Décimo mandamento

Data de publicação: 31/08/2015

 Por Maria Inês Carniato, fsp *

 “Não cobiçar as coisas alheias”

 “Mãe, por que o bife dele é maior do que o meu?”, protesta a menina de 4 anos, à mesa, com o olhar acusador para o prato do irmão. O comportamento das crianças revela a tendência humana a acumular mais posses do que os outros. Quem as observa enquanto brincam com frequência ouve a afirmativa “é meu!”, acompanhada de gritos, tapas, choros e cabos de guerra pelos objetos cobiçados.

Gente atrofiada – A criança pequena é uma pessoa em formação e tem direito de viver a saudável fase egocêntrica, a caminho da maturidade fraternal, quando passa a reconhecer o direito do outro. O problema é que, por muitas causas, o amadurecimento pode ser truncado e dar lugar ao egocentrismo, impedindo o indivíduo de ser um adulto saudável e integrado. Quando o primitivo “é meu” grita mais alto e planos e ações desonestos entram em jogo e abafam os valores morais e éticos, a cobiça e o acúmulo de bens afundam o sujeito em um abismo de frustração e até de pecado, conforme a gravidade das consequências de sua cobiça. 
Já estavam cientes disso os sábios de Israel quando escreveram na Bíblia, inspirados por Deus: “Quem ama o dinheiro, dele não se fartará; quem ama a riqueza, dela não tirará proveito: e isso também é vaidade” (Ecl 5,9); “Há ainda uma tristíssima desgraça, que vi debaixo do sol: as riquezas acumuladas para a infelicidade de seu próprio dono” (Ecl 5,12); “Não te apoies em riquezas injustas, pois de nada te valerão no dia da desgraça” (Eclo 5,10). Deus educa seus filhos e filhas humanamente e assim os prepara para a aliança de fé com ele. Por isso, diz o décimo mandamento: “Não cobiçarás a casa do próximo, nem seu campo, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu boi, nem seu jumento, nem coisa alguma do que lhe pertence” (Dt 5,21b).
O mandamento desqualifica nada mais do que tendências e ações praticadas em todos os tempos e culturas onde existam seres humanos convivendo. Conta um dos escritos históricos de Israel que o rei Acab cobiçou a chácara de seu vizinho Nabot e tentou desapropriá-la, mas o vizinho recusou a proposta. O rei voltou para casa irritado e, como uma criança mimada, deitou-se na cama virado para a parede e não quis comer. A rainha Jezabel, com menos escrúpulos do que o marido, ordenou a juízes corruptos que Nabot fosse caluniado, julgado e condenado à morte, e eles assim fizeram. Quando soube do cumprimento da ordem, ela disse ao rei: “Levanta-te e toma posse da vinha que Nabot de Jezrael não te quis ceder por dinheiro; pois Nabot já não vive. Está morto”. Acab  se levantou e foi tomar posse da vinha cobiçada (cf. 1Rs 21,1-18).
Excluindo-se a ideia – legítima na cultura dos tempos bíblicos e hoje inaceitável ¬– de que alguém pode ser escravo ou escrava, os outros interditos do mandamento se aplicam, em grande escala, nas sociedades modernas. Onde há pessoas interagindo, tudo se repete!

Macrocorrupções – Quantas comunidades indígenas são expulsas ou massacradas silenciosamente por grandes ruralistas, gente importante do País, invasores de terras, exterminadores de florestas e usuários de pesticidas proibidos! Disso, ao menos, o rei Acab e a rainha Jezabel não podem ser acusados.
Certos cristãos inconscientes podem aplicar o mandamento “não cobiçar as coisas alheias” à conduta de um adolescente que furta um par de tênis de marca. Esses mesmos cristãos podem, ao mesmo tempo, ser amigos de quem explora o trabalho alheio, paga maus salários, sonega impostos, ignora direitos trabalhistas, levanta cercas elétricas nas propriedades ou desvia verbas públicas destinadas ao bem-estar social.
Por desgraça coletiva, um dos termos mais usados no Brasil é corrupção, ao qual os massificadores da opinião pública dão os significados que mais convêm aos seus interesses. É justo, portanto, tirar as diferenças sobre o assunto, consultando entes inanimados e, por isso, incorruptíveis, como o Novo Aurélio – O Dicionário da Língua Portuguesa e o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Resumindo os dois, o verbete corrupção tem as seguintes definições: “adulterado, alterado, devasso, depravado, podre, estragado, infectado”. O termo cobiça, é definido por “desejo sôfrego, veemente, de possuir bens materiais; avidez, cupidez, ambição desmedida de riqueza”. O termo cupidez é melhor explicado no verbete cúpido: “dominado pelo desejo, ávido de dinheiro e de bens materiais, avarento e devasso”.
A língua portuguesa vai a fundo, ao âmago das pessoas, das situações e dos fatos, tanto como a língua hebraica, que levou profetas e sábios a dizerem, mais de 2 mil anos atrás: “O ímpio se gloria da cupidez da sua alma, o avaro felicita sua alma, despreza o Senhor. O ímpio, no seu luxo soberbo, diz: ‘Ele não repara’, ‘Deus não existe’ eis o que pensa” (Sl 10,3-4).  “Ninguém mais vai chamar de nobre ao corrupto nem ao ladrão de excelência” (Is 32,5).

Jogo sujo – “O que está em jogo é a reputação da União Europeia", declarou o ministro das Relações Exteriores italiano, Paolo Gentiloni, referindo-se ao afogamento de imigrantes clandestinos que vinham da Líbia para a Itália, no dia 19 de abril de 2015. O barco pesqueiro de 20 metros de extensão trazia 700 pessoas, a maioria amontoada no depósito de peixe do porão. Com o naufrágio, apenas 28 foram salvas.
A aparência apavorada do tunisiano de 27 anos que comandava o barco naufragado não condiz com a afirmação feita no dia seguinte pelo ministro do Exterior alemão Thomas de Maizière: "Criminosos ganham muito dinheiro lotando barcos inapropriados e abandonando as pessoas à própria sorte”. Estes são os mandantes, que pertencem a poderosas quadrilhas ligadas e corporações internacionais do crime, conforme publicou a agência BBC de Londres em seu site no Brasil, no dia 19 de abril de 2015. Protegidos pelos cargos e títulos de poder que possuem, os verdadeiros e maiores cúpidos, podres e devassos enriquecem em silêncio à custa da vida dos excluídos. Se a Bíblia fosse reescrita, o décimo mandamento seria muito mais extenso e complexo!

Tesouro, só no céu – Filhos das Trevas é o título aprovado por Jesus para quem usa de poder e de influência para enganar os outros (cf. Lc 16,8). Na mesma passagem do Evangelho, o Mestre diz a verdade nua e crua aos que resguardavam a aparência confiável, mas eram dominados pela cobiça e pela fraude: “Então ele lhes disse: ‘Vós gostais de parecer justos diante dos outros, mas Deus conhece vossos corações. Com efeito, o que as pessoas exaltam é detestável para Deus’” (Lc 16,15).
O cristão autêntico examina a própria conduta à luz do décimo mandamento e da orientação de Jesus: “De fato, de que adianta alguém ganhar o mundo inteiro, se perde a própria vida?” (Mc 8, 36); Silencie qualquer eco infantil do “é meu!” que possa deixá-lo(la) surdo(a) aos clamores dos irmãos e abre os ouvidos do coração para o conselho do Senhor: “Não ajunteis tesouros aqui na terra, onde a traça e a ferrugem destroem e os ladrões assaltam e roubam. Ao contrário, ajuntai para vós tesouros no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, nem os ladrões assaltam e roubam” (Mt 6,19-20).
Como todos os outros mandamentos, também o décimo mandamento faz toda a diferença na atualidade, não apenas para os cristãos, como também para qualquer pessoa que queira pautar a própria vida pela ética e o respeito aos direitos do próximo.
* Maria Inês Carniato é irmã paulina e mestra em Teologia

Os dez mandamentos
1ª Eu sou o Senhor, teu Deus. Não terás outros deuses diante de mim.
2ª Não pronunciar o nome do Senhor, teu Deus, em vão.
3ª Santificar os domingos e festas de guarda.
4ª Honra pai e mãe.
5ª Não matarás.
6ª Não cometerás atos impuros.
7ª Não roubarás.
8ª Não levantarás falso testemunho.
9ª Não cobiçarás a mulher do teu próximo.
10ª Não cobiçarás a casa do teu próximo, nem nada que lhe pertença.













Fonte: Edição 955,julho de 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Rezar com estrelas
O Rosário ou Coroa de Rosas, é uma devoção simples e popular entre os católicos
Imóvel, mas não inerte
As esculturas do pernambucano Brennand conversam entre si e nos convidam a um diálogo
Todas as linguagens
Paulinas, 100 na cultura da comunicação, onde há forma de linguagem, a Palavra está
Evangelho na Comunidade
Ano B – 15 de fevereiro de 2015-Um leproso aproxima-se de Jesus e pede para ser curado.
Evangelho na Comunidade
Ano B – 25 janeiro de 2015 - "Segui-me e eu vos farei pescadores de homens"
Início Anterior 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados