Liturgia da Palavra

Data de publicação: 11/03/2016

Ano C – 13 de março de 2016 - 5º Domingo da Quaresma
Is 43,16-21 - Estou eu fazendo coisas novas.
Sl 125 (126) - Maravilhas o Senhor fez por nós.
Fl 3,8-14 - Lanço-me para o que está à frente.
Jo 8,1-11 - “Vai e não peques mais.”

"Continuo correndo para alcançá-lo, visto que eu mesmo fui alcançado pelo Cristo Jesus" (Fl 3,12)

Reflexão: Cônego Celso Pedro da Silva
Arte: Sergio Riccuto Conte

Vamos chegando ao fim da Quaresma, aproximando-nos da Semana Santa. A Campanha da Fraternidade termina com um ato solidário expresso na coleta que se faz em todas as comunidades no Domingo de Ramos. Esta coleta não é uma simples esmola, é mais do que isso. É o resultado de um esforço quaresmal em benefício de obras sociais da Igreja em âmbito nacional relacionadas ao tema da campanha. É o resultado do nosso jejum e da nossa abstinência, é expressão de uma conversão.
Nossa conversão é testada quando o próprio Senhor, na liturgia, nos coloca em contato direto com o filho pródigo e com a mulher adúltera. Qual é a nossa atitude diante desse homem e dessa mulher? Somamos com o irmão mais velho que não aceitou a volta do mais novo, não quis entrar em casa para a festa, reagiu contra o pai? Gritamos com a multidão e apanhamos pedras para atirar na mulher? Colocamo-nos ao lado do pai e abraçamos o irmão que volta, sem nada dizer nem perguntar? Colocamo-nos ao lado de Jesus e dizemos à mulher: “Eu também não te condeno?”. Vamos pensando até tomar uma decisão, lembrados da palavra de Paulo aos romanos: “Feliz aquele que não se condena na decisão que toma”.
A Lei previa o apedrejamento da adúltera. Quem fez essa Lei? Alguns dirão que ela foi ditada pelo próprio Deus a Moisés, outros dirão que é uma elaboração humana sábia para a defesa dos bons costumes, outros perguntarão se não há outra maneira de corrigir os erros. Alguém ainda poderá perguntar se a mulher adulterou sozinha. Onde está o outro? Está com pedra na mão? O peso e a medida não são os mesmos para o homem e a mulher? “Vai e de agora em diante não peques mais.”
Jesus condena o pecado e salva a pessoa do pecador. Aos ouvidos do pecador ressoam as palavras de Isaías: “Não deveis ficar lembrando as coisas de outrora, nem é preciso ter saudades das coisas do passado. Eis que estou fazendo coisas novas, estão surgindo agora e vós não percebeis? Sim, no deserto eu abro um caminho, rasgo rios na terra seca”. Abre-se um caminho novo no deserto, que embora possa ser da tentação é também da liberdade. Há um caminho novo para você percorrer com liberdade, sem pesos nem amarras.
O texto de Isaías se refere ao retorno do exílio da Babilônia, que o profeta vê como mais grandioso que a saída do Egito. A lembrança do passado seria a recordação do Êxodo de Moisés. Diante do novo que Deus abre à nossa frente não é preciso manter a lembrança nem das coisas boas, o que dizer então das coisas desagradáveis. Paulo deixa para trás o que fica para trás e avança para o que está à frente, o novo que está surgindo.
Verdadeiramente novo será o caminho que Jesus vai abrir com sua cruz, fazendo uma ponte pela qual todos podem passar deste mundo ao Pai. Este é o êxodo de Jesus, aquele que de fato interessa, passar deste mundo para o Pai. Páscoa é passagem, e passagem é algo que se paga para se fazer uma viagem. A passagem também é nova e feita de uma nova atitude diante da mulher adúltera e do filho pródigo. Ambos são modelos de conversão, deles mesmos e dos que os julgam. À adúltera foi dito “não peques mais”. O filho esbanjador voltou ao seu pai. Quem tem pedra na mão e não quer participar da festa também deve se tornar modelo de conversão.


Leituras e Salmos (14 a 19 de março)
2ªf.: Dn13,1-9.15-17.19-30.33-62; Sl 22 (23); Jo 8,12-20.
3ªf.: Nm 21,4-9; Sl 101 (102); Jo 8,21-30.
4ªf.: Dn 3,14-20.24.49a.91-92.95; Cânt.: Dn 3,52-56; Jo 8,31-42.
5ªf.: Gn 17,3-9; Sl 104 (105);  Jo 8,51-59.
6ªf.: Jr 20,10-13; Sl 17 (18); Jo 10,31-42.
Sáb.: 2Sm 7,4-5a.12-14a.16; Sl 88 (89); Rm 4,13.16-18.22; Mt 1,16.18-21.24 ou Lc 2,41-51a.




Fonte: Edição 963, março de 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

A presença nas redes
O isolamento social proporcionou maior interatividade no ambiente digital
Uma vida nova em Cristo
O Círio Pascal recorda que Cristo é a luz do mundo
Evangelização, sim!
Para Francisco, a evangelização não pode confundir-se com o clericalismo nem com o proselitismo.
O Anjo Bom do Brasil
Irmã Dulce,a religiosa que conquistou o coração do povo brasileiro será canonizada.
Mesa da Palavra
13º. Domingo do Tempo Comum - Ano C • 30 de junho de 2019 - Solenidade de São Pedro e São Paulo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados