A música fez uma família

Data de publicação: 04/09/2015

Eles se conheceram em um grupo de oração e decidiram apostar juntos a serviço da evangelização com a música

Por: Nilde Onyszko
Fotos: Elisabete Alonso

Foi na cidade vocacionada para acolher artistas, Embu das Artes (SP), que numa manhã de maio, sob uma tênue névoa, fomos recebidos por Marília Mello, cantora e compositora de músicas católicas. Marcelo Flávio, músico e compositor, esposo de Marília, estava à porta, nos aguardando.
“Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa”, poetizou Cecília Meireles e, essa afirmativa, faz todo sentido na vida de Marília Mello. Ainda na adolescência, ela começou a trilhar o caminho da música católica cantando nos encontros de jovens, retiros, nas missas, em grupos de oração e nos Ministérios de Músicas da Igreja Católica. Mas desde muito cedo, ainda criança, ouvia a mãe, Maria Gomes da Silva, ouvir e cantarolar as músicas do padre Zezinho, scj, ícone da música católica e referência para muitos cantores católicos. “Eu vivia cantarolando, gostava de brincar de cantar”, recorda ela.
No ano de 2001, ela foi convidada a fazer parte de um ministério de música da renovação carismática. Ela conta que nesse grupo viveu um tempo de crescimento espiritual e musical. E a partir daí não parou mais. Em 2008, recebeu a indicação ao Prêmio Nacional da Música Católica, o Troféu Louvemos o Senhor, na categoria revelação feminina, com o primeiro álbum Novo Caminho, uma produção independente. Em 2014, após dois anos de produção em um novo trabalho, passou a fazer parte da gravadora Paulinas-COMEP, lançando o álbum Intimidade.

Amor para a vida toda − Em um grupo de oração, no Ministério de Música, que Marcelo e Marília se conheceram. Marcelo trabalhava na secretaria da Paróquia Santa Otília, em Embu das Artes. Naquele dia ficou até mais tarde no trabalho para participar do Grupo de Oração, aliás ele tocava no grupo, e serve aquela Igreja até hoje. “De repente alguém bate na porta, uma morena linda aponta a cabeça, na porta entreaberta, e pergunta: ‘É aqui a Paróquia Santa Otília?’”. Era a Marília! Marcelo descreve com entusiasmo e detalhe o fato. Ele lembra que estava saindo de um relacionamento de quatro anos de namoro, inclusive estava noivo com tudo preparado para o casamento, mas não havia dado certo.  “A Marília me incomodou, plantou algo em mim. Gostei dela desde o primeiro momento”, diz Marcelo, com um sorriso iluminado e o olhar vibrante.
“O Marcelo também me impactou, guardo na lembrança detalhes da roupa que ele usava naquele dia”, lembra Marília. “A Marília hoje, para mim, é o espinho na carne. No sentido bom! Pois quando estou perdido, ela me redimensiona, me dá foco, direção, me eleva a Deus.”
O casal se conheceu no ano de 2000 e em 2002 se casaram. A filha Gabriela, hoje com 11 anos, completa a família. A música os uniu. Marcelo conta que vem de família de músico. O avô era violeiro, cantava e tocava moda de viola, e isso desde pequeno o encantava. “Minha mãe cantava na Igreja, e eu tocava bateria, no grupo de oração”, recorda.
“Meus sogros, Celia Rodrigues de Melo e Francisco Cabral de Melo, são pessoas muito engajadas na Igreja. Eles são o modelo de família que Marcelo e eu tomamos como referência. São casados há 44 anos, sempre estão juntos. Andam de mãos dadas, são afetuosos, carinhosos, eternos namorados”, conta Marília.
Ela lembra também que seus pais ofereceram como base de formação e educação a ela e seu irmão, Douglas Gomes da Silva, os valores cristãos. “Meus pais vieram do Nordeste na década de 1980. Papai, Geraldo Vicente da Silva, trabalhava com dedicação para nos manter, mamãe se responsabilizava pelos trabalhos em casa e nos cuidados de nós, os filhos. Eles nos formaram e educaram no temor a Deus”, lembra. Marília recorda que os conflitos em família eram resolvidos na verdade, no diálogo, com muita conversa e no perdão. “Meus pais são pessoas muito verdadeiras”, ressalta.


Missionários musicais –
Já casados, mesmo com o trabalho profissional, Marília e Marcelo continuaram servindo à Igreja por meio da música.  No entanto, chegou um momento em que Marília sentiu que deveria dedicar maior tempo à missão. “Com o tempo, eu fui amadurecendo e percebendo a responsabilidade, o sentido de cantar e de anunciar o Deus vivo para as pessoas. Senti que Deus me pedia mais. E ser missionária, profeta da Palavra, exige compromisso de nós, exige vivência da Palavra, renúncias, compromissos e intimidade com Deus”, conta Marília. Foi então que em diálogo e partilha com Marcelo, Marília decidiu deixar o emprego, à época trabalhava em um banco. “O Marcelo me disse que segurava as pontas com os gastos e contas nossas.” Ela conta que não foi fácil deixar a estabilidade do emprego e se lançar à missão por meio da música.
“O nosso segundo álbum iniciou uma fase de produção independente. Tivemos muitos problemas durante o processo do projeto. Chegou a um ponto em que eu estava muito desanimada, desesperançosa. Uma manhã, chorei muito, estava desacreditando na conclusão do projeto, o Marcelo me abraçou e disse: ‘Eu também não sei o que fazer, mas choro com você’. Choramos juntos”, recorda emocionada e enfatiza que ele é um presente de Deus em sua vida. “O Marcelo entrou na minha vida para somar, não só como marido, o amor da minha vida, mas como amigo, companheiro, confidente. Ele me impulsiona, me leva adiante em tantas situações, desde o meu ministério, sonhando comigo. Deus preparou o Marcelo para mim.”
Marília lembra que nesse mesmo dia recebeu um comunicado da gravadora solicitando o envio do projeto do álbum. Ela conta que passaram a noite elaborando o projeto solicitado pela gravadora. Com o tempo veio o resultado da aprovação. E recorda emocionada ao acreditar que Deus conduz sua missão e que as coisas são no tempo dele e não no tempo que ela queria. “Essas provações me lapidaram. E Paulinas-COMEP é uma gravadora que não somente está preocupada com o produto final. Mas ela se preocupa com o ser humano que está por traz da produção. Ela cuida das pessoas. Ela está preocupada com o conteúdo. A gravadora veio para somar em nosso ministério.”
O sonho fora do sono persiste em Marília: dedicar a vida em prol do Ministério de Música e ajudar as pessoas. Ela diz que escreve e canta o amor de Deus e o desejo de fazer sua vontade, na música Te Buscar há essa amostra: “Derrama sobre mim o teu amor, preciso de ti, Senhor, mergulhar nas águas do teu amor. Faça em mim a tua vontade”.
A jovem cantora e compositora afirma que canta aquilo que procura viver, de modo especial a intimidade com Deus, o amor e a família. “Marcelo e eu buscamos construir nossa família sobre a direção de Deus. Deus é a rocha desde o nosso namoro, casamento e o nascimento da nossa filha, a Gabriela, que é fruto de nosso amor, presente de Deus em nossas vidas. A Gabi é sábia, centrada, contribui muito para minha vida, minha história. Deus é a rocha que alicerça nossa casa. Procuramos zelar nossas vidas e Deus nos cuida, nos inspira e direciona”, conclui.




Fonte: Edição 954,junho 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
Música
Além de estimular o bom convívio social, aprender música ajuda a desenvolver a fala E a respiração.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados