Silêncio, o tempo da escuta

Data de publicação: 26/04/2016

Por: Karla Maria

Os Exercícios Espirituais Inacianos têm sido cada vez mais procurados por jovens maduros na fé, que desejam um encontro com Deus e consigo mesmos
O mundo está barulhento, confuso, e, entre as buzinas dos carros e as notificações do celular, vivemos como que errantes, perdidos, sufocados e estressados com a poluição sonora, visual, com tantas informações. Os jovens também têm tido essa sensação, e prova disso é que parte deles tem buscado, cada vez mais, se retirar dos centros urbanos em busca de paz.
A paulista Daniele Batista de Sousa, 26 anos, fez isso. Trocou as marchinhas e a purpurina do carnaval pelo silêncio, pela prática de Exercícios Espirituais, com o intuito de exercitar sua espiritualidade. “O que mais me incentivou a vivenciar os Exercícios Espirituais foi a proposta de espiritualidade, que num primeiro momento chama a atenção pela valorização do silêncio”, conta a jovem.
O silêncio que ela procurava encontrou na Vila Kostka, no bairro de Itaici, na cidade de Indaiatuba (SP), a pouco mais de cem quilômetros de sua cidade, Guarulhos (SP). Foi por lá que a jovem se rendeu aos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola, adaptados pelo Anchietanum, um Centro de Juventude da Companhia de Jesus no Brasil, dedicado à formação e ao acompanhamento da juventude.
Segundo Davi Caixeta, estudante jesuíta e membro da equipe do Anchietanum, 240 jovens, de várias partes da cidade e também de estados, como Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná, com idades entre 17 e 32 anos, se instalaram na Vila Kostka. Uma casa espaçosa com 221 quartos, uma igreja e oito capelas, que levam o nome de jesuítas ligados à história do Brasil ou do mundo. A casa lembra um castelo medieval com diversas alas, portas de madeira antigas e jardins internos.
Está localizada em uma extensa área verde, entre grandes árvores, jardins floridos e trilhas para caminhada, um espaço propício para contato com a natureza, com Deus, consigo mesmo.

Alegria saudável – Não são raros os momentos em que jovens se espalham pela casa, entre as capelas e o gramado verde, descalços, com a Bíblia e um caderno nas mãos. Alguns leem, outros anotam sentimentos e reflexões, rascunham seu projeto de vida, seus sonhos, outros meditam, oram, contemplam sob o som do vento e dos pássaros.
“Rahner (Karl Rahner, um dos maiores teólogos do século 20), chamava os Exercícios (Inacianos) de “lógica de conhecimento existencial”, e Inácio (Santo Inácio de Loyola) inclusive teria sido o primeiro existencialista cristão, dada a sensibilidade que ele tinha sobre o indivíduo que deve tomar suas próprias decisões, já no século 16”, aponta o doutor em Teologia e professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC), Alex Villas Boas.
Villas Boas é assessor teológico e colaborador do Anchietanum desde 2007. Ele acompanhou o retiro de carnaval de Daniele. “Nesta experiência fui presenteada com grandes amizades que, na intensidade do olhar e na delicadeza do silenciar, criaram fortes vínculos”, revelou Daniele, que disse ter experimentado um encontro com Deus.
“Encontrei Deus de uma forma singular, um Deus que se revela no cotidiano, que se faz presente inteira e intensamente. E, apesar de ser um retiro no carnaval, não nos privamos da alegria, mas descobrimos uma alegria que não passa, que é saudável, que nasce daquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida”, revela Daniela.
Não há privação de alegria, mas há a de conversas. Para a prática dos Exercícios Inacianos, os jovens são convidados a se desligarem do mundo, a silenciarem, e Villas Boas explica o motivo. “O silêncio dos Exercícios é eloquente por ser performativo, porque é o espaço para se experimentar o que não cabe em palavras, e que só pode ser sentido e saboreado internamente. O silêncio é a condição ideal para os exercícios, porque ele permite a escuta, tal qual a água para aprender a nadar”, compara o assessor.
Pedir silêncio e distância de aparelhos eletrônicos a jovens da Geração Y, que fazem de seus celulares a extensão de seus corpos, e se comunicam quase que instantaneamente durante o carnaval, parece ser demais, mas não é. “Quem tem procurado os Exercícios Espirituais tem certa maturidade. Não temos muita dificuldade com celulares. É um convite a saborear todas as coisas internamente, a assumir o compromisso de em tudo amar e servir, a ouvir o Criador, que fala no silêncio... Isso não é tão fácil, é preciso exercitar”, explica Daniele.

Experiência de sentido –
Os Exercícios Inacianos para jovens estão divididos em cinco etapas. Trata-se, segundo a coordenação do Anchietanum, de uma adaptação para que os jovens vivam uma experiência pessoal de oração.
A partir da terceira etapa, os jovens são motivados a iniciar a elaboração do Projeto de Vida, à luz da encarnação e da vida pública de Jesus Cristo. Perguntas como: Qual a minha missão, a que devo me dedicar, sou um bom filho, um bom pai, cidadão, cristão? Que profissão devo seguir, qual a minha vocação? começam a ser respondidas, junto a demandas e angústias pessoais, e são colocadas no papel, aquele primeiro caderno que os jovens recebem quando chegam à Vila Kostka, com espaço para a anotação de leituras, sentimentos, sonhos.
“A vivência de um processo em que a pessoa confronta sua vida e suas decisões e elege - para usar um termo de Santo Inácio - um projeto de vida, buscando mais amar e servir a Deus, na situação concreta do mundo em que vive”, explicam Davi Caixeta e Vanessa Correia, ambos da equipe do Anchietanum.
“Já tinha ouvido falar em Projeto de Vida, mas compreendi a importância a partir da experiência com os Exercícios Inacianos, e foi também aí que percebi como isso me permite um autoconhecimento, que é um convite para a construção no agora e não uma ideia que fica perdida no futuro”, explica Daniele.
Para o assessor Villas Boas, talvez a principal contribuição dos Exercícios seja o jovem descobrir que a experiência de Deus é uma experiência de sentido, é norteadora da vida e ressignificadora da própria história. “Às vezes se ouve no senso comum que entrar em um retiro implica deixar os problemas para fora. Na visão inaciana, isso não é possível. O retiro é exatamente o momento em que eu coloco tudo na mesa e apresento para Deus histórias, sonhos, medos, limites, desejos...”
A metodologia dos Exercícios Inacianos, praticada também pelo jesuíta mais famoso do mundo, o papa Francisco, vai também ao encontro de orientações dadas por neurofisiologistas em todo o mundo na busca de uma saúde integral, que envolve o corpo e a alma. Por isso, para os que não dispõem de dias e semanas para um retiro, o Anchietanum realiza, em São Paulo, diversas atividades, como o Espaço Projeto de Vida, que oferece reflexões e instrumentos para o jovem que deseja organizar, com sentido, a própria vida.

Anchietanum
www.anchietanum.com.br


Para meditar e orar...
Em casa, no chão, no gramado, em um local silencioso, sagrado, confortável (não muito para não cair no sono), sente-se observando apenas a sua respiração. Respire calma e tranquilamente. Deixe os pensamentos passarem por sua cabeça e não tente se concentrar em nenhum deles. Se desejar, busque uma leitura bíblica, entenda-a com calma, saboreie cada trecho, deixe que as palavras façam sentido na sua vida.





Fonte: FC ediçao 964-ABRIL 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Dai-me paciência!
A paciência é uma virtude difícil de conquistar. Isso mesmo! É uma conquista!
Jovens protagonistas em ação
É preciso estar atento àqueles jovens protagonistas nas ações políticas, sociais e humanitárias
Autoestima sem tamanho
Jovens inspiram autoestima por seu físico,quebram padrões e desafiam publicitários.
Um canto negro
As mulheres da família de Soffia souberam educar e cultivar o amor à origem negra
Mãos ao alto
Jovens da periferia denunciam abuso na abordagem policial
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados