Maturidade conjugal

Data de publicação: 04/07/2016

A autoestima individual, se bem trabalhada, exerce influência sobre o outro cônjuge, elevando-lhe sua própria estima

Por: Cleusa e Alvício Thewes

“Wilson e Léia, 48 anos – O casal tinha amor, cumplicidade e projetos comuns; participava de grupos de estudos bíblicos e de caminhadas nas montanhas; cultivava uma horta e tinha um jardim florido. 
Porém, após vinte e três anos de casados, Léia teve depressão e passou a sofrer síndrome de pânico. Wilson não soube lidar com a doença da esposa. Sentindo-se meio perdido, isolou-se e não amparou Léia. Em consequência, ambos se sentiram abandonados. Léia estava muito frágil, impotente para reagir contra si mesma e ainda envolver Wilson. Na ausência de interação conjugal, Wilson buscou fora de casa o que lhe faltava em casa, envolvendo-se com outra mulher. Léia descobriu o caso extraconjugal do marido e fez o maior escândalo, chegando mesmo a agredi-lo. Wilson mergulhou na culpa e também ficou deprimido. Depois do escândalo, ela se reaproximou dele e propôs que buscassem ajuda terapêutica para resgatar o casamento. Na terapia, foram analisados e se analisaram. Levaram um longo tempo para amadurecer no relacionamento a dois e se perdoarem. Hoje têm um matrimônio sólido e saudável.

Evandro e Luiza –
Entre namoro, noivado e casamento, mantiveram um relacionamento de dez anos.
No começo do relacionamento, houve mútuo encantamento, cujos efeitos se desfizeram durante o noivado, dando lugar ao desencantamento. Mesmo assim casaram. É bem verdade que Luiza cogitou em acabar o relacionamento. Pensando, porém, que Evandro não suportaria o fim do noivado, casou-se com ele. Foi um erro. Viveram anos como irmãos, sem sexo e sem projetos de vida, comuns ou individuais. Em comum, aliás, tinham apenas um cachorrinho. Até caminhadas e pedaladas faziam em horários diferentes.  Em casa, pouca conversa, nenhuma partilha, permanecendo, cada um, no seu canto. Além disso, Evandro não tinha ambições. Conformava-se em residir em uma casa emprestada. Duas coisas, no entanto, o casal acumulou: dificuldades emocionais e financeiras. A separação era inevitável e ocorreu quando Evandro tinha 40 anos e Luiza 30.  Sem rumo e deprimido, ele comentou: “Nossa história teve um lindo começo. Não sei em que ponto nós nos perdemos. Sinto-me fracassado. Não consegui salvar meu casamento”.

O encantamento –
Muitos casais estagnam na fase do encantamento, sobrevoando as periferias do relacionamento, deslumbrados demais para planejarem perspectivas conjugais.
O encantamento é um olhar que deve existir no início do namoro. Ele põe calor na relação. Mas ele não deve, em hipótese alguma, suplantar a realidade e as potencialidades e individualidades dos enamorados. Há limites a serem reconhecidos e observados. Cada cônjuge joga para dentro da relação a sua história, a sua origem, os seus anseios, o seu projeto de vida, a sua saúde ou a sua doença.
Evandro e Luiza estacionaram no encanto e a consequência foi o desencanto. Este contaminou o casamento, levando-os ao desprezo mútuo.  Já conhecemos o resultado. Foram incapazes de concretizar um projeto de felicidade conjugal. O casamento deles foi como um barco à mercê dos ventos, esperando o momento de afundar.
Autoestima conjugal – A autoestima conjugal pressupõe o cultivo da autoestima individual. O cônjuge que gosta de si vence mais facilmente os desafios, relaciona-se melhor, realiza-se profissionalmente, é receptivo ao afeto, vive de bem com a vida. Aceitar-se e estimar-se, sem, contudo, bajular-se, demonstra maturidade emocional, bagagem pessoal importante para o casamento dar certo. A autoestima individual, se bem trabalhada, exerce influência sobre o outro cônjuge, elevando-lhe sua própria estima. Cria-se, assim, um clima familiar de aceitação individual e conjugal, ingrediente indispensável ao crescimento dos cônjuges, e sua realização pessoal, profissional, religiosa. A autoestima conjugal é um elemento psicológico facilitador do relacionamento, dos projetos em comum, da construção da espiritualidade, do fortalecimento e perenização das emoções e sentimentos, das conquistas materiais, do desejo de ter, criar e educar filhos.

Maturidade conjugal –
Aqui falamos da maturidade para o convívio a dois sob o mesmo teto, dividindo a mesma cama, os mesmos desejos, respirando o mesmo ar. É a capacidade ou, se preferirem, a inteligência de criar vínculos afetivos, emocionais e espirituais, de forma amável, equilibrada e serena. A maturidade conjugal mantém os cônjuges unidos e os leva a praticar, ante qualquer ameaça, atos de manutenção do casamento.  Poucos nascem com esta habilidade. A maioria de nós a adquire-a aos poucos, na soma das horas, dos dias e dos anos. Isto é gratificante.
 A maturidade de que estamos falando é fruto da doação recíproca, da aceitação das diferenças, do reconhecimento e valorização do outro ou da outra e de si mesmo, da manifestação dos sentimentos e emoções. Cônjuges emocionalmente maduros empenham-se na satisfação dos desejos comuns. Pessoas maduras sabem controlar seus impulsos e libertar-se das tensões; conhecem os caminhos da paz interior e conjugal. 
A compatibilidade de gênios e a capacidade de adaptação também são ferramentas facilitadoras da maturidade relacional. Uma advertência necessária. No casamento mantido pela maturidade conjugal é indispensável que cada cônjuge conserve sua identidade, permaneça único, original e inteiro. Quando um dos cônjuges se anula para agradar ao outro, há grande possibilidade de o casamento acabar antes de sua dissolução natural por Deus. Casais maduros unem-se para solução de seus conflitos. Comunicam-se sem imposições, gritos e raivas.
Resta, por fim, fazer alguma referência específica à espiritualidade. Somos seres espirituais. Negligenciar a espiritualidade é engaiolar nossa essência. E as consequências não são nada agradáveis. Os humanos não vêm ao mundo buscar crescimento físico. Viemos para crescer espiritualmente. O Pai quer que voltemos a Ele melhores do que viemos. E isso implica crescimento do espírito. O crescimento espiritual nos capacita na paciência, no perdão, na superação. O Papa Francisco, sábio e paterno, escreve aos casais sobre o assunto em Amoris Laetitia, nº 120.





Fonte: FC ediçao 967 -JULHO 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Medo do doutor?
Como ajudar as crianças a superarem o receio de consultas médicas e odontológicas.
Navegue com segurança
Viver no ambiente digital abre novos horizontes e possibilidades, mas requer cuidados
O melhor alimento para o bebê
O aleitamento materno é uma unanimidade mundial. Todos os profissionais de saúde reconhecem
Hora do pesadelo
Pesadelos são ruins em qualquer idade, mas os pais ficam mais angustiados quando são seus filhos.
Viver bem dentro de casa
Uma família unida enfrenta e supera os desafios da vida com maior facilidade.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados