Reumatismo é coisa de criança

Data de publicação: 07/11/2016


Queixas de cansaço e dor nas articulações podem ser sintomas de doenças inflamatórias, e o diagnóstico rápido é determinante para a remissão da doença                                         

Por: Karla Maria

Carolina * tinha 13 anos quando começou a sentir fortes dores nas articulações. Os pulsos doíam e os joelhos ficavam inchados. A dor era tanta que a adolescente ficou um mês sem andar. A falta de mobilidade não era o único sintoma, Carolina passou a ter manchas no rosto.

Vergonha e dor juntaram-se e tiraram a vontade e a coragem de a adolescente ir à escola, até que depois de muitos exames foi diagnosticada com lúpus eritematoso sistêmico, uma doença autoimune que tem como característica marcas na pele e que pode se desenvolver de maneira silenciosa e grave, afetando rins, pulmão e fígado.

O lúpus é uma das diversas doenças reumáticas que acometem as crianças e que, se não diagnosticadas e tratadas, podem limitar a vida dos pequenos pacientes e, em alguns casos, causar sua morte. “As doenças reumáticas englobam doenças imunológicas, autoimunes e inflamatórias, provocando inflamação e dor principalmente nas articulações, nos músculos e nos ossos”, explica o pediatra Claudio Arnaldo Len.

O pediatra destaca que tais doenças levam o paciente a sentir dor, inchaço nas articulações e, muitas vezes, causam limitação na mobilidade e consequentemente diminuem a qualidade de vida, já que, no caso das crianças, elas não conseguem correr e brincar.

No Brasil, a doença reumatológica mais frequente é a febre reumática, seguida da artrite idiopática juvenil. Outras situações inflamatórias, além do lúpus já mencionado, são a dermatopolimiosite, a esclerodermia e as vasculites, que são também motivos de consultas ao reumatologista pediátrico.

A febre reumática, por exemplo, é causada por uma simples infecção de garganta, por isso os pais devem ficar atentos. “Em algumas crianças, por predisposição pessoal genética, essa infecção causada pela bactéria Streptococcus pyogenes (estreptococo) vai desencadear uma resposta imunológica anormal que pode inflamar as articulações, o coração e o sistema nervoso central”, explica o pediatra, lembrando que essa doença acomete ainda com certa frequência nas regiões Norte e Nordeste.

Já a artrite idiopática juvenil, uma das principais doenças reumáticas que afetam as crianças, leva os pequenos a terem inflamações e inchaços nas articulações, como joelhos, punho, quadril, cotovelo e mãos. “Imagina uma criança com dor. Ela acorda de manhã e não consegue brincar, andar, porque tem dor. Esta doença se não tratada leva a prejuízos para as articulações e a sequelas físicas, causando problemas sociais e emocionais”, destaca o médico.

Com a Carolina foi assim. “Doía muito e não sabíamos o que fazer. Eu não tinha nem vontade de ir à escola e fiquei um tempo sem ir mesmo”, disse a jovem, atualmente com 20 anos. Sua mãe, Rose, conta que o diagnóstico demorou a ser realizado. “Além das dores, começaram a surgir manchas no rosto dela e procuramos um dermatologista. Foram feitos vários exames, mas os médicos não conseguiam diagnosticar minha filha.” Isto é comum.

 “Às vezes as crianças têm algum tipo de dor e as pessoas dizem que é aquela dor de crescimento, quando na verdade ela pode ser uma inflamação em uma articulação, em um músculo, e ali estão os sintomas de uma doença reumática”, explica o pediatra Len.

Diagnóstico e tratamento – Especialistas apontam que é importante diagnosticar e tratar rapidamente a doença porque são possíveis bons resultados com os novos medicamentos, que bloqueiam a molécula da inflamação e devolvem a qualidade de vida aos pequenos pacientes, por isso os pais devem ficar atentos às queixas de dores e buscar a ajuda de profissionais.

“Há alguns sinais de alerta a que os pais devem ficar atentos. Se uma criança começa a ter dor e mancar, se ela acorda de manhã com dor, se está com as articulações inchadas, se está muito cansada e reclama de dor persistente que limita a vida social, com febre e fraqueza muscular, é preciso buscar o pediatra”, orienta dr.Len.

Para o diagnóstico serão feitos alguns exames, como os de sangue e urina, que poderão detectar uma inflamação, além de radiografia das articulações, entre outros. Se houver suspeita a criança será encaminhada para um pediatra reumatologista. “Carolina agora sorri. Desde que foi diagnosticada e que toma a medicação ela voltou a ter uma vida normal. Um dos remédios custa 2 mil reais a caixa, que dura um mês, mas graças a Deus conseguimos retirá-lo pelo SUS (Sistema Único de Saúde)”, conta a mãe, aliviada na sala de espera da Clínica de Reumatologia Pediátrica do Hospital São Paulo/Escola Paulista de Medicina, no bairro da Vila Mariana, na capital paulista.

Parcerias saudáveis – A Organização Não Governamental (ONG) Amigos da Criança com Reumatismo, a Acredite, foi criada em 2001 pelo médico pediatra Cláudio Len para apoiar o trabalho do Ambulatório de Reumatologia Pediátrica do Hospital São Paulo, com a missão de melhorar a qualidade de vida das crianças e adolescentes com doenças reumáticas, viabilizando e facilitando o seu tratamento. Ali, um grupo de especialistas atende de forma multidisciplinar o paciente e sua família.

Na clínica de reumatologia, grupos de jovens acometidos por diferentes doenças reumáticas se reúnem com psicólogos para falar dos sintomas, do tratamento, da vida. “O tratamento para essas doenças é complexo e multiprofissional. Além de medicamentos modernos e eficazes, ele inclui fisioterapia e psicoterapia constantes, por vários anos.”

Além dos psicólogos, a ONG oferece aos pacientes orientação de nutricionistas, tratamento dentário e até transporte e medicação, mais o encaminhamento a moradias provisórias para aqueles de fora da cidade. “É uma ajuda muito bem-vinda, porque a doença é séria e ficamos abalados, mas ver minha filha sorrindo de novo é uma grande alegria, graças às informações e ao apoio que recebemos, mas, sobretudo, graças a Deus”, desabafa Rose.

* Mãe e filha pediram que não fossem identificadas.


BOX

Procure um pediatra se seu filho...

- Começar a ter dor e a mancar;

- Acordar de manhã com dor;

- Estiver com as articulações inchadas;

- Reclamar de cansaço e dor persistentemente, limitando a vida social;

- Estiver com febre;

- Sentir fraqueza muscular.               

 





Fonte: FC ediçao 970-OUTUBRO 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
SAÚDE
A biotecnologia é uma ferramenta e, como tal, deve ser cuidadosamente examinada.
Curar com as mãos
Levar em consideração o corpo inteiro e tratar diretamente a causa do problema são as principais
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados