Um zunzunzum no ar

Data de publicação: 20/10/2017

Por Sérgio Esteves


O mel é basicamente uma solução saturada de açúcares, água, enzimas e outros elementos que resultam em um produto complexo e nutritivo

Diz a sabedoria popular, chamando a atenção para o equilíbrio da natureza, que se Deus desse asas à cobra tiraria seu veneno. O ditado é injusto com um dos exemplos mais bem-acabados do reino animal: a abelha. Porque dessa prima das formigas e vespas não se perde o voo, através do qual acontece cerca de 80% da polinização indispensável para várias culturas agrícolas – maçãs, peras, milho etc. –, nem o veneno, chamado apitoxina, devido às propriedades terapêuticas nele contidas. Ainda assim é sobretudo no campo da alimentação, que o mel, revela a maior virtude das abelhas Apis mellifera, frutos dos cruzamentos ocorridos no Brasil entre as espécies europeias (como a Apis mellifera caucasica) e africanas (Apis mellifera scutellata). O País já ocupa a 11ª posição no ranking dos produtores mundiais de mel, dando conta de uma extração de mais de 50 mil toneladas por ano.
Segundo o Ministério da Agricultura, o Brasil é o quinto maior exportador de mel do mundo. Aliás, o País nunca vendeu tanto desse produto para o exterior como em 2014. De acordo com a Associação Brasileira de Exportadores de Mel (Abemel), foram 25 mil toneladas, volume 56% maior que o de 2013. Um salto a se considerar pois até os anos 1980 o mercado interno era abastecido por méis importados do Uruguai e Argentina. Hoje, o Brasil abriga mais de 350 mil apicultores, quase todos agricultores familiares, e cerca de 300 indústrias. Também responde por 450 mil postos de trabalho no campo e 16 mil na indústria. Entre outras razões porque o mel nacional é apreciado mundo afora. Sua qualidade é ser isento de contaminantes, além de suas fabricantes terem uma genética invejável por trabalharem em biomas formados por muitas áreas ainda nativas, o que as faz independentes de fármacos e aditivos químicos. Algo cada vez mais raro em outros continentes.

Biologia complexa – As abelhas nativas do Brasil – jataís, tiúbas, mandaçaias, uruçus e jandaíras – perdem para as Apis melliferas na preferência dos apicultores por razões comerciais. As Apis têm uma capacidade produtiva quase cem vezes maior e isso, para quem vive da terra, onera no orçamento. Aos poucos, porém, as nativas conquistam seguidores devido à tendência de se ver no mel também um produto que, como os queijos e vinhos de grife, expressa o sabor e a cultura de uma região. Como, por exemplo, somente o vinho espumante branco produzido em Champagne (França) pode ser rotulado de champanhe, a propensão futura é que os méis de origem se valorizem por seus sabores que variam conforme o solo, clima, floração e, claro, a “assinatura” das abelhas. Por enquanto, porém, o que predomina no varejo é o mel genérico produzido pelas populares Apis, facilmente reconhecidas devido a suas cores amarela ou alaranjada com listras pretas no abdome. 
O mel produzido por essas operárias é basicamente uma solução saturada de açúcares, água, enzimas, proteínas, ácidos, sais minerais e outros elementos que resultam em um produto biológico complexo do ponto de vista químico. E ainda que esse não seja utilizado estritamente como medicamento, estudos científicos já comprovaram suas utilidades terapêuticas. Sua aplicação e a de outros produtos das abelhas – própolis, pólen, geleia real, cera e larvas de zangão – com fins terapêuticos até recebeu um nome: apiterapia. Essa modalidade de medicina alternativa vem se desenvolvendo nos últimos anos devido à crescente procura no Ocidente por métodos de cura naturais, mesmo em países onde a alopatia se consagrou. Um exemplo é a Alemanha, que, com base em inúmeros trabalhos científicos, adotou a apiterapia como prática oficial em sua rede pública de saúde. França e a Itália também já fomentam a produção do mel para tratamentos de úlceras e de problemas respiratórios.

Calórico – Dentro da medicina alternativa, as mais comprovadas aplicações terapêuticas do mel dizem respeito às suas propriedades antimicrobianas, antissépticas e antibacterianas, fazendo com que a apiterapia o empregue como elemento coadjuvante em diversos tratamentos preventivos. Deixando um alerta a respeito da falta de publicação de trabalhos científicos que comprovem a eficácia do mel no tratamento de várias enfermidades, os adeptos da apiterapia adotam o produto no tratamento de doenças renais, afecções do aparelho respiratório (misturado com limão, o resultado pode ser um poderoso xarope) e problemas gastrointestinais (age sobre a flora intestinal). Há também quem veja no mel um tônico para o fígado, olhos, sistema nervoso e pele. Já quanto ao seu valor calórico, não há maiores discussões. Cada quilo do produto corresponde a cada um desses alimentos e seus respectivos pesos: 2,6 quilos de peixe fresco; 1,4 quilo de carne de porco; 5,4 quilos de maçã; 1,7 quilo de carne bovina; 50 ovos, 25 bananas ou 40 laranjas.




Fonte: FC edição 954- junho 2015
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Doença celíaca
Doença do intestino delgado, autoimune, crônica, causada por uma reação ao glúten
TOD à luz da escuta de Baco
Transtorno Opositivo Desafiador, conheça esta doença
Doenças autoimunes
Quando nosso sistema imunológico se desequilibra, entram em cena as doenças autoimunes
Você cuida bem da sua audição?
A saúde da nossa audição é também questão de bem-estar
Sinusite ou rinite?
Tanto a sinusite como a rinite são inflamações que afetam as mesmas regiões do corpo.
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados