Simplesmente mulheres

Data de publicação: 08/03/2016

Nas mulheres há uma identidade comum: a contemplação, a intuição e o cuidado

Por: Cleusa e Alvício Thewes *

Zizi, 90 anos ─
Ela relata sua experiência feminina, serena e feliz. O seu projeto de vida foi simples: constituir família e ter um lugar seu para abrigá-la, uma casa. Sobre a adolescência, que recorda faceira, declarou: “Eu gostava de dançar e fui Rainha do Carnaval”. Narra orgulhosa que gerou 12 filhos, todos nascidos de parto natural e amamentados nos seus seios. Zizi é comunicativa. Gosta de contar a história de sua vida, embora já seja um tanto repetitiva, devido à idade avançada.  Seu aprendizado resume-se a criar filhos, cuidar da casa e rezar. “Trim, Trim”, celular da Zizi tocando! Ela tira o aparelho do bolso e conversa com a filha que reside no estado do Espírito Santo. Ao concluirmos a entrevista, sorridente, afirma: “O celular foi a melhor coisa que inventaram. Com ele posso bater papo com meus filhos”.

Aracelli, 28 anos ─ Empresária casada e graduada. Administra, com sucesso, sua própria empresa de cosméticos. Mas o encanto pela carreira profissional não lhe bastou. Faltava realizar também o instinto da maternidade, ter filhos. Há dois meses, nasceu Isadora, uma menina linda. É ela quem está ensinando Aracelli a ser mãe em tempo quase integral, com a ajuda e os ensinamentos de sua incansável mãe. A mãe dela lhe transmite a sabedoria dos cuidados iniciais de um bebê: as mamadas, o repouso, o banho e até a bênção e a prece ao anjo de Isadora. Neste amoroso encontro trigeracional das três mulheres (avó, filha e netinha), é transmitida e vivenciada a sabedoria da arte do amar, do rezar e do cuidar.

Dia Internacional da Mulher ─ Dia dedicado a comemorar e agradecer conquistas e direitos, enaltecendo o papel da mulher na família, no trabalho, na sociedade e na humanidade. Esta deve muito à mulher. É uma conta impagável, que vem de bilhões de anos. Antes de levantar as mãos a uma mulher, o homem devia se lembrar de onde veio e de onde virão seus filhos, netos e bisnetos. Deus não criou a mulher para apanhar. Ele a criou para servir de companheira ao homem e perpetuar a criatura. Ele não disse matai-vos e sim “multiplicai-vos”. É a mulher que dá sentido à vida humana, a dela e a de sua família.  O que significa dar sentido à existência? Significa determinar e imprimir uma direção à vida. E uma mulher vocacionada e assumida sabe fazer isso muito bem. E o faz com coerência, serenidade e comprometimento.

Beleza não se compra ─ O pensamento contemporâneo passa pela onda ideológica do consumismo, do materialismo e da coisificação do ser.  Incontáveis técnicas seduzem a mulher, prometendo-lhe, por exemplo, um rosto lindo, com a remoção dos sinais do tempo. E isto ocorreu com dona Mariazinha. Aos 85 anos, ofereceram-lhe um tratamento para alisar o rosto, no valor de 5 mil reais. Sem dinheiro, socorre-se de um empréstimo para poder fazer o “milagroso” tratamento. Ficou esticadinha por alguns dias. E só por alguns dias. A natureza, implacável no seu curso, trouxe-lhe as preguinhas de volta, em maior número, ao que parece. Ela disse: “Aprendi que não podemos comprar a jovialidade e a beleza, mas podemos cultivá-las no espírito, no sentimento e no jeito de viver”.

Bela é toda mulher ─ Quais são os atributos da bela mulher? O atributo principal é sua semelhança com o Criador, que a fez bela e com qualidades peculiares à sua identidade feminina. Esta se reconhece no cultivo e desempenho de dons e habilidades. Descobre-se a cada dia; reinventa-se a cada desafio; faz-se flexível às durezas da vida; acolhe os fatos que não pode mudar; amadurece com a dor; torna-se sábia pelas decisões tomadas; fica doce e suave, após a cura da amargura interior, se a tiver, é claro. Quando se sente envelhecida e cansada, sintoniza a sonhadora adolescente ainda pulsante dentro de si. A fraqueza não a vence. Ela a afasta orando. E a guerreira adormecida na fortaleza do coração ressurge com força.
Na calada da noite, acessa a intuição e a luz divina que ilumina seu espírito e ora.
Nas madrugadas do medo, do vazio e da solidão, mergulha em sua cela interior e ali se nutre do Amor Maior. Na contemplação de Deus, encontra a beleza, o brilho, o espelho e o impulso para continuar sua missão.
Mãe Maria, cuide das mulheres. Amém!
* Cleusa e Alvício Thewes





Fonte: FC ediçao 963-MAR 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Sabedoria como herança
“A velhice, sempre vista como uma época de declínio, pode trazer novas habilidades muito poderosas”.
Jovem aos 100 anos
São três coisas que precisamos na vida: Deus, a família e os amigos.
Setenta vezes sete
Uma sociedade sem perdão é totalitária ou assiste,impotente,à morte de ambas as partes em confronto.
Família na estrada
Tempo é mais difícil do que grana, porque poder ter dinheiro pra viajar e não ter tempo,não adianta.
Ensinar e viver
Sem a comunidade não há catequese. A iniciação cristã tem uma relação absoluta com a comunidade.
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados