Liturgia da Palavra

Data de publicação: 26/06/2017

15º Domingo do Tempo Comum
Ano A – 16 de julho de 2017

Is 55,10-11 – Minha palavra é como a chuva que lava
Sl 64 (65) – As nossas culpas pesam sobre nós
Rm 8,18-23 – Toda a criação está gemendo como em dores de parto
Mt 13,1-23 – Felizes são vossos olhos, porque veem

    Jesus contou a parábola do semeador e explicou o seu significado, e os discípulos lhe perguntaram por que falava ao povo em parábolas. Jesus, então, respondeu que aos discípulos foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos Céus, mas a “eles”, não. Quem são esses “eles”? São aqueles que ouvem com má vontade e fecham os olhos para não ver em contraposição aos que querem ver e ouvir. Esta crítica se aplicava às autoridade que se opunham a Jesus, mas, na realidade, ela se aplica a todas as pessoas de má vontade.
Muitas pessoas de má vontade entendiam que a parábola falava delas. Entendiam, mas não se abriam para refletir e modificar alguma coisa em suas vidas. Muitas parábolas contêm um ensinamento crítico. É preciso perceber o que a parábola está dizendo e, se vejo que ela se aplica a mim, posso me fazer de desentendido ou parar para refletir e procurar uma sincera conversão.
    A Palavra que sai da boca de Deus não volta a ele vazia. Ela produz frutos e realiza o que Deus espera que aconteça. Se o efeito não é produzido rapidamente, a Palavra paira no ar sobre as nossas cabeças como um chamado constante, até que alguém decida acolhê-la e pô-la em prática. É nesse sentido que a criação espera ansiosamente que se revelem os filhos de Deus, que são as pessoas de boa vontade que acolhem a Palavra de Deus.
A Palavra paira sobre nós à espera da nossa decisão. Não podemos desistir. É preciso perseverar e continuar até encontrar terra boa que produza muitos frutos. Há um poder pesando sobre a criação, que São Paulo chama de “vaidade”. É o pecado do mundo do qual precisamos nos libertar. Por isso gememos aguardando a libertação do nosso corpo para nos tornarmos leves e caminharmos em direção da terra boa.
    Foi assim que o semeador saiu para semear a sua semente, e quantos obstáculos encontrou. Saiu e continuou sem voltar para trás. Encontrou terreno pedregoso e não desistiu. Foi adiante. Encontrou terreno cheio de espinhos e não desistiu. Foi adiante até encontrar terra boa, que produziu à base de cem, sessenta e trinta frutos por semente. A semente é a Palavra de Deus e o semeador é Jesus, que não desiste. Seus discípulos continuam o trabalho e semeiam sempre em todos os lugares. Não podem desistir. Continuam até serem ouvidos, o que se consegue com persistência. Mas precisam também serem vistos, não apenas ouvidos, porque falam aos ouvidos e aos olhos. Os ouvidos ouvem, e os olhos veem a vida de quem fala.
O discípulo semeador não pode ser diferente do Mestre semeador. Seu modo de viver fará com que os olhos que se fecham para não ver acabem por se abrir e, vendo, questionem por que estavam fechados. Daí a importância do testemunho, da coerência, da presença silenciosa e gratuita, da dedicação à causa de Cristo, do amor praticado que provoca interrogações.
    O esforço e a perseverança do semeador não acontecem sem sofrimentos. No entanto, escreve Paulo aos romanos, “os sofrimentos do tempo presente nem merecem ser comparados com a glória que deve ser revelada em nós”. O semeador caminha perseverando e vendo o que está à sua frente, se não com os olhos da carne, certamente com os olhos da fé. Vê a bela plantação brotando da terra boa, que está lá adiante.

Leituras e Salmos (17 a 22 de julho)

2ªf.: Ex 1,8-14.22; Sl 123 (124); Mt 10,34 – 11,1.
3ªf.: Ex 2,1-15a; Sl 68 (69); Mt 11,20-24.
4ªf.: Ex 3,1-6.9-12; Sl 102 (103); Mt 11,25-27.
5ªf.: Ex 3,13-20; Sl 104 (105); Mt 11,28-30.
6ªf.: Ex 11,10 – 12,14; Sl 115 (116B); Mt 12,1-8.
Sáb.: Ct 3,1-4a ou 2Cor 5,14-17; Sl 62 (63); Jo 20,1-2.11-18.

Reflexão: Cônego Celso Pedro da Silva, sacerdote e professor de Sagrada Escritura.
Arte: Rebeca Souza Venturini
Indicações bíblicas:
Bíblia Sagrada – Tradução da CNBB – 2ª edição




Fonte: FC edição 978 - Junho 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Deus é confiável
Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus.
Liturgia da Palavra
23 de Julho de 2017 - 16º Domingo do Tempo Comum, Ano A, Reflexão da Liturgia.
Misericórdia, sem folga
Deus atua em nós gratuitamente e o faz sem nossos méritos.
A Igreja é femenina
A questão do papel da mulher na Igreja “não é feminismo, é direito!
Almas Anoréxicas
Muitos crentes morrem de anorexia espiritual. Não se alimentam, mas acham que já assimilaram demais
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados