Sobreviver é preciso

Data de publicação: 10/05/2015

O câncer deve atingir 22 milhões de pessoas em todo o mundo até 2030, entre eles crianças e jovens como Thulyo e Fernanda, que já enfrentam uma história de luta contra a doença

Por Karla Maria
Fotos Sonia Mele

Thulyo Savyo Souto Vasconcelos (foto) e Fernanda Oliveira Reis (foto) são portadores de sorrisos lindos e uma simpatia cativante. Ele, de Campina Grande (PB), e ela, de São Paulo (SP), têm uma história em comum: a luta contra o câncer, no caso a leucemia. Thulyo está com 18 anos e combate a doença há quase dois. Fernanda, com 14 anos de idade, faz a manutenção de seu tratamento após seis anos de quimioterapia, com uma cabeça careca e uma infância cheia de limitações – foi diagnosticada aos dois anos. Em uma tradução da linguagem médica, a doença dos dois é causada pela multiplicação desordenada de células anormais (malignas) em qualquer local do organismo, podendo estas se estenderem a outros órgãos e tecidos e, neles, também provocarem tumores (metástase). 
“As leucemias agudas são formas comuns de câncer na infância. Podemos dizer que 75% das leucemias são curáveis. Se nós pegarmos as formas mais favoráveis, chegaremos a 90%”, revela o diretor clínico do  Instituto de Tratamento do Câncer Infantil (Itaci), de São Paulo (SP), Vicente Odone. Segundo o oncologista, a leucemia em crianças é mais fácil de tratar do que em adultos, e os sintomas costumam surgir como descreve Thulyo. “Tive febre, dores no corpo. Estava comendo pouco e quando fiz exames de sangue todas as taxas estavam alteradas”, conta. Com Fernanda, não foi diferente. “Estava fraca, passava o dia deitada. O nariz sangrava, e eu ficava pálida. Quando fui diagnosticada, a gente descobriu o Itaci”, revela.

Sobrevivente – Foi ali que a menina e sua mãe, Rosa Oliveira, encontraram assistência médica e apoio psicológico. Já Thulyo e sua mãe, Sônia Maria, partiram para a Terra da Garoa com destino ao Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (Graacc). Em suas lutas, os dois não estão sozinhos. A Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica informa que 1% a 3% de todos os tumores malignos ocorrem em crianças e adolescentes. No Brasil, a cada ano são registrados 9 mil casos de câncer nesta faixa etária da população. A cada dia, em média, 24 crianças e adolescentes são diagnosticados com a doença no País.
No Brasil, a enfermidade é uma das maiores causas de mortalidade proporcional entre crianças e adolescentes de um a 19 anos, perdendo apenas para as mortes relacionadas a acidentes e à violência urbana. Fernanda é testemunha disso. “Fiz amigos no Itaci, mas muitos se foram. Da minha turma só eu estou viva. Agora, volto lá uma vez por ano para fazer exames de manutenção”, conta a garota, que passou por seis anos de tratamento com sessões de quimioterapia e atraiu muitos olhares com uma cabeça careca. “Tinha vergonha de sair na rua porque não parecia menina, e as pessoas ficavam me olhando”, desabafa.

Efeitos – Para Thulyo, o início da quimioterapia também está sendo difícil. “Na maioria das vezes, depois das sessões de químio, fico desorientado, sem fome e com náusea intensa. Só quero voltar para casa, tomar banho e dormir”, diz o jovem. Em decorrência da quimioterapia, ele foi acometido de um severo ressecamento no intestino e operado às pressas. “Estamos aprendendo a viver a cada dia”, conta com o sorriso e o sotaque típico das terras de Ariano Suassuna.
No Graacc mesmo, o paraibano prestou o vestibular para universidades federais através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mas o que deseja é terminar logo as sessões de quimioterapia, voltar para a Paraíba e estudar Engenharia Elétrica perto da família e dos amigos. Já Fernanda, a amante dos livros de romance, sonha em tornar-se médica veterinária.

Esperanças – O câncer é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) uma epidemia global devido à diversidade de fatores de risco. Estes vão desde agentes infecciosos, como a Helicobacter pylori (H-pylori), vírus HPV, hepatites, fatores ambientais, por exemplo, como radiação solar, radiações ionizantes (raios-X, entre outros), alimentação inadequada e obesidade, a fatores genéticos que contribuem com cerca de 10% dos casos. Essas inúmeras causas somadas à falta de diagnóstico precoce, especialmente em países em desenvolvimento, levam a OMS a estimar que, em 2030, 22 milhões de pessoas, por ano, serão diagnosticadas com o mal. Dessas, 13 milhões poderão morrer devido à doença. No Brasil, um estudo do Instituto Nacional do Câncer (Inca) revela que só neste ano deverão ser diagnosticados 500 mil casos da doença.
Em 2011, com o objetivo de diminuir a incidência da enfermidade, a presidente Dilma Rousseff apresentou uma Política Nacional de Atenção Oncológica. Com ela, segundo o presidente do Inca, Luiz Antônio Santini, houve um crescimento nos recursos: 149% para as cirurgias oncológicas, 144% para as radioterapias e 45% para as quimioterapias. Apesar do investimento, o País ainda enfrenta o desafio de oferecer um bom tratamento a todos os portadores de câncer. “O Brasil, em termos de atenção aos pacientes, domina toda a sequência técnica dos tratamentos necessários para um melhor cuidado aos doentes, tanto nas áreas pediátrica e adulta. A questão persiste em expandir os cuidados para toda a população. Nosso problema não é qualitativo, mas quantitativo”, avalia Vicente Odone, do Graacc, que já apresenta, segundo seu diretor, taxas de cura de leucemia compatíveis com as dos melhores centros de tratamento do mundo. Esperançosos, Fernanda e Thulyo agradecem.




Fonte: Familia Crista ed. 952 abril 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doença celíaca
Doença do intestino delgado, autoimune, crônica, causada por uma reação ao glúten
TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados