Restaurada e Aparecida

Data de publicação: 02/10/2017

Por Padre Zezinho, scj


Dedicamos um dia à Aparecida, que, naquela imagem restaurada, nos ensina os caminhos da unidade e do respeito entre as raças que formaram o Brasil

O que pouca gente se lembra sobre a imagem de Nossa Senhora Aparecida é de que a pessoa de Maria nunca apareceu na cidade que levou seu nome. O que apareceu foi uma imagem quebrada em duas partes, que, recomposta e restaurada, serviu de sinal, e o tempo todo vai servir de excelente catequese mariana e cristã para os católicos brasileiros. A veneração à imagem aparecida nas águas deu origem ao nome da cidade e, mais tarde, à devoção a Nossa Senhora Aparecida. 
O que nossa Igreja quer ensinar com este culto que ela acabou aceitando? Que aquela imagem não foi encontrada por acaso na lama do rio e que, numa época em que se praticava a escravidão contra os negros, o encontro de uma imagem escura e negra quebrada em duas partes poderia ajudar o País a repensar suas dolorosas separações e discriminações.
Hoje, brancos e negros, igualmente, vão lá ao santuário dedicado a Maria para falar com Jesus, que fica no centro daquela casa. Das muitas mensagens tiradas deste amor por Maria, fica seu rosto negro, o fato de que ela se recompôs e se reintegrou e, restaurada, ocupou outra vez um lugar de destaque na Igreja. Se fizemos isso por uma imagem partida em duas, podemos fazer o mesmo com pessoas despedaçadas, jogadas na lama da vida e desgastadas pelos maus-tratos do cotidiano. A imagem de Maria, aparecida e restaurada, é agora uma imagem inteira. Tem uma pequena coroa e um manto azul que a enfeitam. Sem pensar nisso, quem fez o que fez pela imagem por acreditar que Maria se manifestava por aquele sinal criou uma bela catequese de fraternidade, penitência, libertação e solidariedade. É para isso que servem os sinais na Igreja Católica.
Maio e outubro são meses em que os católicos dedicam atenção especial à mãe do Cristo. Outubro, para nós, é tempo de contemplar os mistérios do Cristo, valorizando o rosário: 150 preces, para nós, rosas dedicadas a Maria, que viveu aqueles fatos com Ele. No Brasil, dedicamos um dia especial à Maria Aparecida, que, naquela imagem restaurada, nos ensina os caminhos da unidade e do respeito entre as raças que formaram o Brasil.
Não deixa de ser altamente pedagógico que loiros, pardos, ruivos e negros igualmente procurem Jesus na casa de Maria e lá orem como filhos. Isso é milagre de concórdia. “A paz é dos milagres, o milagre mais bonito que se possa desejar”, escrevi numa canção – Milagres acontecem. Num mundo de tanta violência, não deixa de ser enorme graça a gente não ter preconceito de raça nem de cor. A imagem lá de Aparecida aponta para isto.
Aprendamos com Maria e suas pedagogias!
   
*Escritor, cantor e compositor




Fonte: FC edição 946- outubro 2014
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

A inculturação do Evangelho
Quero caminhar com o meu povo e estar no meio dele, sofrer com ele as mudanças e enxergar
Sim, eu creio!
A primeira experiência no ato de crer não se faz com a inteligência. Num primeiro momento não cremos
Liturgia da Palavra
28 de outubro de 2018 - 30º Domingo do Tempo Comum - Ano B - Liturgia da Palavra
Liturgia da Palavra
21 de outubro de 2018 - 29º Domingo do Tempo Comum - Ano B – Liturgia da Palavra
Uma fé humana!
A vivência de fé será levada, sem grandes esforços ou planejamento prévio, para uma vida comunitária
Início Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados