno aeroporto no deserto do Marrocos.

Além do desenho, que aprendeu com a mãe —o autor escrevia a ela pedindo opinião sobre as ilustrações—, a aviação é outra paixão da infância de Saint-Exupéry, passada entre Lyon, cidade francesa onde nasceu e viveu com os quatro irmãos até os dez anos, e os dois castelos de sua família de origem aristocrática.

Da mesma forma que seu personagem, o autor foi piloto e viajou o mundo. Também lutou na Segunda Guerra Mundial quando, em 1944, desapareceu durante uma missão aérea. Outra vocação que cultiva desde criança, a escrita de poemas culminou na carreira de escritor e de jornalista, com reportagens no Vietnã, na Rússia e na Espanha, onde cobriu a Guerra Civil Espanhola.

"Há essa discussão sobre quem seria o alter ego de Exupéry, o Pequeno Príncipe ou o piloto. São ambos. Assim como o livro é infantil, mas também adulto. Isso porque tudo o que Exupéry foi quando adulto já aparecia em sua infância", comenta Vanryb.

Dos 498 idiomas e dialetos para os quais "O Pequeno Príncipe" foi traduzido, 120 integram a mostra, com ênfase para as edições publicadas em 1950 e 1960 e uma alternância entre línguas de diferentes origens, do italiano e japonês ao toba, idioma indígena guaicuru da América do Sul. A edição brasileira escolhida foi a primeira publicada com capa ilustrada, em 1952.

"A ideia era exibir as traduções de todos os idiomas, mas, por causa da Covid-19, tivemos que aumentar o espaço de circulação para o público", afirma a curadora.

Ao ser perguntada se considerou a mensagem de crença na humanidade como um dos motivos para investir na exposição aberta em fevereiro deste ano, ela afirma que não. A ideia era homenagear os 75 anos da obra, que se completam neste ano. "O mundo é tão complicado, que sempre precisaremos do Pequeno Príncipe para nos lembrar do essencial."

Fonte: https://www.diariodecuiaba.com.br/ilustrado/o-pequeno-principe-chega-aos-75-anos-em-mostra-que-reve-vida-de-saint-exupery/618565

 

Paulinas Editora possui duas versões da obra em catálogo. Conheça mais em:

https://www.paulinas.com.br/produto/pequeno-principe-o-2656

https://www.paulinas.com.br/produto/pequeno-principe-o-simples-2771

 

Fonte: Diário de Cuiabá
Postado por: admin_editora


Compartilhe este conteúdo:



Comentários


Deixe seu comentário


Veja Também

Papa recorda a solenidade da Assunção de Nossa Senhora que a Igreja celebra, no Brasil, no dia 21 de agosto
“Do céu, Maria olha para cada um de nós com amor maternal”. Vamos dirigir “nosso olhar para ela para que nos conduza à salvação”, disse o Papa

III Congresso online de Catequese Paulinas
Evento será realizado, de modo virtual, nos dias 13 e 14 de agosto de 2022

Livro CONTOS DE FADA DOS IRMÃOS GRIMM recebe o selo Altamente Recomendável FNLIJ 2022 – Produção 2021 da FNLIJ
Os CONTOS DE FADAS DOS IRMÃOS GRIMM foram traduzidos para cento e sessenta idiomas. Fazem parte dos livros mais conhecidos da herança cultural alemã e difundidos em todo o mundo. Conheça esta publicação de Paulinas Editora

Papa Francisco publica Carta Apostólica DESIDERIO DESIDERAVI
O texto recorda o significado profundo da celebração eucarística tal como emergiu do Concílio e convida à formação litúrgica

NOTA DE PESAR E GRATIDÃO
Páscoa definitiva de Dom Cláudio Hummes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final
Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados