Liturgia da Palavra

Data de publicação: 15/12/2016


4º Domingo do Advento
Ano A – 18 de dezembro de 2016

Is 7,10-14 – O próprio Senhor vos dará um sinal.
Sl 24 – Mãos inocentes e coração puro.
Rm 1,1-7 – Jesus Cristo, nosso Senhor.
Mt 1,18-24 – José acolheu sua esposa.

"José, não temas receber Maria, o que nela foi gerado vem do Espírito Santo" (Mt 1,20)
                                 

Reflexão: Cônego Celso Pedro da Silva

Arte: Sergio Ricciuto Conte


Vivia em Nazaré uma jovenzinha judia, filha de Joaquim e Ana. Modesta e clarividente, capaz de aceitar grandes desafios a partir de sua pequenez. Não tinha pretensões, mas também não tinha medo. Espantou-se quando o Anjo de Deus lhe apareceu pedindo que aceitasse a missão de ser nada mais nada menos do que a mãe do Salvador prometido a Israel e por Israel esperado. Ficou admirada, com muitas interrogações e com disposição ainda maior, o que lhe permitiu dizer: “Faça-se como estás dizendo”. Faça-se, mesmo sabendo que fácil não seria e que alguma confusão batia-lhe à porta. Antes da sua, foi à porta de José que a confusão se apresentou. José era o noivo de Maria, e o casamento estava para ser realizado. E então, o que fazer? Maria, silenciosa e modesta como sempre, estava grávida. Tão quietinha e discreta, como poderia ter isso acontecido? O que pensar? Pensar mal de quem era só bem? Pensar mal de quem era justo, quando o justo só pensa o bem? O acontecimento é divino, mas as pessoas são daqui, desta terra de humanos, e a saída humana era escapar. José pensou que o melhor era partir sem dizer nada. E assim pensando adormeceu; e adormecido sonhou; e no sonho o mesmo Anjo lhe falou que não deveria ter medo. E José se casou com Maria, aceitou a missão de guarda da Sagrada Família, sabendo que o Filho era do Eterno Pai.
Ensina-nos, José, a ter a mente limpa e a não pensar mal dos outros, a procurar saídas discretas que não firam nem machuquem.  Ensina-nos a não pensar mal de quem sempre fez o bem quando por uma fatalidade parece estar enganado e ter-se embrenhado por um caminho não bom. Ensina-nos a não olhar somente o ato errado, ensina-nos a não perder de vista o conjunto de uma vida. José, marido de Maria, era justo e, não querendo denunciá-la, resolveu abandoná-la em segredo. José era justo. José, enfim, descobre que algo novo está acontecendo, algo totalmente novo e inesperado, porque ninguém pensava que seria assim. Deus decidiu nascer em nosso mundo. Israel não podia imaginar que assim seria a vinda do Messias, e como não podia imaginar, também não pôde aceitar. Era demais! Se é Deus que vem e quer vir, que venha ao menos em esplendor e majestade como sempre o imaginamos. Mas não foi assim. Além de vir, de se encarnar, de tomar a forma humana, quis nascer de uma mulher sem um pai humano definido. Quis ser gerado como todo ser humano o é, e quis iniciar sua aventura humana na pequena e não importante aldeia de Nazaré, na Galileia.
“Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe porá o nome de Emanuel”, lemos na profecia de Isaías. Dizem alguns que o texto não fala de “virgem”, mas de uma moça casada que dá à luz. Como queiram. O decisivo é que seu filho se chama Emanuel, porque o é. Ele é Deus conosco, que é o significado do nome Emanuel. El é “Deus”, e emanu, “conosco”. Deus está conosco.
Aproxima-se a festa da salvação. Com Maria digamos sim aos apelos do Senhor. Com José sejamos justos, sobretudo nos pensamentos em relação aos outros. Com o Menino sejamos Salvadores na simplicidade e na humildade. Celebremos a festa com os olhos no passado, quando o Menino nasceu, com os olhos no futuro, vendo-o em sua glória, com os olhos no presente do dia a dia de nossa vida, na qual ele está e permanece até o fim dos tempos.


Leituras e Salmos (19 a 24 de dezembro)

2ªf.:
Jz 13,2-7.24-25a; Sl 70 (71); Lc 1,5-25.
3ªf.: Is 7,10-14; Sl 23 (24); Lc 1,26-38.
4ªf.: Ct 2,8-14 ou Sf 3,14-18a; Sl 32 (33); Lc 1,39-45.
5ªf.: 1Sm 1,24-28; Cânt.: 1Sm 2,1.4-7; Lc 1,46-56.
6ªf.: Ml 3,1-4.23-24; Sl 24 (25); Lc 1,57-66.
Sáb.: 2Sm 7,1-5.8b-12.14a.16; Sl 88 (89); Lc 1,67-79.




Fonte: FC ediçao 971-NOVEMBRO 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

RELIGIÃO
Em seu artigo, o Pe. Zezinho, scj fala sobre a nova "teologia do resultado".
Mesa da Palavra
Iniciamos o Tempo Comum da liturgia da Igreja celebrando o casamento de Deus com a humanidade.
Liturgia da Palavra
Jesus, sendo Deus, poderia se encarnar da maneira que quisesse, mas escolheu ser em tudo semelhante
Liturgia da Palavra
23 de dezembro de 2018 - 4º Domingo do Advento - Ano C - Liturgia da Palavra
Liturgia da Palavra
9 de dezembro de 2018 - 2º Domingo do Advento - Ano C - Liturgia da Palavra
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados