Aqui, ninguém toca

Data de publicação: 07/08/2015

A regra aqui ninguém toca orienta a criança a, sem medos ou futuros traumas sexuais, defender-se de violência sexual e a zelar pelo próprio corpo

Por Karla Maria e A. Edson

Em 18 de maio o Brasil celebra o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Celebrou, mas ainda não teve muito a comemorar em função da vulnerabilidade que envolve suas crianças. Segundo dados de 2011, quando se tornou obrigatório o registro do tipo de violência sofrida por pacientes atendidos nos estabelecimentos de saúde do País, o Ministério da Saúde apurou que o abuso sexual é o segundo tipo de violência mais comum que afeta crianças de até nove anos de idade. Entre pré-adolescentes de 10 a 14 anos, esse tipo de violência fica atrás apenas das notificações de negligência e abandono. Já entre adolescentes de 15 a 19 anos, a agressão sexual ocupa o terceiro lugar. O pior de tudo é que, na maioria das vezes – 64% segundo as estatísticas –, os abusos acontecem dentro da própria residência, e os agressores convivem próximo à vítima, como os pais, parentes, amigos ou vizinhos.
Segundo as estatísticas, o abuso sexual é um fantasma que, além de assustar crianças, na maioria das vezes indefesas, assombra pais e mães, levando-as a terem mais motivos para a cada dia desconfiar de qualquer um que se aproxime de seus filhos. Por isso, as campanhas de prevenção, todas bem-intencionadas, se multiplicam. E uma delas, com a regra denominada “Aqui ninguém toca”, poderia ser mais uma não fosse por um detalhe: orienta as crianças a, sem medos ou futuros traumas sexuais, zelar pelo próprio corpo. A iniciativa do Conselho da Europa, organização voltada para a defesa dos direitos humanos, é um guia para pais e educadores e uma ferramenta eficaz para prevenir abusos sexuais. Baseada no diálogo, ela orienta os adultos a conversarem com a criança através de quatro tópicos:


O seu corpo é só seu 

Ensinar à criança que ela é dona de seu corpo e que ninguém pode tocar nele sem a sua autorização. É importante dizer isso de forma aberta e direta, empregando nomes corretos para os órgãos genitais e outras partes do corpo. Isso ajudará as crianças a compreender o que não é permitido. A criança pode recusar que as pessoas a beijem ou toquem nela, mesmo que sejam pessoas de que ela gosta. Por isso é necessário ensinar a dizer “não” de forma firme a contatos físicos impróprios, a fugir de situações perigosas e a contar o que se passou a um adulto de confiança. Diga à criança que ela deve insistir até alguém levar o assunto a sério.


Contato físico

Crianças nem sempre diferenciam um contato físico aceitável de outro inaceitável. Ensine a criança a não aceitar que outros a vejam ou toquem suas partes íntimas. Ou ainda que outros peçam a ela para ver ou tocar nas de outra pessoa. A regra “Aqui ninguém toca” ajuda a criança a estabelecer uma fronteira fácil de memorizar: a roupa interior. A criança deve aprender a recusar que lhe toquem por baixo da roupa íntima.Também é recomendável que o adulto comece a falar sobre esse tema com os filhos. Certifique-se de que a criança sabe pedir ajuda a um adulto de confiança sempre que tiver dúvidas sobre o comportamento de alguém. Os pais podem explicar aos filhos que, em certas situações, alguns adultos (como médicos) podem precisar tocar neles, mas devem ser encorajados a dizer “não” quando se sentirem incomodados.


Prevenção e proteção

Quando sujeita a abusos, a criança sente vergonha, culpa e medo. Assim, os adultos devem estar receptivos aos sentimentos e comportamentos da criança, que deve ter confiança para falar sobre qualquer assunto com os pais.


Segredos

O segredo é a principal tática dos agressores. Por esse motivo é importante criar um clima de confiança e ensinar à criança a diferença entre segredos bons e segredos maus. Todos os segredos que geram ansiedade, desconforto, medo e tristeza não são bons nem devem ser guardados. Pelo contrário, devem ser contados a um adulto de confiança (pais, professores, responsáveis etc.). A criança deve saber selecionar e identificar os adultos confiáveis e também saber como procurar a ajuda desse círculo de confiança.


Ninguém nasce pronto
Para a psicopedagoga Thaís Rufatto dos Santos, consultora em Educação Inclusiva, a regra “Aqui ninguém toca” é um caminho interessante para pais e educadores conscientizarem as crianças a respeito do abuso sexual, pois ninguém nasce pronto. “A começar pelos pais, que estão em constante processo de informação, evolução e transformação para lidar com a realidade do abuso sexual. Os adultos devem sempre buscar informações que vão ao encontro dessa ameaça real, como filmes educativos, livros e materiais paradidáticos”, afirma a especialista, para quem a regra “Aqui ninguém toca” é subsídio útil. “Ao orientar que partes do corpo da criança ‘cobertas pela roupa’ não devem ser tocadas por outras pessoas e que o corpo, afinal, pertence a elas, essa iniciativa previne o abuso sexual não só junto à população europeia, mas a de todo o mundo. O material lúdico criado pelo Conselho da Europa pode e deve ser usado aqui”, aconselha.

Acesse ao livro:
http://www.underwearrule.org/Source/PT/Book_pt.pdf





Fonte: Edição 954
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doença celíaca
Doença do intestino delgado, autoimune, crônica, causada por uma reação ao glúten
TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados