Centro de conversão pastoral

Data de publicação: 19/09/2017

Por Leomar A. Brustolin*

Há muitos desafios para a conversão pastoral da paróquia atual. Um ponto de partida talvez seja reconhecer que nossa atuação não atinge a missão como desejamos


A conversão pastoral implica mudança de estruturas e métodos eclesiais, mas principalmente depende da conversão dos agentes, dos presbíteros, dos religiosos e dos fiéis leigos. A expressão “conversão pastoral” remete, em primeiro lugar, à renovada conversão a Jesus Cristo. Trata-se de uma conversão pessoal e comunitária. É preciso renovar em cada cristão batizado o ardor de ser discípulo do Mestre e Missionário da Boa-Nova. Emprega-se o termo “conversão” para indicar uma mudança necessária. Há muitos batizados e até agentes de pastoral que não fizeram um encontro pessoal com Jesus Cristo. Alguns vivem o cristianismo de forma sacramentalista, sem deixar o Evangelho renovar suas vidas. Outros perderam o sentido do discipulado e esqueceram a força missionária que o seguimento implica.
A mudança supõe uma nova mentalidade. “Quanto à conversão pastoral, quero lembrar que ‘pastoral’ nada mais é que o exercício da maternidade da Igreja. Ela gera, amamenta, faz crescer, corrige, alimenta e conduz pela mão... Por isso, faz falta uma Igreja capaz de redescobrir as entranhas da misericórdia. Sem a misericórdia, temos hoje poucas possibilidades de nos inserir em um mundo de ‘feridos’, que tem necessidade de compreensão, de perdão e de amor”, conforme nos disse Francisco, em um de seus pronunciamentos feitos durante sua visita ao Brasil.
Em sua exortação apostólica Evangelii Gaudium, o papa explicitou as consequências dessa conversão. “A reforma das estruturas que a conversão pastoral exige só se pode entender nesse sentido: fazer com que todas elas se tornem mais missionárias, que a Pastoral Ordinária em todas as suas instâncias seja mais comunicativa e aberta, que coloque os agentes pastorais em atitude constante de ‘saída’ e, assim, favoreça a resposta positiva de todos aqueles a quem Jesus oferece a sua amizade.”

Comunidade amiga – Portanto, são muitos os desafios para a conversão pastoral da paróquia atual. Mas um ponto de partida para isso é reconhecer que a forma como atuamos na pastoral e evangelizamos não está atingindo a missão como desejamos. Em primeiro lugar, deve-se considerar a falta de consciência comunitária que o individualismo moderno instalou até mesmo entre os agentes da Pastoral Paroquial. A cultura do egoísmo e do isolamento determina o cotidiano de muitas pessoas. Algumas paróquias podem até ter uma vida religiosa e sacramental intensa, mas seus membros se descuidam da comunhão entre si. Buscam a experiência com o sagrado sem compromisso com a fraternidade e a solidariedade. Vivem a fé cristã buscando atender apenas às demandas pessoais.
Por outro lado, a crise aponta para uma redescoberta do valor da paróquia na Igreja de nossos dias. Isso implica reconhecer a sede de espiritualidade das pessoas, e estas podem encontrar na paróquia um centro mistagógico, que possibilite uma iniciação aos mistérios da religião. A insuficiência de um território para agregar os membros de uma comunidade também proporciona o alargamento da compreensão da comunidade e da paróquia superando esses limites geográficos. O vazio e a depressão que ameaçam tantas pessoas poderão, assim, ser enfrentados numa comunidade amiga e fraterna, capaz de ser samaritana, acolhendo os caídos pela cultura egoísta e consumista. A conversão pastoral da paróquia exige mudança de mentalidade em relação ao protagonismo do laicato. A falta de presbíteros para atender a comunidade cristã supõe reconhecer que a atuação dos fiéis leigos pode ser mais intensa. 

Encontrar os afastados – Outro importante fator para a conversão pastoral é a acolhida personalizada na comunidade. A sociedade facilmente descarta pessoas e tende à despersonalização. Também as famílias começam a ter dificuldades de vínculo afetivo. Muitos idosos e doentes sentem-se um peso até mesmo em suas próprias casas! E não há como ser cristão sem ser missionário também nesse campo. A comunidade cristã jamais pode se fechar para essas diversas realidades que afetam o seu contexto. Não se trata de um grupo que satisfaz apenas sua dimensão religiosa, mas integra todas as experiências pessoais, comunitárias e sociais, a partir de sua fé em Jesus Cristo. “A fé não é um fato privado, uma concepção individualista, uma opinião subjetiva, mas nasce de uma escuta e destina-se a ser pronunciada e tornar-se anúncio”, volta a nos dizer Francisco em sua encíclica Lumen Fidei.
Enquanto uma comunidade de comunidades, a paróquia deve ter como missão enfatizar a cultura do encontro com os afastados e evangelizar os ambientes que se tornaram indiferentes à mensagem evangélica. Porque, como orienta Francisco na já citada – mas nem sempre, infelizmente, compreendida – Lumen Fidei, “quem crê nunca está sozinho; e, pela mesma razão, a fé tende a difundir-se, a convidar outros para a sua alegria. Quem recebe a fé descobre que os espaços do próprio ‘eu’ se alargam, gerando nele novas relações que enriquecem a vida”.

•    Leomar A. Brustolin é presbítero da Diocese de Caxias do Sul (RS), doutor em Teologia e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Teologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre.







Fonte: FC edição 946- outubro 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Restaurada e Aparecida
“A paz é dos milagres, o milagre mais bonito que se possa desejar”.
Liturgia da Palavra
29 de Outubro de 2017 - 30º Domingo do Tempo Comum, Ano A, Reflexão da Liturgia.
Liturgia da Palavra
15 de Outubro de 2017 - 28º Domingo do Tempo Comum, Ano A, Reflexão da Liturgia.
Liturgia da Palavra
01 de Outubro de 2017 - 26º Domingo do Tempo Comum, Ano A, Reflexão da Liturgia.
Milagre brasileiro
Milagres acontecem diariamente, mas não se tem registro. A medicina não explica este caso.
Início Anterior 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados