O "preço" de um bebê

Data de publicação: 30/12/2016

 
        

Um casal pode gastar cerca de 5 mil reais no primeiro ano do bebê.
Mas surgem alternativas para driblar a crise e refletir sobre o que é essencial para acolher o bebê que vai chegar


Por:
Karla Maria

Quando o resultado do teste de gravidez dá positivo, não é só o corpo da mulher que muda. Com a chegada do primeiro filho na vida de um casal muita coisa precisa ser ajustada para que o bebê chegue e viva em um lar harmônico e, entre todas as situações que precisam ser ajustadas, uma delas é a financeira.
Que a maternidade virou um grande e rentável negócio não é segredo para ninguém, afinal há uma demanda de cerca de 3 milhões de bebês por ano no Brasil. São cinco bebês a cada minuto e, para eles, mães e pais. Há uma imensa lista de produtos e serviços, como uma superbabá eletrônica, carrinhos de passeio ultramodernos, sem contar a quantidade de facilitadores para a hora da amamentação.

Itens mais comuns como chupetas e mamadeiras também chamam a atenção pela variedade de modelos e tamanhos, além dos babadores, cremes antiestrias, loções para os bebês, macacõezinhos, lençóis e tantos outros.
Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), para cada bebê que nasce, uma família de classe média desembolsa cerca de 5 mil reais na aquisição do enxoval que irá acompanhá-lo no primeiro ano de vida. “Quando descobri que estava grávida, passei a pesquisar e ver o que precisava comprar. Na internet, existem muitas listas, mas o ideal é se basear pelo que o hospital e maternidade requisita”, conta Tânia Cristina Rodrigues Ermida, 33 anos, mãe da pequena Tâmara Cristina Rodrigues Ermida, de apenas 3 meses.
Tânia conta que ficou empolgada ao comprar o enxoval do bebê, especialmente quando soube que era menina. “Tive vontade de comprar as coisas logo, mesmo sabendo que ainda tinha mais cinco meses pela frente, mas resolvi reformar a casa primeiro, projeto que estávamos querendo fazer já havia alguns anos”, conta a mamãe de primeira viagem.
Casada com Rogério Costa Arraes Ermida, 41 anos, há dez anos, ela conta que o marido costuma controlar mais as compras. “Eu tento ser uma mamãe consciente, mas às vezes me permito ser uma mamãe consumista, não dá para resistir. O Rogério é um papai consciente, me põe no freio, mas é participativo, dá muito amor, e faz ela dormir para que eu possa descansar”, revela.
O parto de Tâmara foi cesariana. “Foi uma cirurgia tranquila, tive a sorte de ter um excelente médico, uma equipe muito carinhosa e um tratamento maravilhoso, é um momento de muito amor envolvido. Tive algumas dificuldades com relação à amamentação, mas nada como a perseverança de que iria conseguir fazer com que ela fosse alimentada pelo meu leite”, revela. E não só conseguir amamentar sua filha como também doar seu leite para o banco de leite da cidade onde o casal mora: Guarulhos, na Grande São Paulo.
O casal também contou com a ajuda dos amigos para compor o enxoval de Tâmara, já que fizeram o tradicional chá de bebê. Na ocasião, amigos e familiares presentearam com fraldas, roupinhas e utensílios que ajudariam os pais a cuidar da filha. “Resolvi comprar o restante do enxoval dela após o evento, pois poderia ter alguns presentinhos, e assim o cantinho dela foi criando vida.” E teve.

Depois que Tâmara nasceu, mais presentes chegaram. “Ela ganhou muitas roupinhas e sempre nos tamanhos maiores, o que nos fez de certa forma economizar”, avalia. Para Tânia, esse mercado é muito atraente, e os preços são bem elevados, mas adianta que há alternativas.
“Os preços, principalmente de roupas, são altos, mas existem muitas opções. Hoje em dia temos algumas feiras de venda de roupinhas e acessórios, que se encontram variedades na média 30% mais baratas do que comprando na loja”, aconselha.
Esta é a tendência: buscar alternativas, já que em tempos de crise não é todo casal que pode desembolsar cerca de 5 mil reais no primeiro ano de vida do bebê, e, pensando nisso, mães se organizaram na internet e montaram grupos de trocas de roupas e brinquedos usados, mas em bom estado. Além de economizarem, os casais também contribuem com o planeta diminuindo o consumo.
Outra questão a ser levantada e conversada entre o casal é se de fato são necessários todos os objetos que as listas prontas que salpicam pela internet sugerem. A fotógrafa Renata Penna, atriz, ativista e redatora do blog Eu, Mamífera, mãe de três crianças, faz uma avaliação interessante da própria experiência e que talvez sirva de reflexão para nossos leitores, pais e mães de primeira viagem:
“Aprendi que para ser mãe é preciso pouco (embora seja muito): amamentação saudável, um colo aconchegante, tempo disponível, disposição para encarar os desafios e amor, muito amor no coração. Todo o resto é dispensável. Alguns poucos artefatos, é bem verdade, facilitam muito, mas caso faltem, mãe e bebê sobreviverão, e muito bem, obrigada”.




Fonte: FC ediçao 972-DEZEMBRO 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Um gigante no sertão
Estátua dedicada a padre Cícero, em Juazeiro do Norte (CE), completa meio
Um olhar que viu
Tatiana Belinky, nome importante no mundo da literatura no Brasil, celebra centenário de nascimento.
Marco Frisina no Brasil
O Brasil recebeu a visita do Monsenhor Marco Frisina, compositor e Maestro de música Sacra
Os doze profetas que encantam
As esculturas de Aleijadinho, em Congonhas do Campo (MG), fazem parte do maior museu a céu aberto
Arte e natureza
Visitantes têm experiências múltiplas em um dos maiores centros de arte contemporânea a céu aberto do mundo
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados