Relacionamentos frágeis

Data de publicação: 05/02/2018


A promessa de casamento eterno é tombada como patrimônio antigo, as uniões pós-modernas descuidam a intencionalidade, o pertencimento e a permanência


Rose e Edu
Ela tem 26 anos e ele, 28.  Casados há dois anos, são pais de um bebê de 10 meses. Rose saiu do emprego para cuidar do nenê. Edu passa o dia no trabalho. À noite, em casa, ele se esquece da família e se fecha na sua rotina de lazer.  Janta, lê, assiste a TV, tecla no Facebook.  No trabalho, ele também permanece on-line o tempo todo. Rose se sente descasada. Ela tentou o diálogo conjugal, envolveu-o nas tarefas domésticas, deixou o bebê aos seus cuidados, mas Edu apresenta dificuldades de abdicar da solteirice e assumir o papel de parceiro conjugal e parental. Rose vê seu casamento fragilizado. Em área de risco.

Fábio e Thamise
Ele tem 37 anos e ela, 30. Somam um relacionamento de quatro anos, e, há um ano, decidiram  fazer a experiência de morarem juntos. Se desse certo, casariam. Mas, o que era para ser delicioso, virou frustração. A experiência de viver sob o mesmo chapéu gerou expectativas irreais, próprias de pessoas imaturas para o consórcio. Viver em lua de mel diária, café da manhã e jantar a dois, dormir de conchinha, passear de mãos dadas aos domingos... Não deu certo.
A realidade mostrou-se desafiadora.  Fábio é enfermeiro noturno. Quando ele chega, ela sai. Dormir de conchinha? Como? Sozinho? Tomar café da manhã e jantar juntos? Raramente! Passear no fim de semana? Não. Ele trabalha sábado à noite no hospital.
Thamise sente-se abandonada e ele, culpado. Encontram-se no limite da tolerância conjugal e sem forças para organizar uma relação ralada e desgastada. Convivem num clima de cobranças, desculpas e confrontos.  Numa coisa, entretanto, concordam: “Perdemos a atração, o amor... Acabou!” .
E eu digo: o casamento apenas começou! Façam novos arranjos de convivência.

Divórcios
Pesquisas focadas nas famílias confirmam a fragilidade e a inconsistência dos relacionamentos. Isso não me surpreende nem um pouco. É a realidade dos consultórios terapêuticos. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) constatam que os índices de divórcios aumentaram 45,6% entre 2010 e 2011. O censo observou que mais de um terço das uniões são apenas de convivência, sem casamentos e com duração de cinco a nove anos. Segundo sociólogos, a sociedade ocidental contemporânea integra e contempla nos relacionamentos a possibilidade da dissolução. A promessa de casamento eterno ficou no passado.
A vida familiar configura-se pelo aumento de: uniões livres, sem casamento. Divórcios, famílias monoparentais, as quais um dos dois assume a responsabilidade pelos filhos. Filhos no domicílio sem um dos pais ou nascidos fora do casamento. Famílias compostas e recompostas, guarda de filhos de uniões anteriores. Vários fatores sociais, interculturais e valorativos originam novas configurações conjugais e familiares. Precisa-se, sim, consolidar redes internas de fortalecimento emocional, espiritual, as quais nutram a sustentabilidade dos laços conjugais e parentais, pois o ser humano não pode permanecer na área de risco e no vazio desamoroso.

Fragilidade conjugal
A vulnerabilidade conjugal ocorre no contexto da transformação e mudança de valores pelo qual a sociedade transita. Aprendemos que a construção familiar ocorre a partir da conjugabilidade  (homem, mulher, casamento). Novas modalidades de convivência surgem.  Hoje se casa contando com a possibilidade da dissolução logo adiante. O casamento é apenas uma experiência etiquetada com prazo de validade reduzido, limitando-se ao tempo do prazer.  Isso ocorre porque a sociedade perdeu o rumo e, com ela, o ser humano também o perdeu. A coisificação dos relacionamentos é apenas uma das consequências da perda do rumo. Há outras, igualmente muito sérias, como drogas e criminalidade.  A promessa de casamento eterno é tombada como patrimônio antigo. As uniões pós-modernas descuidam a intencionalidade, o pertencimento e a permanência. Nos relacionamentos abertos, a traição é regra acordada e consentida.  Há, evidentemente, muitas variáveis favorecendo a desestabilização dos relacionamentos. Nos fatos narrados, veem-se casais jovens fragilizados, girando em círculo na área de risco, sem estrutura emocional para consolidarem a união.  As diferenças pessoais são confrontadas no combate, muitas vezes irracional. A passionalidade vitima o amor, e a desconfiança aniquila a razão. A possessividade apodera-se de um e de outro. O individualismo subestima a parceria. A erotização desordenada esvazia a sacralidade do corpo. A ausência de espiritualidade empobrece a significância do amor. Os sociólogos diagnosticam que quanto mais forte é a adesão ao sistema de valores que fortalece e sustenta o indivíduo na busca de si mesmo, na realização plena de sua autonomia, mais o casal é frágil. A busca da felicidade pessoal, em detrimento da conjugal, não se acompanha simplesmente da negação da disciplina e do controle sexual, ela demanda, na verdade, atos de transgressão (adultério, traição), em nome da satisfação pessoal. Bem, creio que a fé, a esperança e o amor, atributos divinos, alicerçam nossas famílias. Cabe a nós cultivá-los.
Mãe do Céu, assim seja. Amém!

Por Cleusa Thewes. terapeuta familiar




Fonte: FC Junho 2013
Postado por: Família Cristã




Comentários


Comente





Compartilhe este conteúdo:


Veja Também

Simplesmente mulheres
Nas mulheres há uma identidade comum: a contemplação, a intuição e o cuidado
Abuso sem limites
Entre os casos de abuso sexual contra menores, 22% são contra crianças de até um ano
Em movimento...
Atividades físicas e gincanas em família vão além do condicionamento físico, ajudando na educação
As feridas sagradas
O que fazer com os traumas e dramas que aconteceram no percurso da vida
Uma estrela sobre as famílias
O que têm a ver Jesus, Maria e José com a atual família? Mesmo com uma distância de 2 mil anos...
Início Anterior 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 Próximo Final

Termos mais pesquisados

Busca avançada
Copyright © Pia Sociedade Filhas de São Paulo - Brasil - Direitos Reservados