Os dez mandamentos

Data de publicação: 31/05/2015

Escritos por Deus nos corações, os princípios bíblicos de justiça e amor imprimem retidão aos caminhos humanos

Por Maria Inês Carniato, fsp*

“Deus escreve certo por linhas tortas”, diz o ditado, quando uma ação questionável tem resultados positivos. É um modo bem-humorado de recordar o interesse evidente, personalizado e constante que Deus dedica à vida humana. A verdade, porém, é que a Bíblia confirma essa ideia no livro do Êxodo: “Tendo acabado de falar a Moisés na montanha do Sinai, Deus lhe entregou as duas tábuas da aliança. Eram tábuas de pedra, escritas com o dedo de Deus” (Ex 31,18).

Onde Deus escreve –
Conforme a linguagem poética e simbólica da fé bíblica, o Criador modelou o ser humano com as próprias mãos. Diz o Gênesis: “Então o Senhor Deus formou o homem do pó da terra, soprou-lhe nas narinas  o sopro de vida, e ele tornou-se um ser vivente” (Gn 2,7). As mesmas mãos divinas escreveram no coração humano as atitudes necessárias para respirar sob o seu “sopro de vida”, viver bem e ser feliz.
Ao se revelar a Moisés no monte Sinai, Deus se apresentou como libertador: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirou do Egito, da casa da escravidão” (Ex 20,2). O Deus que ouve os clamores dos humilhados e vem libertá-los é diferente da dos ídolos, que não escutam a voz de quem sofre nem têm compaixão dos oprimidos.  
Quando o apóstolo Paulo quis atualizar os dez mandamentos dados por Deus a Moisés no monte Sinai, aplicando-os à vida cristã dos coríntios, não achou símbolo melhor do que este: “Todo o mundo sabe que sois uma carta de Cristo, redigida por nosso intermédio, escrita não com tinta, mas com o Espírito de Deus vivo, gravada não em tábuas de pedra, mas em tábuas que são corações humanos” (2Cor 3,3). Segundo Paulo, Deus escreveu nos corações o abc da vida simples, da justiça, da paz e do amor, os segredos universais de felicidade.

Linhas tortas e retas –
A injustiça e todo tipo de maldade praticada no meio dos povos, das famílias e dos indivíduos justificam a certeza de que o pecado entortou a retidão original do ser humano. Por isso, tantas pessoas vão riscando linhas tortas por onde passam, vivem e fazem os outros viverem confusos, e sem rumo. Com os dez mandamentos, Deus aplainou todos os caminhos que levam para os abismos da frustração e os sinalizou na direção da vida feliz.
Longe de tolherem-lhe o direito de ser livre, os mandamentos distanciam o ser humano da escravidão ao pecado e o orientam na direção da liberdade, como disse o profeta Miqueias ao povo de Israel: “Já te foi indicado, ó homem, o que é bom, o que o Senhor exige de ti. É só praticar a justiça, amar a misericórdia e viver humildemente com o teu Deus” (Mq 6,8).

Vida atual –
Oseias, falando em nome de Deus, identifica os motivos da falta de fidelidade e de amor no meio do povo de Israel. Escreve o profeta: “Juram falso, mentem, matam, roubam, cometem adultério, cometem assassinatos um atrás do outro. Por isso é que o país está todo abatido e seus cidadãos estão murchos. Os animais silvestres, as aves do céu e até os peixes do mar estão desaparecendo” (Os 4,2-3). A preocupação ética e ecológica do profeta poderia ter sido escrita no século 21 sem que perdesse sua completa atualidade.
A Declaração Universal dos Direitos Humanos, elaborada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948, comprova que as atitudes de proteção da vida, propostas pelos dez mandamentos, são valores humanos universais perenes. Crentes de todas as tradições religiosas e pessoas não crentes reconhecem que eles estão “inscritos nos corações”.

Destacamos aqui fragmentos da Declaração, que, sem os mencionar, confirmam a atualidade dos dez mandamentos:

Artigo 1°–
Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência, devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade.

Artigo 3° –
Todo indivíduo tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal (5º mandamento – Não matar).

Artigo 11° –
Toda pessoa acusada de um ato delituoso presume-se inocente até que a sua culpabilidade fique legalmente provada no decurso de um processo público em que todas as garantias necessárias de defesa lhe sejam asseguradas (8º mandamento – Não levantar falso testemunho).

Artigo 16° –
A partir da idade núbil, o homem e a mulher têm o direito de casar e de constituir família, sem restrição alguma de raça, nacionalidade ou religião. Durante o casamento e na altura da sua dissolução, ambos têm direitos iguais. O casamento não pode ser celebrado sem o livre e pleno consentimento dos futuros esposos. A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e tem direito à proteção desta e do Estado (4º, 6º e 9º mandamentos – Honrar pai e mãe; Não pecar contra a castidade; Não desejar a mulher do próximo).

Artigo 17° –
Toda pessoa, individual ou coletiva, tem direito à propriedade. Ninguém pode ser arbitrariamente privado da sua propriedade (7º e 10º mandamentos – Não roubar; Não cobiçar as coisas alheias).

Artigo 18° –
Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou de convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos (1º mandamento – Amar a Deus sobre todas as coisas).

Artigo 24° –
Toda pessoa tem direito ao repouso e aos lazeres, especialmente a uma limitação razoável da duração do trabalho e a férias periódicas pagas (3º mandamento – Guardar domingos e festas).
Se nos tempos bíblicos os contextos sociais, econômicos, religiosos e culturais eram contrários à prática dos valores humanos universais, o que exigiu do povo de Israel que os respeitasse como vindos de Deus, atualmente, contextos semelhantes ainda evidenciam o quanto eles são válidos e necessários para todos os tempos e regiões da terra, em todas as culturas e sociedades. 

* Maria Inês Carniato, fsp, é Irmã Paulina e mestra em Teologia




Fonte: Edição 945, setembro de 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Medo do doutor?
Como ajudar as crianças a superarem o receio de consultas médicas e odontológicas.
Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados