Acolher a vida

Data de publicação: 14/06/2017

Por André e Rita Kawahala

A comunidade precisa ir atrás dos jovens casais, para ajudá-los a manter um vínculo com a Igreja

Uma moça e um rapaz com feições de adolescentes, porém com 26 e 25 anos, respectivamente, sentam-se em uma sala de estar ao lado de outros dois casais: um na faixa dos 30 anos, e o outro, ainda mais jovem do que eles, com 23 anos cada um. Diante deles está um casal com 20 anos de casamento, dois filhos e uma caminhada de vida. O que eles têm em comum? Partilham a vida tentando descobrir como superar as dificuldades dos primeiros anos de casamento.
 Sim, ali, os três casais recém-casados serão vacinados contra alguns grandes “vírus” do relacionamento: o egoísmo, o egocentrismo, o individualismo, o relativismo e a competição. Essas cinco pragas estão muito presentes na vida das pessoas e de um grande número de famílias, semeando entre os que desejam construir uma vida conjugal o desentendimento, o rancor, a dúvida e a separação.
O homem e a mulher, salvo as vocações específicas que pedem o celibato, não existem para a solidão. São chamados a se juntar como casal e a formar sua família a partir do amor. E muitos deles amam, sim! Amam, mas não sabem como quebrar as barreiras criadas por aquele egoísmo que mencionamos, o qual leva as pessoas a buscar só o próprio prazer e felicidade; não sabem como colocar o centro da vida no conjugal, trocando o “eu” pelo “nós”; buscam exageradamente os objetivos pessoais, em vez do projeto de casal; relativizam seus costumes, preceitos e conceitos pessoais, para dizerem “eu estou sempre certo(a)”; e vivem em constante disputa entre si por poder, por conhecimento, pela atenção e tantas outras coisas que fazem mais guerra do que concórdia e paz.
Muitos vieram de um namoro egoísta, fizeram do encontro de suas vidas apenas uma forma de agradar a si mesmos, em vez de procurar o conhecimento sobre o outro. A superficialidade dos relacionamentos está muito ligada à politicagem que une muitos casais, que negociam o amor em vez de vivê-lo no diálogo sincero e na doação de si. Decididos a casar, noivos pouco preparados e cheios de maus hábitos e de diferenças mal resolvidas procuram a Igreja para fazê-lo.
Seja por tradição, seja por superstição ou por fé, muitos chegam ao altar e são preparados por equipes de noivos que se esforçam para acolhê-los e orientá-los na vivência do Sacramento de maneira mais plena. Por isso, muitos casamentos precisam ser acompanhados para além do grande dia, exatamente para que o "sim" do altar seja a afirmação do amor verdadeiro.

Na direção do Reino – “No noivado e nos primeiros anos de matrimônio, é a esperança que tem em si a força do fermento, que faz olhar para além das contradições, conflitos, contingências, que sempre faz ver mais além; é ela que põe em movimento a ânsia de se manter num caminho de crescimento” (Amoris Laetitia, 219). Por isso, é importante a presença de casais de esposos com a experiência e a especialização na paróquia, para que possam colocar à disposição dos casais mais jovens a sua ajuda, com o eventual apoio de associações, movimentos eclesiais e novas comunidades (cf. Amoris Laetitia, 223).
Esse serviço pastoral deveria já estar presente na Igreja desde então, porque não somente os que celebraram o Sacramento do Matrimônio precisam de acompanhamento, mas também os que são casados apenas no civil, mas vivem o amor, e os que decidiram viver juntos sem nenhum vínculo, mas têm um amor verdadeiro de entrega da vida toda. Basta que nós nos disponhamos a ajudá-los a caminhar na direção do Reino como casal, e eles mesmos procurarão o Sacramento. Eis mais uma forma importante de acolhida e de evangelização que as comunidades paroquiais e a Pastoral Familiar precisam começar sem demora.





Fonte: FC edição 971 - Novembro 2016
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

O lado bom da menopausa
Menopausa com boa autoestima ajuda a lidar melhor com os sintomas físicos de desequilíbrio hormonal
Xixi na cama sem drama
Até os 5 anos de idade, é comum a criança fazer xixi na cama, após essa idade exige-se tratamento
Mulher, referência familiar
Nas adversidades, a mulher mostra-se uma guerreira, dedicando sua vida em favor do convívio familiar
Perto da mamãe
Levar os bebês junto ao corpo é costume enraizado na cultura de diversos países
Longevidade com qualidade
Uma cidade amiga do idoso estimula o envelhecimento ativo
Início Anterior 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados