Afetiva e sexual na juventude

Data de publicação: 24/11/2017

Por Nathan Xavier


 
Vaticano elabora um curso on-line sobre afetividade e sexualidade para os catequistas e líderes de grupos de jovens

A sexualidade e a afetividade ainda são um grande tabu, sobretudo quando se procura tratar desses assuntos nos grupos de jovens. Para ajudar no processo, o Vaticano, através do Pontifício Conselho para a Família, elaborou o curso on-line O Ponto de Encontro, traduzido em cinco línguas, dentre elas o português. Destinado a líderes de grupos de jovens, catequistas e professores e baseado num modelo educacional implantado com sucesso pela Igreja espanhola e adaptado pelo Pontifício Conselho para ser útil às diversas culturas, o curso é dividido em seis unidades, com atividades e dinâmicas para serem feitas com os jovens. O projeto tem como objetivo “oferecer um itinerário de educação ao amor, que ajude os jovens a descobrir a beleza da entrega mútua e a busca da felicidade através da entrega do corpo e do espírito”.
Deturpação – Dom Vicenzo Paglia, presidente do Pontifício Conselho para a Família, afirma, em sua apresentação do projeto, que “uma das tarefas mais delicadas que os pais têm de enfrentar na educação dos seus filhos é a formação emocional, para que possam responder à vocação mais decisiva para todo ser humano: a vocação ao amor”. E, apesar da proposta do site ser direcionada a educadores e catequistas, ele lembra que “esta vocação ao amor é tarefa fundamental dos pais”.
Obviamente, para ajudarem nessa tarefa, os pais contam com o apoio e a ajuda de diferentes setores da sociedade, como a escola, a Igreja, comunidades eclesiais, párocos e demais fiéis. Precocemente ou não, hoje os jovens conseguem buscar nas redes sociais e na internet muitas informações, que podem causar mais confusão do que ajudar. “Os adolescentes e jovens estão expostos a várias informações sobre afetividade em geral e ao exercício da sexualidade, em particular. Muitas vezes, esses mesmos jovens precisam de critérios para distinguir a verdade do bem da sexualidade humana”, afirma dom Vicenzo.
Padre Antonio Ramos do Prado, conhecido como padre Toninho, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), concorda que esse tema precisa ser tratado com os pré-adolescentes e adolescentes: “Isso se faz necessário numa sociedade que contradiz as orientações sexuais que o humanismo cristão propõe. Nossa sociedade é erotizada, confundindo sexualidade e afetividade com sexo. Veja os programas de TV, em sua maioria prega isso. Essa má interpretação da sexualidade e afetividade cria um desajuste na educação das crianças, adolescentes e jovens”.
Mas, quando começar a abordar esse tema com os filhos? Padre Toninho acredita que a partir do momento em que os pais permitem aos filhos acessarem as redes sociais e a TV sozinhos. “As redes sociais não falam somente através de palavras, mas também de imagens. O adulto que educa precisa saber pedagogicamente de que forma vai abordar a criança para passar as informações corretas.” Quanto ao trabalho nos grupos paroquiais, padre Toninho acredita que os grupos podem ser um grande auxílio aos pais. Mas adverte: “É preciso que o acompanhante bem preparado e indicado pela comunidade tenha de fato formação nessa área e que suas orientações sejam a partir dos princípios da moral e da ética que a Igreja orienta. Esse processo, quando bem elaborado, contribui muito para o desenvolvimento seguro das crianças, adolescentes e jovens”.
Encontro – Todo o curso O Ponto de Encontro, do Vaticano, baseia-se na montagem de uma barraca de campismo inspirando-se no Evangelho de São Mateus, quando Jesus afirma: “Aquele que ouve as minhas palavras e as põe em prática é como o homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha”. É preciso conhecer todos os elementos da barraca, que, unidos, conseguem formar uma estrutura firme e estável contra o vento e as intempéries, para que possa ser uma casa portátil segura.
Trata-se de uma alegoria para o próprio jovem, na qual ele é representado pela barraca, que se dá conta de suas dimensões como pessoa: corpo, sexualidade, afetos, liberdade, vontade e moral. O uso de uma barraca de camping para ilustrar o curso possui ainda, de forma implícita, toda uma ideia que remonta desde a Antiguidade, quando as pessoas se utilizavam dessa rústica técnica de habitação para viajar e estabelecer contatos e comércio com outros povos. Remete também ao povo hebreu, quando estavam divididos em tribos e dormiam em tendas, como comprovam os diversos relatos na Bíblia.
Cada uma das seis unidades, formada por três a cinco encontros, dependendo da unidade, traz um arquivo para o educador e outro para o jovem, que pode ser baixado e impresso formando uma apostila. Há ainda um arquivo extra com sugestões de trechos de filmes, como Homem Aranha, Star Wars, O Senhor dos Anéis, entre outros, que ilustram o tema daquela unidade.
Como padre Toninho lembra, a influência da mídia em geral pode deturpar a ideia de sexualidade e afetividade mesmo nos adultos. A proposta do Vaticano deve ir além e até mesmo ser útil para os pais e educadores reaprenderem o amor cristão, grande tema que permeou as conclusões do Sínodo da Família, realizado há pouco.
Nesse sentido, monsenhor Mario Iceta, bispo de Bilbao, presidente da Subcomissão para a Família e Defesa da Vida, da Conferência Episcopal Espanhola, país onde nasceu o projeto, afirma que amar também se aprende: “Sendo a vocação ao amor um dom imenso e uma tarefa, necessitamos compreender esta lógica do dom e torná-la nossa. Não somente necessitamos compreendê-la, mas também aprender a amar”. E continua: “É tarefa que devemos começar a partir das primeiras fases da vida. A criança percebe que é querida,  e isso reforça a sua personalidade, suas habilidades e sua confiança no futuro. Ela logo percebe que esse amor também a desafia, exige uma resposta e, gradualmente, aprende a amar. A experiência da família é particularmente importante nos primeiros dias da nossa vida”.
Monsenhor Mario acrescenta que, após essa experiência do amor vivido em família, o adolescente entra numa nova era, onde descobre de um novo jeito sua afetividade e sexualidade. “Este é um tempo particularmente delicado. Sem a referência à vocação ao amor, a sexualidade permanece ininteligível. Como compreender e personalizar as afeições, as inclinações, as paixões, os desejos, e todas as dimensões da percepção do nosso corpo sexuado necessitam de um delicado trabalho de aprendizagem.”


BOX:

PARA SABER MAIS:

Site: O Ponto de Encontro – Projeto de educação afetivo sexual
Pontifício Conselho para a Família
http://www.educazioneaffettiva.org/

Livro: Aos Jovens com Afeto – Afetividade e sexualidade
Edições CNBB
Subsídio elaborado pela Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, abordando 50 temas sobre afetividade e sexualidade, disponível em livrarias católicas de todo o País ou pelo site da CNBB.
http://www.edicoescnbb.com.br/




Fonte: fc edição 974-m fevereiro 2017
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Arte e ciência de cuidar
É urgente que nos reencantemos com a arte de cuidar. O futuro depende da resposta a estes desafios
Se bebeu, não dirija!
Os acidentes causados por embriaguez exteriorizam uma irresponsabilidade renitente, que causa danos
29.200 dias, 936 edições
Mensagem de irmã Ninfa Becker, superiora provincial das Irmãs Paulinas no Brasil
Ação entre amigos
Parceiros, colaboradores, entrevistados e, sobretudo, companheiros de caminhada
Saber calar e saber falar!
O silêncio é necessário e útil num relacionamento, quando tem o objetivo de ser pausa para o diálogo
Início Anterior 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados