O amor é o melhor conserto

Data de publicação: 05/08/2015

Martelo, graxa, cola, dedicação e amor são alguns dos instrumentos de Meire Cunha, que ao longo da vida conserta sapatos e capítulos de sua história

Texto: Karla Maria
Fotos: Silvio César

Meire Cunha há mais de 40 anos atende atrás daquele balcão de madeira, sempre rodeada por caixas de sapatos. Por ali, também estão memórias de sua história: o berrante que o marido já falecido, Osvaldo Cunha, tocava e, nas paredes, matérias de jornais locais emolduradas com a história de sua vida e a de sua Sapataria Cunha.
E foi ali mesmo, detrás de um dos balcões mais tradicionais de Guarulhos (SP), entre um cliente e outro de um sábado agitado, que a mulher de 63 anos, a sapateira, contou sua história. Natural do Tatuapé, bairro da zona leste de São Paulo (SP), Meire chegou à cidade vizinha em 1954, quatro anos depois de inauguradas as Rodovias Presidente Dutra e Fernão Dias. Eram tempos de aproximação das duas grandes cidades, um momento histórico de aceleração industrial no País, e a conexão com o estado do Rio de Janeiro também crescia pelas rodovias.
Momento histórico e também de aceleração na vida de Meire. Desde os nove anos, a menina já trabalhava com calçados, e tudo começou de um modo peculiar. Conta que tinha sido desobediente a uma vizinha e, como punição, a mãe a colocou de castigo. “Arrumei uma confusão na rua e minha mãe disse assim, ‘ao invés de você ficar fazendo confusão à tarde, você vai ajudar aquela senhora gratuitamente’, e ali iniciei o meu relacionamento com a costura de sapatos”.
Assim começou a se apaixonar pela costura de roupas e depois de sapatos. Passou também, aos poucos, a se apaixonar por Osvaldo. O rapaz tinha 18 anos e trabalhava em Guarulhos, fabricando e consertando sapatos. Foi em um local onde havia o serviço de pespontaria que se conheceram. Ambos iam até lá para costurar seus sapatos e o que se vê é que foi ali também que costuraram suas histórias.
O namoro começou. Ela tinha 12 anos e, depois de cinco, se casaram com a autorização dos pais dela. “Meu pai teve de ir ao cartório”, conta Meire, com sorriso fácil, um olho para a repórter e o outro nos clientes que encostavam a barriga em seu balcão.
Os colegas de trabalho se casaram. “Vimos que juntos éramos melhores e mais fortes”, relata Meire. Os jovens juntaram as escovas, os sapatos e os passos. Da união nasceu Edson, o filho único que o casal perdeu em 1995. Mas essa não foi a única perda de Meire. Há cinco anos, em 2010, Osvaldo também morreu, vítima de um câncer. Seu corpo se foi, mas seu conhecimento e seu amor pela família e pela sapataria, ao que parece, permanecem bem vivos.
“Ele deixou o preposto dele”, disse a sapateira apontando para Alex Oliveira, de 29 anos, um rapaz tímido que divide balcão, paixão e máquinas com Meire há 14 anos. “O Alex trabalhou com ele (Osvaldo) por muitos anos, não é meu filho, mas é do coração, porque ele conviveu desde criança e pegou todas as manhas... Se fosse meu filho talvez não tivesse absorvido tanto o nosso conhecimento neste ramo como ele absorveu”, conta orgulhosa.
Alex não é filho biológico do casal, mas herdará a sapataria. É casado com Ana Paula e tem uma filhinha, a Vitória. “Cheguei aqui e fui tratado com muito carinho, comecei a gostar do trabalho. Primeiro eu comecei varrendo o chão e fui me aperfeiçoando”, conta Alex, que antes nunca pensara em cuidar de seus sapatos, quanto mais consertar os de terceiros.


Raridade –
Alex é uma raridade: são poucos os jovens que hoje em dia pretendem trabalhar com a profissão que é uma das mais antigas que se têm registro. Tão importante que, desde 1300, comemora-se o Dia do Sapateiro em 25 de outubro. Alex tem mais a comemorar.
“Dona Meire e senhor Cunha são como meus pais. Ele era como um pai para mim. Eles me deram aquilo que meu pai e minha mãe não tiveram comigo. Aqui me sinto em família, é um amor incondicional. Não é só trabalho”, desabafa, nitidamente emocionado.
Alex aprendeu a ser sapateiro trabalhando no dia a dia. Não teve um curso específico para tal, mas a professora ensinou o oficio. “É preciso dedicação, porque é um conserto, então, a cada dia surge uma maneira diferente de consertar, surgem novos tipos de sapatos e materiais, por isso é necessário, além da habilidade, se atualizar sempre”, conta dona Meire.

Cultura do descartável – Meire não conhece Francisco, o papa, mas ambos compartilham ideias semelhantes sobre a cultura do descartável. Na ambição de possuírem bens, independentemente da qualidade e do impacto que os objetos causam ao meio ambiente, as pessoas estão cada vez mais comprando, consumindo desenfreadamente, acumulando, e isso acontece também com os sapatos.
“Um sapato feito há 30, 40 anos durava de 15 a 20 anos. Ele passava da irmã mais velha para a mais nova. Era a cultura do cuidado, do preservar, hoje não, porque a indústria trabalha visando a vender sempre mais. Hoje eu conserto mais sapatos novos do que velhos”, conta Meire.
“Sou sapateira e estudei para isso também, e não é que não tive opções não”, revela a mulher, que é formada em Corte e Costura, em Design de Sapatos e bacharel em Direito. “Tudo o que fiz foi para aprimorar o meu conhecimento na sapataria. Faço ainda e faria, porque eu amo isso.”
Ela não para, participa de cursos na indústria calçadista, no Amazonas, em São Paulo e no Rio Grande do Sul, de feiras e exposições, conversa com fabricantes para entender e conhecer o material, a tinta, a composição dos sapatos que vão surgindo. “Há alguns anos, por exemplo, a sola era de borracha ou de plástico, hoje não, existem solas de plástico e borracha, então você tem que conhecer para saber que tipo de material utilizar para o conserto. É preciso acompanhar o mercado”, afirma.
Meire é inteligente, prática, carismática e comunicativa. Sabe lidar com velhos contratempos ainda bem contemporâneos, como o preconceito por ser uma sapateira mulher. “A maior parte dos clientes chega aqui e pede para falar com o sapateiro, eu digo: ‘pode falar’. A mulher parece não ter credibilidade, porque na verdade os profissionais, na maioria são homens, então há clientes que desconfiam”, conta.
A sapateira formou cerca de 50 profissionais e, segundo ela, dentre estes, nenhuma mulher, e apenas 10% levaram amor na arte de consertar sapatos. Gabriel Ramos tem 18 anos e é uma de suas apostas. “Eu gosto de trabalhar aqui, estou aprendendo bastante. Quero continuar nesta profissão”, aponta o jovem, z que está aprendendo a receita da dedicação e do amor.
O amor que move a sapataria parece até ser a continuidade do amor que Meire nutriu por seu marido, o senhor Cunha. “Ele amava isto aqui, então é uma forma de eu perpetuar a minha ligação com ele. Para mim, ele continua aqui”, conta a mulher, atrás de seu balcão.







Fonte: Edição 954,junho 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Em busca
Angelita Ribeiro da Silva, aos 33 anos e com oito filhos, ruma ao Norte do Brasil em busca de melhorias
Uma vida para servir
Sérgio Canto Rabello, 83 anos, uma vida dedicada à sociedade, hoje em especial, às crianças
Edição 914,fevereiro de 2012
Edição 914,fevereiro de 2012
Edição de janeiro 2012
Edição 913, janeiro de 2012
Edição de dezembro 2012
Edição 924, dezembro de 2012
Início Anterior 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados