Educar a criança na fé

Data de publicação: 19/05/2015

Nathan Xavier

Os pais devem educar as crianças nas crenças da família, pois a fé é importante para o indivíduo, até como expressão da cultura e valores



Muitos pais ficam na dúvida se educam os filhos em sua própria fé ou se esperam eles crescerem para fazer as próprias escolhas. Mas será que isso é bom? Há alguns que, por exemplo, não batizam os filhos quando bebê, para deixar que a própria criança decida o que fazer depois que tiver a capacidade para isso. Porém, Teresa Messeder Andion, psicopedagoga clínica e uma das diretoras da Associação Brasileira de Psicopedagogia, diz que não faz sentido, se os pais professam uma religião, não ensiná-la aos filhos. Ela afirma que é dever dos pais educar e orientá-los para que tenham uma vida saudável em todos os níveis: físico, afetivo, moral e também religioso. “A família é a base de tudo na vida.”
Teresa Andion explica que a psicopedagogia trabalha hoje com configurações familiares diferentes, não necessariamente compostas por pai, mãe e filhos, mas “é preciso que esse núcleo familiar seja estruturado, com respeito e de bases sólidas. A educação ‘de casa’ é a construção do sujeito para a vida toda. A criança constrói conhecimento na escola, mas a tarefa de educação é da família”.
O Catecismo da Igreja Católica orienta na mesma direção da especialista e é enfático em destacar que os pais são os primeiros educadores da criança em todos os aspectos. O documento ressalta “em primeiro lugar” a responsabilidade dos pais “pela criação de um lar no qual a ternura, o perdão, o respeito, a fidelidade e o serviço desinteressado são a regra”, antes mesmo da religião. Somente alguns parágrafos adiante é que o Catecismo fala sobre a educação na fé, no entanto, sem menosprezar sua importância: “Os pais têm a missão de ensinar os filhos a orar e a descobrir sua vocação de filhos de Deus”.

Educar na fé − Teresa Andion ressalta que a fé é importante para o indivíduo, até como expressão da cultura, e os pais devem educar as crianças nas crenças da família. “Eu penso no sujeito como um triângulo: físico, material e também espiritual. Nesse contexto as escolas confessionais ajudam bastante”, define a psicopedagoga. A especialista acredita que colégios que possuam ensino religioso ou escolas confessionais, seja de que religião for, fornecem uma preparação melhor que outros: “Acho muito importante, mas isso não isenta a família de dar a formação religiosa necessária para aquela criança”. Ela explica que se, mais tarde, o adolescente quiser mudar de religião (ou não tiver nenhuma), ele terá mais base para fazer essa opção com mais consciência do que se não tivesse sido apresentado a nenhuma. Nesse momento, a família também deve dar o suporte necessário, sempre com muito diálogo, entendendo a escolha, sem necessidade de entrar em conflito direto com a nova crença do filho.
Para os cristãos, o batismo tem um valor grande, que excede uma compreensão material das coisas. Porém, caso a família não tenha nenhuma religião, de fato, há pouco sentido em se batizar ou iniciar a criança em alguma fé, já que para os próprios pais o batizado ou uma religião específica não faz sentido algum. Teresa afirma que, nesse caso, “é preciso ter um diálogo com a criança, depois que ela ficar um pouco maior, sobre a escolha da família, os motivos dessa opção”. Por isso, a psicopedagoga ressalta que a escolha de uma escola que tenha a mesma filosofia dos pais é importante, para que um não entre em choque com o outro. “Os pais precisam saber como o colégio funciona, no que acreditam, se existe ensino religioso ou não, para que não aconteçam atritos entre o que a escola ensina e no que os pais acreditam.”
O escritor, filósofo e poeta Gilbert K. Chesterton, ao tomar conhecimento de pais que não queriam ensinar nenhuma religião aos filhos, com receio de influenciá-los, afirmava que “a responsabilidade de encaminhar a infância pertence ao adulto, pela relação existente entre este e a criança, completamente aparte das relações de religião e irreligião”. E, do seu jeito irônico, completava que, se quisessem que os filhos não tivessem nenhuma influência religiosa, os pais deveriam “isolar o filho em uma ilha deserta e ali educá-lo”. E continua: “Se a criança, quando for maior, pode preferir outro credo, é igualmente certo que pode preferir outra cultura”. E finaliza: “Mas, evidentemente, alguém teve que educá-la para chegar a esse estado de lamentar tal ou qual coisa; e a responsabilidade mais grave de todas é talvez a de não guiar a criança a nenhum fim”.




Fonte: FC ediçao 951-MAR 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados